Jacohrangers

Jacohrangers

domingo, 20 de janeiro de 2013

EPISÓDIO 30 - A UNIÃO DOS GENERAIS


 A UNIÃO DOS GENERAIS

NO CAPÍTULO ANTERIOR DE JACOHRANGERS:

- ATRAVÉS DE UM ACORDO DIPLOMÁTICO RAZOÁVEL, OS JACOHRANGERS E O GENERAL KRIR EVITAM UM CONFLITO DESGASTANTE E DESNECESSÁRIO.
- GRAÇAS A ESSE ACORDO ESTÚPIDO E INFANTILÓIDE, GENERAL KRER FOI REVIVIDO, O QUE PODE TRAZER MAIS PROBLEMAS AOS SEIS HERÓIS.

O QUE IRÁ ACONTECER?

- O tempo que nos resta é muito curto. Talvez devêssemos ser um pouco mais sérios e tentar encontrar logo uma solução. A Terra pode ser destruída se não detivermos o Império Krar a tempo – disse Polaco, completamente embriagado e com a língua enrolada.
- Ruivão, não acha que ele pode ter razão? – perguntou João.
- Não temos por que dar atenção a um bêbado.

Mestre Jacoh e Negão, entre uma e outra visualizada em uma página de conteúdo adulto na internet, conversavam tão seriamente quanto era possível para um Jacohranger. Japa apenas ouvia, tentando encontrar um pretexto para ficar mais perto de Paty, que estava organizando sua coleção de mais de quatrocentos e noventa sapatos em um armário.

- Existe um líquido mágico que pode adaptar o DNA de vocês ao planeta Terra, possibilitando que vocês permaneçam aqui. No entanto, esse líquido está escondido sob as estranhas de uma montanha gigantesca, longínqua e protegida por ameaças que desafiam os horizontes das mais férteis imaginações.
- Mestre Jacoh, não entendo todas as palavras difíceis que você diz, mas acho que captei a mensagem principal – Negão respondeu – Onde fica esse lugar?
- Sob o Monte Everest. O grande problema é que o tempo que vocês desperdiçariam indo até lá poderia ser utilizado para derrotarem o Império Krar.
- E se dividimos nossas forças? – sugeriu Japa – Poderiam ir para essa montanha vocês dois, mais o João, o Ruivão e o Polaco. E aqui, sozinhos, protegendo o quartel-general, Paty e eu. O que acham?
- Como fazemos para localizar esse líquido? O Monte Everest é enorme! – Negão ignorou a idéia de seu colega.
- O corpo de vocês reagirá à aproximação do frasco que contém o líquido. Vocês mesmos sentirão quando estiverem próximos.

O diálogo foi bruscamente interrompido pelo grito escandaloso do alarme.

- Alguém deveria diminuir o volume dessa droga! – gritou o Jacohranger verde, após quase cair do sofá de tanto susto.
- Alguém deveria ir lutar no meu lugar. Estou com sono! – disse Polaco.

O monitor mostrava a imagem do General Krir e do General Krer juntos, lado a lado, destruindo a cidade. Por algum motivo, eles destruíam construções minúsculas que tinham o tamanho deles.

- Acho que o “zoom” está desativado! – comentou Japa, antes de ir corrigir o erro da imagem.

E então todos viram que, na verdade, os dois generais tinham usado o Raio Agigantador sobre eles mesmos para ficarem com mais de cinqüenta metros de altura. E tinham iniciado uma terrível destruição em um dos bairros de Cidadopolislândia.  

- Temos apenas um robô. Eles são dois – ponderou Paty – Como lutaremos em desvantagem?

Ruivão ficou cinco ou seis minutos contando nos dedos os números “um” e “dois” e pensando em uma solução para o dilema proposto por sua amiga. Sem resposta, disse apenas:

- No caminho pensamos em alguma coisa.
- Hora de Jacohmbater o mal! – todos gritaram ao mesmo tempo.

***

Em poucos minutos, já estavam todos dentro do Robô Reserva. A máquina de batalha estava pronta, energizada, preparada e capacitada. Contra ela, dois generais de aparência horrenda, portando armas que pareciam ter sido forjadas por algum debilóide com problema de visão.
Logo os Jacohrangers fizeram o Robô Reserva desembainhar a Espada Reserva e o Escudo Reserva. Todos fizeram uma pose de batalha típica de samurais japoneses do século XVIII e respiraram fundo. Era o início da terrível batalha.
Krir tomou a dianteira, desferiu um golpe e resmungou alguma bravata. Os heróis defenderam-se com dificuldade, pois Krer atacou pelo outro lado. O Robô Reserva por pouco não se desequilibrou e caiu. Os generais aproveitaram-se da situação para seguirem atacando mais e mais, com os Jacohrangers na defensiva, apenas aparando e bloqueando os golpes.
De tanto acabarem ao mesmo tempo, os generais gigantes conseguiram derrubar o Robô Reserva. Antes que ele se levantasse, Krir e Krer dispararam raios, explodindo parte da máquina de guerra inimiga. Para a surpresa deles, o robô dos heróis tornou a se levantar e partiu para o ataque. Do peito dele saiu o “Raio Reserva”, do qual General Krer se desviou com dificuldade.
A Espada Reserva começou a se chocar a arma do General Krir. Os Jacohrangers atacavam com agilidade, e o vilão defendia-se com igual destreza. Faíscas e explosões voavam por todos os lados. As lâminas gigantescas se encontravam em velozes movimentos, como se empunhadas por verdadeiros espadachins.
Em dado momento, Krer percebeu que poderia se aproveitar que o Robô Reserva estava tão concentrado em enfrentar Krir e atacá-lo. Sim, não havia por que ficar de braços cruzados assistindo uma batalha se havia a opção de golpear por trás de forma covarde, traiçoeira e eficiente.
A arma do General Krer acertou a perna esquerda do Robô Reserva, desequilibrando-o. Na seqüência, Krir o atingiu com violência, derrubando o robô. Espada e Escudo Reserva caíram. Os dois vilões aproveitaram ainda para desferir mais raios e danificar ainda mais o Robô Reserva.

- Desse jeito não venceremos, nem empataremos, nem conseguiremos adiar o combate para outra ocasião! – gritou o Jacohranger vermelho.
- Japa, pare de urinar nas paredes do robô! – gritou o preto.
- E se usássemos a “Super Energia Reserva”? – sugeriu o verde.

Dois botões foram apertados, um foi girado, três alavancas foram movimentadas e um código de cento e oito caracteres foi digitado. E a até então desconhecida “Super Energia Reserva” surgiu, regenerando as partes danificadas do robô, aumentando o poder de ataque dos heróis e limpando automaticamente as paredes sujas de urina.     
 O Robô Reserva, em uma velocidade impressionante, desferiu um soco que nocauteou Krer. Antes que o general maligno se levantasse, a Espada Reserva foi desembainhada e estocou na barriga do vilão. O Raio Reserva foi disparado. Krer gritou de dor e não conseguiu mais se levantar.
Krir veio com sua arma, mas o Escudo Reserva surgiu, bloqueando o golpe. Os heróis contra-atacaram com socos e mais golpes da Espada Reserva. O general caiu e recebeu chutes e mais golpes de espada. Os Jacohrangers já preparavam o golpe final.

- Golpe Final Reserva!

Antes o golpe decisivo fosse consumado, os generais usaram seu último recurso:

- Fuga covarde através de teletransporte!

Como que por magia, General Krer e General Krir voltaram para sua base. O plano deles tinha falhado.

***

Novamente em seu quartel-general, os Jacohrangers descansavam, comemoravam a vitória, jogavam truco e comentavam a vitória recente contra dois vilões terríveis.

- Alguém reparou que embaixo do botão da “Super Energia Reserva” tinha um aviso dizendo “Usar com cuidado. Esse recurso só pode ser utilizado uma única vez”? – perguntou Negão.
- Quem se importa? Só temos um dia e meio na Terra mesmo... – comentou Polaco.
- Um terrível império maligno ameaça toda a vida em nosso planeta. Temos um tempo muito pequeno para derrotá-los. Se falharmos, tudo que existe poderá deixar de existir. Não podemos nos dar ao luxo de desperdiçarmos nenhum dos poucos minutos que nos restam. Temos que fazer, imediatamente, o que qualquer outro grupo de heróis sério faria.
- O que, Ruivão?
- Uma festa de despedida!

Todos vibraram. Os Jacohrangers organizariam uma enorme festa para despedirem-se da Terra.
 
NO PRÓXIMO EPISÓDIO DE JACOHRANGERS:

Não há outro monstro pronto, o Imperador Krar está ausente, e os generais fugiram. Os Jacohrangers aproveitam para resolverem suas situações pessoais, pois são heróis sem cérebro, mas com corações. Não percam no próximo domingo:

EPISÓDIO 31 – A TRISTEZA DE PATY E RUIVÃO! 

Um comentário:

  1. Tempo de permanência na Terra cada vez menor... E agora uma festa? Hehehe Curiosa aqui.

    ResponderExcluir