Jacohrangers

Jacohrangers

domingo, 30 de dezembro de 2012

EPISÓDIO 27 - O DESESPERO DE NÃO TER MAIS UM ROBÔ GIGANTE


EPISÓDIO 27 – O DESESPERO DE NÃO TER MAIS UM ROBÔ GIGANTE

NO CAPÍTULO ANTERIOR DE JACOHRANGERS:

- A TÁTICA COVARDE EMPREGADA PELOS JACOHRANGERS DE USAR UM ROBÔ GIGANTE CONTRA UM MONSTRO DE TAMANHO NORMAL SÓ É BEM-SUCEDIDA EM PARTES!
- O GIGANTE GUERREIRO JACOHLOSSAL TOMBA, BLOQUEANDO ESTRADAS, DESTRUINDO LARES E ESMAGANDO UM CAMPO DE FUTEBOL.

O QUE IRÁ ACONTECER?

Após terem feito amor sob os escombros do Gigante Guerreiro Jacohlossal, Paty e João surgiram diante de seus amigos suados, cansados, ensangüentados, mas extremamente sorridentes. Japa não conseguiu disfarçar seu ódio, Ruivão sentiu uma pontada de ciúme mesmo sem ter consciência disso, e Negão e Polaco tinham ido procurar um bar nas redondezas.
Krordecimosexto estava em posição de “lótus”. Parecia um praticante de yoga em estado meditativo. Os Jacohrangers logo perceberam que daquela forma a criatura recobrava seus ferimentos. Mas como ele tinha levado muitos golpes, muito tempo seria necessário até que ele estivesse bem novamente. O que dava aos heróis algum tempo.
Os Jacohrangers que lá estavam decidiram voltar a seu quartel-general. Lá poderiam conversar com o Mestre Jacoh e tentar encontrar uma solução. O Gigante Guerreiro Jacohlossal poderia ser consertado? Teriam dinheiro em caixa para financiar um robô novo? Encontrariam um robô gigante usado em alguma concessionária de robôs? Poderiam firmar um acordo diplomático com o Império Krar? Haveria tempo hábil para fugirem dos inimigos covardemente e abandonar a Terra à própria sorte?

***

Sem encontrar uma solução para o problema, Ruivão resolveu andar. O cheiro de putrefação, lixo mal armazenado e mendigos avessos à prática do banho certamente lhe dariam a inspiração necessária para encontrar uma solução. Caminhou sem rumo em direção ao amanhã, olhou para o infinito e tentou encontrar seu fim, manteve-se absorto em suas frívolas reminiscências pueris, até que teve um lampejo.

- É isso! – gritou, assustando os transeuntes que estavam próximos.

O lendário e único exemplar do livro “Seus problemas são realmente gigantes, ou você é apenas um idiota?”. Mais do que um tomo de 17.212 páginas, aquele era um verdadeiro compêndio de informações, conselhos, estatísticas, ilustrações infantilóides, relatos, depoimentos, opiniões de especialistas, discursos verborrágicos, elucubrações prolixas e todas as babaquices indispensáveis para o aprimoramento do caráter de um ser vivo. 
Ruivão lembrou-se então que o referido exemplar, único em todo o Sistema Solar, pelo que se sabia, encontrava-se nas salas abandonadas da famosa “Biblioteca Longínqua”, a biblioteca que ficava no topo do monte mais alto de Cidadopolislândia. Estimava-se que o Monte da Altura Alta tinha mais de cento e trinta e dois quilômetros de altura.
O Jacohranger vermelho por muito tempo fez contas: quantos meses ele levaria para chegar até lá através dos métodos tradicionais de escalada? Infelizmente, ele não poderia esperar tanto tempo assim. Se ao menos sua equipe tivesse algum construto, máquina ou robô de com a capacidade de voar...

- Espere! Temos o Gigante Guerreiro...

Não tinham mais. Era desesperador não ter mais um robô gigante.

***

Polaco recebeu uma mensagem em seu celular. Vinha de seus pais. O povo de Blumenau faria uma “Oktoberfest fora de época”. Em pleno mês de dezembro, todos estavam convidados a beber até vomitar, dançar até ficarem com sede e então beberem ainda mais. Tudo isso com músicas típicas, trajes típicos e comidas típicas (excessivamente salgadas para deixar todos com sede e os induzirem a beber ainda mais).
Sem dúvida, embriagar-se até perder o rumo de casa era uma oportunidade que não devia ser desperdiçada. No entanto, para assegurar sua presença no evento, Polaco deveria comparecer presencialmente no local do evento e comprar ele mesmo seu ticket. O prazo se encerraria em menos de duas horas. Tempo insuficiente para sair de Cidadopolislândia (localizada no estado do Mato Grosso do Oeste) e ir até Santa Catarina.

- Espere! – o garoto pensou em voz alta.

Se seu grupo tivesse algum tipo de construto, máquina ou robô que voasse a uma incrível velocidade, ele poderia cobrir a distância em tempo hábil. Sim, talvez fosse possível. Afinal, eles tinham o Gigante Guerreiro...

Realmente, não ter mais um robô gigante era desesperador.

***

Paty estava sozinha outra vez. Sabia que, mais uma vez, o tempo estava contra ela e seus amigos. Decidiu aproveitar o tempo fazendo algo que julgava essencial, principalmente naquele momento: pintar as unhas. Afinal, ninguém respeitaria uma heroína com esmalte descascado.
Ao vasculhar seus pertences, percebeu que precisaria comprar outros esmaltes. E então se lembrou da sensacional promoção da qual foi avisada por uma amiga: ela ganharia um kit com esmaltes de mais de 23652765237573573 de tonalidades, além de acetona e duas escravas para serem manicure e pedicure em tempo integral. Para concorrer era simples: a pessoa só precisava enviar uma foto sua acompanhada de algo ou alguém único ou especial. A foto mais incrível venceria.

- E se eu mandasse uma foto minha ao lado de algum veículo, máquina ou robô dos Jacohrangers? – a garota pensou.

Certamente, ninguém seria capaz de tirar uma foto mais que incrível que ela. Quer algo mais sensacional do que uma foto ao lado de algum veículo, máquina ou robô de um grupo de Super-Sentai? Principalmente, se ela tirasse uma foto ao lado do Gigante Guerreiro Jacohl...

Definitivamente, não ter mais um robô gigante era desesperador.

***

Cosplay de tokusatsus. Algo não muito comum, mas que vez por outra ocorria em eventos organizados por fãs. João, após trocar e-mails com fãs de Gokaiger e Kamen Rider Fourze, ficou sabendo de um evento nas proximidades de Cidadopolislândia. Tratava-se do “Tokusatsus‘s enemies enemies”, um fim de semana inteiro dedicado aos inimigos dos inimigos dos grandes heróis.
A coisa mais sensacional era que haveria um concurso, no qual seria premiada a mais bela maquete de veículo, máquina ou robô Super Sentai. O Jacohranger verde leu os e-mails de seus amigos nos quais eles contavam com entusiasmo que estavam construindo máquinas imensas para competir.
João, claro, não precisava de nada disso. Afinal, ele era membro de um grupo real de heróis. Ele venceria sem esforço algum. Que chances teriam os outros competidores, com suas montagens, contra um robô gigante verdadeiro? Bastava que o Jacohranger verde levasse para o concurso o Gigante...

Indiscutivelmente, não ter mais um robô gigante era desesperador.

***

Negão conheceu no shopping uma jovem. Linda ao extremo, com longos cabelos negros, olhos profundos e radiantes, lábios carnudos e bem delineados, traços faciais delicados, corpo sinuoso, vestes reveladoras e de conversa agradável. Não tardou para que ambos iniciassem uma animada conversa.
Ele revelou que tinha planos ambiciosos para o futuro. Adquirir um patrimônio respeitável. Formar uma família linda. Conhecer pessoalmente o Sílvio Santos. Construir uma cidadezinha de isopor. Descer as cataratas em um barril. Enfim, encontrar a felicidade nas coisas mais preciosas da existência.
Ela revelou seu maior sonho: fazer amor dentro do compartimento interno de uma máquina que estivesse a mais de cinqüenta metros de altura. O coração do Jacohranger preto saltou ao ouvir aquilo, pois só seria preciso usar o Gigante Guerreiro...

Comprovadamente, não ter mais um robô gigante era desesperador.

***

Japa manuseava seu celular, a procura de uma mensagem antiga que recebera de um primo. Começou a procurar, nas múltiplas funções do aparelho. Agenda, telefone, SMS, mp3 player, câmera fotográfica, câmera filmadora, TV, computador, DVD, microondas, batedeira, liquidificador, enceradeira, ferro de passar, betoneira, forno a lenha, aspirador de pó, ralador de cenoura, robô gigante, domesticador de jacaré...

- Robô gigante?

NO PRÓXIMO EPISÓDIO DOS JACOHRANGERS:

O tão criticado celular ultra-tecnológico também tem, entre outras coisas, a função robô gigante. Será suficiente para derrubar Krordecimosexto? Não percam no próximo domingo:

EPISÓDIO 28 – O CELULAR ULTRA-TECNOLÓGICO LEVA À VITÓRIA 

2 comentários:

  1. Ruivão com ciúmes? Ui... (mesmo que só um pouquinho XD)

    Agora, esse celular do Japa XD Agora o negócio vai ficar sério.

    ResponderExcluir
  2. Consegui sentir com muita intensidade o quanto é desesperador não ter mais um robô gigante...

    E quem nunca sonhou em descer as cataratas em um barril...

    ResponderExcluir