Jacohrangers

Jacohrangers

domingo, 12 de agosto de 2012

EPISÓDIO 07 - O PODER DA AMIZADE



EPISÓDIO 07 – O PODER DA AMIZADE

NO CAPÍTULO ANTERIOR DE JACOHRANGERS:

- UM VILÃO INCAPAZ DE PRONUNCIAR CORRETAMENTE O NOME DOS JACOHRANGERS ARMA UMA EMBOSCADA COVARDE CONTRA RUIVÃO.
- O JACOHRANGER VERMELHO ACHA MAIS FÁCIL SALVAR O MUNDO RECICLANDO CAIXAS DE LEITE DO QUE DERROTANDO UM TERRÍVEL IMPÉRIO INVASOR.
O QUE IRÁ ACONTECER?

O Jacohranger vermelho estava no chão, ferido, enfraquecido, mas sem ter abandonado a vontade de lutar. Seu coração estava cheio de fúria, pois seu inimigo, o terrível General Krir, havia cometido um ato de crueldade: golpeou, destruiu e incendiou o gigantesco carrinho que estava entupido de material reciclável. Parte do sangue de Ruivão ferveu de ódio, mas outra parte escorria pelas calçadas sujas das vielas de Cidadopolislândia.

- Chegou a hora de lhe dar o golpe final! – rugiu o General.
- Não posso morrer – o Jacohranger vermelho falava com muita dificuldade – Não antes de te fazer uma pergunta.
- Eu já sei! – Krir gargalhou – Você quer saber o que faremos com seu mundo depois que eu destruir você e seus amigos, certo? Pois eu digo o que eu farei: ou destruirei a humanidade, ou escravizarei toda a terra, ou usaremos os seres humanos como matéria-prima para a fabricação de mais monstros. Com mais monstros, atacaremos outros planetas para destruir seu povo, escravizar seu povo, ou usar seu povo como matéria-prima para a fabricação de mais monstros. E assim sucessivamente.
- Na verdade, a pergunta não era essa.
- O que? Qual era a pergunta, então?
- O deserto se chama “deserto”, porque é um lugar “deserto”, ninguém mora lá. Mas, e se milhares de pessoas fossem morar no deserto, ele não seria mais um lugar “deserto”. O deserto deixaria de ser “deserto”?

O profundo e desafiador questionamento do Jacohranger vermelho fez o General Krir refletir por alguns minutos.

***

- Isso se chama ressaca! – disse Polaco.

Negão sentia fortes dores de cabeça e ainda tinha certa vontade de vomitar. A madrugada anterior tinha sido agitada. Ele havia mentido ao mestre Jacoh que iria vigiar as ruas e garantir a segurança da cidade, e correu a uma danceteria, onde bebeu e abordou senhoritas até o amanhecer. Chegar de volta ao quartel-general só foi possível porque Japa o localizou através de um aparelho localizador.

- Há uma cópia desse diminuto aparelho em cada um de nossos corpos – o Jacohranger azul explicava aos colegas – Assim, é possível localizarmos uns aos outros em qualquer circunstância e em qualquer lugar em que estejamos.

Japa recebeu aplausos de Negão, Polaco, Paty e Mestre Jacoh. Mas, no fundo, a intenção dele com aqueles aparelhos era vigiar o que sua amiga Paty fazia, e com quem ela saía.
Negão cuspia na privada doses consideráveis de um chá de boldo que não conseguiu engolir, enquanto o Mestre Jacoh se perguntava qual seria a próxima investida do demoníaco Império Krar. Também se perguntava por que Ruivão estava demorando tanto. Também se perguntava o que tinha acontecido naquelas vielas que apareceram destruídas no telejornal. Polaco foi o primeiro a perceber que aquelas coisas todas podiam estar interligadas.

- Seu senso investigativo é impressionante, Polaco! – bradou Jacoh.
- Japa, que tal usarmos o localizador para tentarmos descobrir onde está o Ruivão? Daí, podemos aproveitar para ir até ele, resgatá-lo, e deter a ambição maligna de nossos inimigos!– propôs Negão.

Japa hesitou por alguns segundos. Se Ruivão fosse destruído, seu caminho estaria livre para que ele seduzisse Paty. Por outro lado, como a garota poderia amá-lo se ele se recusasse a ajudar um colega em dificuldades. Haveria outra chance para Japa seduzir Paty? Ele escolheria a amizade ou amor?
Negão adorava seu amigo Ruivão, e dera a idéia de procurá-lo, mas, no fundo, o que ele realmente queria era dormir. Se Ruivão estava em situação de perigo fora por escolha dele. Mas... Como poderia abandonar um colega em apuros? Dormir ou auxiliar um colega?
Polaco, Paty e Mestre Jacoh tiveram que dar nos dois um grande sermão sobre a importância da amizade, da união, do apoio mútuo, irrestrito e incondicional que era indispensável para que os Jacohrangers triunfassem sobre as forças do mal. Incapazes de agüentar tanta falação, Negão e Japa decidiram cooperar.

O General Krir sentiria o poder da amizade.

***

Os quatro jovens amigos gritaram “Hora de Jacohmbater o mal!”. O azul ajustou o localizador e encontrou rapidamente Ruivão. Estava em uma viela não muito perto dali. Uma vez que as motocicletas do grupo ainda tinham problemas legais com os órgãos de trânsito de Cidadopolislândia, os quatro tiveram que partir a pé.
Vinte e três minutos depois, chegaram ao local. Lá, uma cena estranha: um indivíduo maligno, poderoso e ameaçador, debatia com Ruivão. O Jacohranger vermelho estava caído, ensangüentado, ferido e enfraquecido no chão sujo de sangue. Não parecia capaz de reagir, mas não lhe faltavam argumentos para discutir com seu oponente.

- Basta, invasor maligno! – gritou o Jacohranger preto – O que você fez foi imperdoável!
- Exato! – berrou o amarelo – Ferir nosso amigo? Tudo bem. Destruir parte de nossa cidade? Tudo bem. Mas dar corda a ele e fazê-lo pensar que alguém se importa com essas babaquices pseudo-intelectuais dele? Isso é demais!
-Prepare-se! – vociferou o azul.

Os três empunharam suas armas, enquanto a rosa foi acudir o colega em apuros. O bastão, o escudo e a maça golpearam, agrediram e tentaram atingir o General maligno, mas não foram bem sucedidas. Krir era muito veloz, hábil e poderoso. Desferiu dois socos que levaram o Jacohranger preto a nocaute. O amarelo esquivou-se de alguns chutes, porém não resistiu ao poder de um raio de que foi alvo. O azul conseguiu manter seu confronto com o General equilibrado por pouco tempo. Logo também foi golpeado e caiu.
Naquele momento, o vermelho e a rosa preparavam-se para o combate. Ela tinha um projétil pronto para ser disparado por sua besta. Ele voltou a segurar com força o cabo de sua espada. General Krir olhou para eles e percebeu que não seria fácil derrotar aqueles jovens.

- Você ousou me atacar covardemente. Ousou destruir parte dessas belas vielas. Ousou destruir meu lixo reciclável. Ousou me iludir, fazendo-me acreditar que se importava com minhas reflexões filosóficas de grande profundidade. Por tudo isso, você não pode sair impune – disse o vermelho.

O disparo da Jacohranger rosa atingiu o inimigo de raspão, dando ao vermelho a chance de golpeá-lo com a espada. A criatura urrou de dor e disse três horríveis palavrões. Os cinco Jacohrangers taparam os ouvidos para não ouvir, e perderam a chance de continuarem atacando.
Mas quando o General Krir pensava em agredir o vermelho e a rosa, os outros três Jacohrangers já estão de pé novamente.

- Talvez sejamos fracos, burros, desmiolados, imaturos, despreparados, irresponsáveis e inconseqüentes. Mas somos amigos! E é por isso que jamais seremos derrotados por você! – gritou o Jacohranger azul.

Os cinco heróis iniciaram um ataque conjunto, atingindo o General várias e várias vezes, até que ele caiu no chão. Quando se levantou, manquitolando e cambaleando mais do que Negão quando bebia, percebeu que estava prestes a receber o golpe final.

- Bazuca sem nome! – todos gritaram ao mesmo tempo, invocando a mais poderosa arma de que dispunham.
- Não serei destruído agora! Eu voltarei! – gritou General Krir.

E após uma explosão e um grande clarão, o inimigo maligno havia escapado magicamente. Os cinco defensores da justiça se abraçaram e vibraram pela vitória. Todos ajudaram Ruivão a recolher o que restava de seu material reciclável, e juntos regressaram lentamente até o quartel-general do grupo. Àquela altura, Negão já estava bem melhor de sua ressaca.

- Eu sempre soube que vocês conseguiriam – disse o Mestre Jacoh.
- Nós não – respondeu com sinceridade Japa.

E assim, mais uma vez, o dia foi salvo graças aos Jacohrangers!

- SE MILHARES DE PESSOAS FOREM MORAR NO DESERTO, ELE DEIXARÁ DE SER “DESERTO”?
- QUAIS SERÃO OS PRÓXIMOS PLANOS DO TERRÍVEL IMPÉRIO KRAR PARA CONQUISTAR A TERRA?
- SERÁ NEGÃO CAPAZ DE CONTINUAR COMBATENDO O MAL MESMO SENDO SEMPRE ACOMETIDO POR VIOLENTAS RESSACAS?

NÃO PERCAM NO PRÓXIMO EPISÓDIO DOS JACOHRANGERS!

Um comentário:

  1. \o/ PODER DA AMIZADE \o/

    Eis um tipo de poder do amor muito importante, e que vem capengando nesses dias de desunião e desarmonia que antecedem o fim dos tempos!

    Continuem acendendo as chamas de seus corações, Jacohrangers! XD

    Quanto a pergunta de ruivão, é necessário que haja uma reflexão semântica muito profunda. Perguntarei ao querido Odin se ele, como uma divindade asgardiana, possui uma resposta :D.

    ResponderExcluir