Jacohrangers

Jacohrangers

domingo, 19 de agosto de 2012

EPISÓDIO 08 - O SEQUESTRO DOS PAIS DE POLACO



EPISÓDIO 08 – O SEQUESTRO DOS PAIS DE POLACO

NO CAPÍTULO ANTERIOR DE JACOHRANGERS:

- OS ATAQUES DO TERRÍVEL IMPÉRIO KRAR SE INTENSIFICAM, E AGORA AMEAÇAM A RECICLAGEM DE CIDADÓPOLISLÂNDIA.
- RUIVÃO TEME NÃO SER CAPAZ DE OBTER UMA RESPOSTA SATISFATÓRIA PARAO SEU DILEMA SOBRE OS DESERTOS.
O QUE IRÁ ACONTECER?

Após o recente confronto com o General Krir, finalmente a paz reinou por alguns dias, e só assim os cinco jovens heróis puderam perceber o quanto Cidadopolislândia era bela. Havia parques, embora os brinquedos estivessem enferrujados e sem condições de uso. Havia imensos canteiros de flores, apesar de todas elas estarem murchas e terem sido pisoteadas por crianças ranhentas. Havia museus e prédios históricos, ainda que seu conteúdo fosse maçante e nada agradável.
Sem dúvidas, os cinco adoravam aquela cidade. Tinha policiais, mas eles eram corruptíveis e despreparados; tinha políticos, mas eles eram desonestos e arrogantes; tinham lupanares e eles possuíam em suas fachadas o nome “zona” escrito em letras garrafais.
Negão e Ruivão decidiram sair juntos para aproveitar o dia de folga. Foram a um bairro pobre conhecido como “Favelópolislândia”. Negão tinha interesse em procurar jovens pobres e sem oportunidades para convidá-los a aprender a tocar instrumentos de percussão. Ruivão desejava observar as características do local e o comportamento das pessoas para escrever seu primeiro livro: “A massificação da pusilanimidade e o esmorecimento da auto-estima humana”.
Paty foi ao salão. Faria as unhas e passaria toda a tarde escolhendo cores para as mechas que pretendia fazer no cabelo. Além, é claro, de ler revistas de fofocas sem precisar comprá-las.
Japa tinha ido à biblioteca. Debruçou-se sobre uma mesa e pôs-se a ler um livro intitulado: “A arte da sedução: descubra onde você está falhando”. Ao lado dele, uma pilha com outros títulos da mesma natureza: “Então, você não tem capacidade de conquistar uma mulher?”, “Perca a virgindade sem gastar um centavo: pergunte-me como” e o mais grosso de todos: “Duzentas e setenta e nove dicas para conseguir se casar antes dos sessenta e três anos”.
Polaco e Mestre Jacoh estavam no quartel-general do grupo, discutindo.

- Qual é o problema em eu tirar dezoito dias de folga, mestre? Minha família mora longe, e eu não a visito desde a última vez que eles fizeram um abaixo-assinado para que eu não os visitasse mais.
- Polaco, você precisa entender que você pode ser necessário aqui. E se o Império Krar atacar novamente?
- Mas, mestre, e se meus pais forem atacados? Preciso ir para protegê-los!
- Polaco, na verdade, você quer visitá-los porque eles estão trabalhando nos preparativos da Oktoberfest e você quer tomar chopp em grande quantidade e de graça.
- Por que o senhor acha isso, mestre?
- Porque encontrei em seu quarto um bilhete que você ia mandar para o Ruivão, dizendo: “Amigo, vou passar dezoito dias com meus pais tomando cerveja de graça e em grande quantidade. Mas, para o mestre Jacoh, direi que vou visitar meus pais porque eles podem ser alvo de ataques do Império Krar. Abraço”.

Polaco abaixou a cabeça e foi tomar banho.

***

Na região sul do Brasil, sobre um prédio altíssimo em que soprava um violento vento de chuva, dois indivíduos. Malignos, sujos e estranhamente vestidos, eram invasores espaciais. E tinham planos terríveis para colocar em prática.

- Será mais fácil derrotar os “Sabãoempórangers” se tivermos reféns para usarmos como escudo – disse o general Krir.
- O nome deles não é esse – respondeu Krer.
- O nome deles não importa! – Cheguei até a pensar em seqüestrar centenas de pessoas. Isso os deixaria muito ocupados com os resgates. Mas, para isso, nós teríamos que ficar muito ocupados nos seqüestros. Então achei melhor seqüestrarmos uma ou duas pessoas apenas, de preferência alguém que seja importante para eles. Assim, eles ficarão emocionalmente vulneráveis e serão mais facilmente derrotados.
- Parece um bom plano. Onde está o monstro Krorterceiro? – Krer perguntou.
- Deve ter se perdido. Quando expliquei a ele como chegar até aqui, fiquei com a impressão que ele não entendeu.

Minutos depois, Krorterceiro chegou ao topo do prédio. General Krer gargalhou, General Krir jurou vingar-se dos insolentes heróis, e o monstro apenas coçou seus glúteos. Um demoníaco plano estava prestes a ser posto em ação.

***

As pessoas corriam desesperadas, não porque suas vidas estavam ameaçadas, mas porque barris de chopp seriam desperdiçados se nada fosse feito. A banda parou de tocar as músicas típicas, os churrasqueiros largaram as carnes no fogo e os dançarinos abandonaram suas coreografias tolas. Todos se uniram com o propósito de não deixar aquela terrível invasão prejudicar o consumo desenfreado de álcool, as ressacas posteriores e os eventuais comas alcoólicos.
O monstro era horrendo. Tinha tentáculos quase infinitos, todos azuis, rosto monstruoso com cicatrizes vermelhas, patas amarelas, chifres brancos, e cabelos marrom-alaranjados. Parecia, de fato, um idiota em uma fantasia de carnaval. De fato, algum engraçadinho chegar a gritar para ele: “Você está na festa errada”. No entanto, o pior ainda estava por vir.
Dezenas de indivíduos brancos, quase albinos, marcharam com expressões sádicas nos rostos sem expressão. Eram soldados Krur, e tinham a missão de auxiliar Krorterceiro. O pânico aumentou, pois as criaturas invasoras corriam de um lado para o outro, parecendo estar a procura de alguém.
Os seguranças do evento não estavam presentes quando o caos começou. Uma busca desesperada revelou que eles estavam desmaiados ao lado de uma parede, de tal forma embriagados que chegaram à inconsciência. Todos os esforços na tentativa de acordá-los foi em vão. Muitos presentes pegaram as armas deles e decidiram se defender por si mesmos.
 Após longos minutos de confusão, balbúrdia, correria e degustação de chopp, Krorterceiro e seus aliados Krur encontraram quem procuravam: um casal de senhores de meia idade, loiros. Ele tinha um bigode horrendo, e ela prendia o cabelo em um penteado de extremo mal-gosto. Ambos tinham dificuldades em se manter de pé, pois o álcool que tinham consumido havia lhes tirado a lucidez. Talvez por isso não tivessem resistido à captura. Eles se chamavam Fritz e Frida.

Eram os pais de Polaco.

***

Os dois foram levados prisioneiros e trancafiados em uma cela escura, suja e sem bebidas alcoólicas. Estavam ainda tão fora si mesmos, que nem sequer perceberam que foram levados para outro lugar, aprisionados. Nem ao menos notaram que estavam algemados. Repararam apenas que a bebida havia acabado.
General Krir organizou um grupo de “boas-vindas” para os Jacohrangers. Além dele, o monstro Krorterceiro e quarenta e três soldados. Esperaram pacientemente pela vinda dos heróis. Ansioso, aguardou para que pudesse acertar as contas com os cinco impertinentes.
Cinco dias se passaram, e não veio ninguém. Quando General Krir já tinha perdido completamente a paciência, General Krer veio conversar com ele.

- Será que não seria uma boa idéia AVISAR os Jacohrangers que você seqüestrou parentes deles?

O silêncio reinou por vários minutos.

- É uma idéia tão maluca que pode dar certo.

***

No quartel-general dos Jacohrangers, o alarme soou, com os já tradicionais gritos de “Vamos seus trastes imprestáveis, vamos! Mexam-se! Perigo! Perigo!”. Logo surgiu no monitor principal do computador do grupo a imagem horrenda do General Krir.

- “Oritimbórangers”, tremam de medo, pois eu, General Krir, tenho como reféns os pais de um de vocês. Se quiserem vê-los novamente com vida, aceitem meu desafio. Venham resgatá-los, se puderem.

E gargalhou, como ouvira falar que os vilões do planeta Terra costumavam fazer após ameaçar os heróis. Polaco ficou com os olhos marejados de água, pois reconheceu na imagem do monitor que os prisioneiros eram seus pais. Seus colegas o apoiaram tanto quanto suas inteligências permitiam. Todos começaram a fazer seus preparativos, enquanto Mestre Jacoh identificava a localização do esconderijo inimigo. Em poucos minutos, estavam prontos e decididos.

Partiriam para o resgate.

- SE OS PAIS DE POLACO TÊM NOMES TIPICAMENTE ALEMÃES, COMO ELE PODE SER DESCENDENTE DE POLONÊS?
- POR QUE O GENERAL KRIR CHAMOU OS HERÓIS DE ORITIMBÓRANGERS? SERÁ QUE ELE SABE O SIGNIFICADO DA PALAVRA “ORITIMBÓ”?

NÃO PERCAM NO PRÓXIMO EPISÓDIO DE JACOHRANGERS!

Um comentário:

  1. Hahahahaha, adorei as perguntas finais desse capítulo XD!

    Vou ler agora o mais novo e tirar o meu vergonhoso atraso.

    ResponderExcluir