Jacohrangers

Jacohrangers

domingo, 22 de julho de 2012



EPISÓDIO 04 – O GIGANTE GUERREIRO JACOHLOSSAL

NO CAPÍTULO ANTERIOR DE JACOHRANGERS:

- O JACOHRANGER AZUL CONSEGUE URINAR MESMO ESTANDO TRANSFORMADO.
- O MONSTRO KRORPRIMEIRO É DESTRUÍDO, MAS O TERRÍVEL “RAIO AGIGANTADOR” O RESSUSCITA E O FAZ CRESCER ATÉ ATINGIR MAIS DE CINQUENTA METROS DE ALTURA!
O QUE IRÁ ACONTECER?

O que antes era um monstro poderoso, ameaçador, horrendo, repulsivo, asqueroso, nauseante e aterrador, tinha se tornado um monstro poderoso, ameaçador, horrendo, repulsivo, asqueroso, nauseante, aterrador e gigantesco. Seus pés eram maiores que caminhões e fediam mais que uma dúzia de caminhoneiros sem tomar banho há meses.
A cidade se agitava, tremia e sacudia a cada passo do terrível monstro. Os Jacohrangers davam piruetas e saltos acrobáticos para trás, procurando evitarem ser pisoteados. Alguns inocentes transeuntes que tinham acabado de sair de casas noturnas próximas ao local se assustavam com a impressionante visão daquela criatura imensa. Outros, no entanto, acreditavam que aquilo era uma terrível alucinação provocada pelos efeitos embriagantes do álcool.
Os Jacohrangers apontavam suas armas desafiadoramente em direção a Krorprimeiro, mas ele os ignorava totalmente. Um olhar mais atento revelaria que o monstro, na verdade, ria deles.

- E se usássemos nossa bazuca sem nome de novo? – sugeriu o Jacohranger amarelo.
- E se disséssemos ao monstro que ele pode ficar com as garotas menstruadas que ele seqüestrou, contanto que não nos mate? – propôs o Jacohranger preto.
- E se nós fugíssemos? – perguntou a rosa.
- E se nós corrêssemos perguntar ao mestre Jacoh onde está o robô gigante que ele nos prometeu? – resmungou o azul.
- E se o robô gigante a que ele se referiu for apenas uma metáfora para simbolizar a gigantesca e invencível força que habita o coração daqueles que conduzem suas vidas movidos pela certeza inabalável de que a justiça triunfará no final? – filosofou o vermelho.
- É, pode ser que seja isso – concordou a rosa – Vamos ficar aqui parados por alguns minutos, enquanto esperamos que a força de nossos corações derrote o monstro gigante.

Dez minutos se passaram. Nada aconteceu.

- Pelo jeito, o robô gigante não era uma metáfora – concluir o Jacohranger preto.

Todos concordaram com um leve movimento da cabeça. E então, os Jacohrangers começaram a ser atacados pelo monstro gigante. Eles tiveram que dar mais saltos e piruetas para desviarem dos chutes que eram alvo. Percebendo que não atingiria os valorosos heróis, Krorprimeiro passou a atacar prédios, iniciando uma terrível destruição em Cidadopolislândia.

- Nossa sorte é que hoje é sábado e todos esses prédios estavam vazios, porque seus moradores certamente foram se divertir em casas noturnas, casas de apostas clandestinas ou lupanares – disse o Jacohranger amarelo, tranqüilizando a todos.
- Mas, voltando a falar sobre o robô gigante, será que o que precisamos não é simplesmente chamá-lo, invocá-lo, ou algo parecido? – perguntou o vermelho – Isso funcionou com nossas armas, lembram?
- Mas qual será o nome do robô? – perguntou o Jacohranger preto.
- Gigante Guerreiro Jacohlossal – respondeu o azul.
- Como você sabe? – todos os outros perguntaram ao mesmo tempo.
- Porque tem um robô gigante com esse nome escrito no peito vindo em nossa direção.

Os cinco Jacohrangers vibraram com a aproximação da gigantesca máquina de guerra metálica. O robô tinha formato humanóide, cores berrantes, e o nome dele escrito em letras garrafais na altura do peito. Andava com velocidade e parecia ser forte em batalhas corpo-a-corpo. Os heróis pegaram impulso e saltaram, torcendo para que se abrisse algum compartimento dentro do Gigante Guerreiro Jacohlossal para que pudessem entrar dentro dele. Por sorte, isso aconteceu, e eles ingressaram na máquina de guerra defensora da justiça.

- Uau! Nosso próprio robô gigante! – bradou o Jacohranger vermelho, estupefato.
- Com ele, poderemos voltar das boates sem precisar pagar um táxi – o preto disse ao amarelo.
- Aqui poderemos ficar a sós quando quisermos ter momentos de intimidade – a rosa disse ao vermelho.

O Jacohranger azul ficou com ciúme e nada disse. Antes que algum deles prosseguisse com as tolices sem conteúdo, Krorprimeiro atacou. O golpe das garras do monstro arranhou ligeiramente a superfície do robô e o empurrou para trás. O Gigante Guerreiro Jacohlossal manteve o equilíbrio e tentou contra-atacar.

- Que coincidência! – disse a Jacohranger rosa, com um sorriso no rosto – Cada vez que o Ruivão aperta um desses botões, ou mexe em uma dessas alavancas, o robô dá um golpe, ou se move, ou faz alguma coisa.

A batalha entre o robô e o monstro seguia equilibrada. Vez por outra, um deles se desequilibrava, caindo sobre um prédio e provocando caos e destruição em Cidadopolislândia. Durante o confronto, os heróis descobriram que o Gigante Guerreiro Jacohlossal tinha as armas: “Raio Jacohlossal”, “Míssil Jacohlossal” e “Punho Sangrento Jacohlossal”.

- Muito interessante saber que nosso robô tem tantas opções de ataque, mas eu acho que já está na hora de aplicarmos o golpe final – disse o Jacohranger preto.
- Tem razão. Já está quase amanhecendo e nenhum de nós dormiu nada. Mais do que heróis que combatem o mal, somos exemplos para uma geração de jovens que precisa entender os benefícios de uma noite de sono – disse o Jacohranger vermelho.
- Puxa, Ruivão! Você é tão maduro! – disse a rosa, suspirando de amor.

Novamente, o azul ficou enciumado e entristecido.

- Vamos lá, então! – todos gritaram ao mesmo tempo – Golpe Fatal Final Jacohlossal!

E o robô gigante acertou um enorme soco com o punho energizado na região do peito do monstro Krorprimeiro, fazendo-o explodir em treze mil, duzentos e quarenta e dois diminutos pedaços. O Gigante Guerreiro Jacohlossal fez uma pose de máquina guerra orgulhosa por ter vencido bem sua batalha, e o cinco heróis dentro dele vibraram com o triunfo.
Um pouco mais tarde, Negão e Polaco, já destransformados, salvaram as três jovens menstruadas que estavam sendo mantidas prisioneiras. Eles as levaram para casa assim que amanheceu, não sem antes tentarem sem sucesso seduzi-las. Os dois até convidaram Japa para participarem do processo de conquista do coração das moças, mas o jovem Jacohranger azul só conseguia pensar na linda Paty e na maneira como ela suspirava pelo apatetado colega Ruivão.

- Todos esses anos tomando banho diariamente, e a mulher que gosto vai se apaixonar por um cara mal-cheiroso, sujo, mal-vestido e metido a autor de contracapa de livro de auto-ajuda.

Ainda era manhã quando o mestre Jacoh veio cumprimentá-los pelo primeiro triunfo. Não apenas isso, veio também buscá-los para que o acompanhassem até o quartel-general deles. Polaco e Negão estavam completamente alcoolizados e não conseguiriam encontrar nem seus umbigos sozinhos. Ruivão e Paty estavam mais concentrados em conversar sobre a bipolaridade das emoções humanas e Japa praguejava por seu insucesso amoroso.

- Realmente, vocês precisam mesmo de um mestre forte para que se mantenham unidos.

Ninguém deu atenção às palavras dele. Com muita dificuldade, e após duas crises de vômito de Negão, os seis partiram para a base da equipe, onde descansariam até o momento em que o Império Krar atacasse de novo.

***

- Quer dizer, então, que você falhou em sua primeira tentativa de conquistar esse mundo? – o General Krir perguntou ao General Krer.
- Nunca imaginei que essa cidade estranha pudesse um grupo de super-heróis com um robô gigante para defendê-la.
- Vejo que você é um completo incompetente. Eu mesmo terei que tomar uma atitude ao que parece.
- Negativo! Atacarei novamente aqueles cinco miseráveis e conquistarei esse mundo. Vou despertar o monstro Krorsegundo de seu sono milenar. E dessa vez não haverá falhas.

- SERÁ O MONSTRO KRORSEGUNDO MAIS PODEROSO QUE KRORPRIMEIRO?
- SERÁ JAPA CAPAZ DE RESISTIR À TRISTEZA DE VER SUA AMADA APAIXONADA POR UM IDIOTA MAL-CHEIROSO?
- CONSEGUIRÁ O MESTRE JACOH ENSINAR A SEUS COMANDADOS O CAMINHO DE SEU QUARTEL-GENERAL?

NÃO PERCAM NO PRÓXIMO EPISÓDIO DE JACOHRANGERS!

5 comentários:

  1. Hahaha, muito bom, nobre Jaco!

    "O ranger azul ficou azul de ciume e nada disse" foi uma das partes deveras... explicativas, desta nobre aventura!

    Vejamos o que o monstro Krorsegundo será capaz de fazer...

    ResponderExcluir
  2. Hahahahahahahaha, eu adoro as filosofias do Ruivão e as conclusões às quais eles chegam "com ele, poderemos ir até as boates sem pagar um taxi" XD!

    Pobre Japa, o que será de seu romance quando Paty prefere discutir a bipolaridade das emoções humanas?

    ResponderExcluir
  3. Obrigado pela presença, Lady Astreya. Acredito que a bipolaridade das emoções humanas seja algo legal de se discutir, Lady Astreya. Só pode ser isso.

    ResponderExcluir
  4. Hahaha Show de bola! (tô tirando o atraso nas leituras) Coitado do Japa XD Quero só ver o que vai acontecer (indo para o próximo capítulo).

    ResponderExcluir