Jacohrangers

Jacohrangers

domingo, 27 de janeiro de 2013

EPISÓDIO 31 - A TRISTEZA DE PATY E RUIVÃO


EPISÓDIO 31 – A TRISTEZA DE PATY E RUIVÃO

NO CAPÍTULO ANTERIOR DE JACOHRANGERS:

- O ROBÔ RESERVA DOS JACOHRANGERS REVELA MUITAS HABILIDADES, PODERES, RECURSOS E FUNCIONALIDADES, MAS A MAIORIA DELAS SÓ PODE SER USADA UMA VEZ.
- OS JACOHRANGERS GASTAM SUAS ECONOMIAS NA COMPRA DE COZINHAS, PASTÉIS, KIBES, RISOLES, BOLINHAS DE QUEIJO E REFRIGERANTES SUPER-ULTRA-GASEIFICADOS.

O QUE IRÁ ACONTECER?

Mestre Jacoh deu duas pancadas de leve na recém-consertada porta do quarto de Paty. A heroína rosa jogou sobre sua cama os brincos que ainda não tinha posto, girou a maçaneta levemente e não pôde esconder o espanto ao ver quem a visitava.

- Mestre! O que o senhor quer? Surgiu algum monstro?
- Preciso conversa com você a sós, antes da festa! Posso roubar cinqüenta e quatro minutos do seu tempo?
- Pode, desde que seja algo importante.

Jacoh e Paty sentaram-se na cama. A garota aproveitou para terminar de vestir suas meia-calças e colocar suas sandálias. O mestre coçava sua barbicha e olhava para o teto com cara de idiota.

- Você terá um papel importante nesta festa, Paty. E no futuro de todo o grupo Jacohrangers. Você tem consciência disso?
- Não. O que quer dizer com isso?
- Você já deveria saber. Polaco provavelmente passará os primeiros vinte minutos da festa bebendo descontroladamente e depois vai ficar vomitando até perder os sentidos. Negão e eu nos concentraremos apenas nas “strippers” que eu contratei. Mas João, Japa e Ruivão...
- O que há com eles?
- Paty, você sabe o que os três ficarão fazendo durante a festa, não sabe?
- O João ficará na frente do telão assistindo Ultraseven! O Japa deve ficar mexendo no celular dele. E acredito que o Ruivão passará o tempo todo lendo aqueles livros estranhos que só ele gosta.
- Não! Eles passarão a festa toda falando, olhando, pensando ou interagindo com você. Eles amam você, Paty!
- O que? – ela gritou.
- João é seu namorado. Ruivão começou a sentir muitos ciúmes de você e de seu namorado. E Japa sempre quis ser seu namorado.
- O que você diz não faz nenhum sentido, Mestre Jacoh! Japa tem a mania de tentar me espiar quando estou trocando de roupa, mas isso não significa que seja amor. Ruivão está com ciúmes de João, sim, mas é porque o João está meio que tomando a liderança dele. Não tem nada a ver com amor. E João é apenas meu namorado. Não tem nada, nada, absolutamente nada a ver com amor.

Mestre Jacoh se levantou, percebendo que não seria entendido. Havia feito o que estava ao seu alcance.

- A decisão é sua, Paty. Mas tome cuidado para não magoar nenhum dos três. Não seria justo com eles.

O velho sábio saiu do aposento sem fechar a porta e sem olhar para trás. Paty trancou-se no quarto e terminou de se arrumar.

***

A festa já tinha começado. Havia bexigas, bolos, strippers, chapéus estúpidos e vários aparelhos de som tocando músicas diferentes ao mesmo tempo. Ruivão ouvia compositores eruditos, Polaco escutava músicas típicas alemãs, ao passo que João curtia a trilha sonora do Jiraiya.

- Sabia que no original o nome da “Espada Olímpica” NÃO é Espada Olímpica? – João perguntou para Paty.

A Jacohranger rosa levantou-se e deixou seu namorado brincando com uma espada imaginária. Polaco cruzou seu caminho com o rosto pálido e quase vomitou em seus pés. A garota se irritou e acabou indo na direção de Ruivão. O líder do grupo a fitou com o olhar maluco de sempre e fez sinal para que ela o seguisse.
Ambos entraram na cozinha, onde havia mais comida, menos música, mais espaço, menos cheiro de fezes, e puxaram duas cadeiras. Ruivão sentou em uma delas e colocou um livro sobre a outra. Paty balançou a cabeça em negativa e puxou uma terceira cadeira.

- Ruivão, temos apenas mais um dia e poucas horas para ficarmos na Terra. Há algo que você gostaria de me dizer? Aproveite essa chance, porque não sabemos quando poderemos conversar assim tão à vontade outra vez.
- Paty, o tempo é uma abstração. Nunca é tarde para se dizer algo que não foi dito cedo porque se estava com sono. E vice-versa.
- Ruivão, vou ter que ser direta. Você sente alguma coisa por mim? Você me ama? Você sente ciúme por eu ter reatado meu namoro com João e não te dar mais atenção? Por favor, Ruivão, seja sincero.
- Conforme já expliquei, amor e ciúmes são abstrações, coisas circunstanciais e subjetivas. É claro, Paty, que você é a mulher mais bonita que eu conheço. Bem, seria... Se não fosse a moça que vem aqui toda quarta-feira vender iogurtes, a atendente da locadora, a atendente da panificadora, aquela apresentadora da TV, aquela atriz japonesa que o Mestre Jacoh tem vários pôsteres, a filha do dono da farmácia da esquina, aquela sua prima que você nos apresentou mês passado, as últimas sete ex-namoradas do Ruivão, a mãe do Polaco e a filhinha recém-nascida do porteiro do prédio da esquina da rua em que morava o irmão do ex-padrasto daquele cara que trazia os jornais para o Mestre Jacoh.
- Resumindo: você me acha feia. É isso, Ruivão?
- Paty, a beleza também é um conceito de definição e entendimento variáveis.

E por mais alguns minutos, a conversa seguiu neste mesmo rumo...

***

Japa estava amuado, em silêncio, sentado em um canto, tendo como única companhia um copo de refrigerante sem gelo e sem gás. Poucos metros diante dele estava Negão, agarrado a três strippers, proferindo bobagens impróprias para menores em seus ouvidos.

- Ele é feio e vulgar, mas não tem dificuldade com as mulheres? Será que devo pedir conselhos a ele.

Assim que surgiu a chance, Japa chamou seu amigo Jacohranger preto a um canto, diminuiu o volume da música e abrir seu coração.

- O que faço para Paty sentir vontade de casar comigo?
- Diga a ela coisas como “que tal meu ‘pipi’ no seu ‘popo’, Paty?” – Negão gargalhou.
- Estou falando sério!
- Converse com ela. Fale a verdade para ela. Você fica resmungando pelos cantos que ela namora o João, mas deve ter alguma misteriosa relação com o fato de que o João foi até ela, falou com ela, e tentou conquistá-la olhando nos olhos dela. Faça algo parecido também. Pode até não dar certo, mas as chances são maiores do que se você ficar choramingando pelos cantos. Lembre-se: você é membro de um grupo Super-Sentai, não de uma banda “emo”.   

E o Jacohranger azul começou a criar coragem e a pensar nas frases que diria à sua amada.

***

Paty foi ao banheiro, o tipo de atitude que uma mulher toma, não porque tenha qualquer motivo real para ir ao banheiro, mas para fazer os homens pensarem: “O que ela terá ido fazer no banheiro?”. Lá, olhou-se no espelho, como se aquilo fosse lhe proporcionar uma profunda reflexão.

- Mestre Jacoh estava errado – ela murmurava para si mesma – Ruivão não me ama. Ele é só um maluco incapaz de saber o que fala, muito menos o que sente. Mas esse não é o pior. O pior é que sinto que ainda gosto dele.

“Muito!”

***

Em algum outro canto da festa, Ruivão conversava mentalmente com seu “eu lírico”.

- Fizemos a coisa certa. Não é correto demonstrar fraqueza diante de uma mulher. Pode ser doloroso, mas a dor é só um conceito psicológico que pode ser combatido. O importante é que Paty não desconfie que nós estamos apaixonados por ela.

Uma lágrima rolou no rosto do Jacohranger vermelho.

NO PRÓXIMO EPISÓDIO DOS JACOHRANGERS:

O drama do “quadrilátero amoroso” se aproxima de uma definição. Não percam no próximo domingo:

EPISÓDIO 32 – A TRISTEZA AINDA MAIOR DE JAPA

2 comentários:

  1. Uia O.o Pensei que o Ruivão ia ficar na mesma quanto a Paty XD

    ResponderExcluir
  2. OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOWWWWWW, que boniteza, eu ainda torço pelo Ruivão! PATY E RUIVÃO <3

    ResponderExcluir