Jacohrangers

Jacohrangers

domingo, 17 de fevereiro de 2013

EPISÓDIO 34 - SEM LENTES, SEM PODERES


EPISÓDIO 34 – SEM LENTES, SEM PODERES

NO CAPÍTULO ANTERIOR DE JACOHRANGERS:

- OS JACOHRANGERS CRIAM VERGONHA NA CARA E DECIDEM IR LOGO ATRÁS DA ÁGUA QUE PODE GARANTIR A PERMANÊNCIA DELES PARA SEMPRE NA TERRA.
- APESAR DISSO, OS HERÓIS DEMONSTRAM POUCO CONHECIMENTO AO NÃO SABEREM A DIFERENÇA ENTRE AÇO INOX E AÇO CARBONO.

O QUE IRÁ ACONTECER?

Krordecimosétimo urrava de felicidade. Pareciam ser gargalhadas guturais. Ou estava zombando dos Jacohrangers. Os heróis tinham se destransformado graças ao poderoso ataque luminoso que ele emitira. As lentes de contato, que eram a fonte dos poderes deles, haviam se quebrado.

- Vamos tentar nos transformar sem elas! – gritou João.
- Hora de Jacohmbater o mal! – gritaram todos ao mesmo tempo.

Nada aconteceu. Chegaram a pegar cada um os cacos de suas lentes, segurarem-nos em suas mãos e tentar de novo. Outra vez, sem sucesso. Colocar aqueles vidrinhos quebrados nos olhos seria perigoso, por isso não fizeram aquilo.

- E se corrêssemos em direção à ótica mais próxima e comprássemos lentes substitutas? – Ruivão perguntou.
- Acredito que só as originais tinham o poder de nos transformar em Jacohrangers – respondeu Japa – Apesar de que se conseguimos um robô reserva, faria sentido conseguirmos lentes reservas.
- Japa, seu celular ultra-tecnológico não tem a função “lentes de contato reservas”? – perguntou Polaco.
- Não tem.

Para piorar tudo, Krordecimosétimo começou a atacá-los. O monstro era rápido demais para que se desviassem dele. João e Ruivão receberam violentos golpes no rosto e no abdômen, caindo no chão em poucos segundos. Paty e Polaco tentaram revidar as investidas do inimigo, mas sem sucesso. Não tardaram a cair. Japa foi a nocaute rapidamente também.
Krordecimosétimo já armava o golpe final, o ataque luminoso que transformaria os pobres jovens em estátuas de aço carbono, quando recebeu um chute de um cidadão que vinha da direção oposta. Os Jacohrangers caídos perceberam, surpresos, que era Negão.

- Voltei, amigos! – ele gritou.
- Ficamos felizes, mas... E sua mãe? – Ruivão perguntou, mesmo no chão.
- Trocaram os exames dela. Na verdade, a saúde dela está ótima.

Os demais Jacohrangers vibraram com a boa notícia. Era bom saber que tinham um problema a menos.

- Mas e por que você está destransformado? – perguntou João.
- Minha lente quebrou! – Negão respondeu.
- O que? Não me diga que você também foi atingido pelo raio luminoso de Krordecimosétimo, mesmo estando a quilômetros de distância?
- Na verdade, não. Minhas lentes quebraram porque eu tropecei e as derrubei no chão acidentalmente enquanto eu vinha para cá.

Uma vez esclarecidos os fatos, faltava derrotar um monstro poderoso que já seria terrível difícil de ser vencido em circunstâncias normais. Os cinco heróis levantaram-se com muito esforço, juntando-se a Negão. Fizeram uma pose de batalha constrangedora.

E tentaram o impossível.

***

General Krir mexia em uma estranha máquina. Os cientistas prisioneiros tinham feito ajustes naquela aparelhagem, fazendo com que os resultados por ela obtidos pudessem ser ainda mais satisfatórios.
As famílias dos prisioneiros passaram as últimas horas gritando aos três cientistas para que não colaborassem com aquele plano maligno. Pediam que eles não se importassem com o que pudesse lhes acontecer. Não deveriam compactuar com os terríveis invasores.
Mas armas assassinas estavam apontadas para suas esposas, filhas, filhos e cachorros. Era óbvio que os cientistas obedeceriam, e assim o fizeram. Com dor na consciência e o coração entristecido, os três consertaram, reprogramaram e ampliaram as capacidades de todas as máquinas e aparelhos do Império Krar. Mais que isso: adicionaram novas funcionalidades ao equipamento que gerava monstros malignos.
Graças àquilo, Krordecimooitavo estava quase pronto. Sua pele escamosa fora desenvolvida para refletir quase qualquer material que a atacasse. Sua força física foi aumentada dezenas de vezes. Ele ganhou um raio óptico potentíssimo e a capacidade de ficar quinze segundo invisível a cada duas horas. E ele NÃO era vulnerável a pastel de creme de fígado de barata.

- Insisto que devíamos mandar Krordecimooitavo para lutar junto com Krordecimosétimo! – Krir falou a Krer.
- Não! – foi a resposta – Um de cada vez será suficiente para destruir os Jacohrangers. Além disso, parece que eles mesmos causaram a própria derrota ao dependerem de lentes de contato frágeis para se transformar.
- Então vamos aguardar, Krer! Vamos aguardar que eles sejam derrotados por Krordecimosétimo. E se não forem, Krordecimooitavo cuidará do resto.

General Krir deu uma gargalhada diabólica típica dos vilões de desenhos infantis. Krer o acompanhou. Cientistas e familiares sentiram um aperto no coração. Talvez os Jacohrangers fossem mesmo vencidos.

***

Mestre Jacoh desligou a TV, guardou o DVD em sua caixinha, empilhou-a na estante e apagou a luz. Não houve tempo para trocar de roupa, nem para pentear o cabelo, tampouco para desligar o leite que se derramava sobre o fogão. Era mais urgente ir até os Jacohrangers e avisá-los daquela que poderia ser a última esperança deles...
O mentor do grupo chegou até o local onde seus pupilos estavam caídos, feridos, humilhados e ensangüentados. Lutaram com Krordecimosétimo por poucos minutos, pois, destransformados, não tinham como resistir ao poder de seu oponente.

- Pessoal, há uma forma de vocês conseguirem se transformar novamente! – o velho Mestre os informou.

Antes que pudesse prosseguir, Krordecimosétimo o atacou, arremessando-lhe a dezenas de metros de distância. Mestre Jacoh não tinha quaisquer poderes especiais, por isso caiu desacordado.

- Esse não pode ser o fim! – balbuciou João.
- Precisamos ganhar tempo – murmurou Negão.
- Alguma idéia? – tartamudeou Polaco.
- Vamos distrair o monstro Krordecimosétimo. Enquanto ele fica distraído, perguntamos ao Mestre Jacoh qual a forma de nos transformarmos novamente! – sussurrou Ruivão.
- Então vamos! – disse Japa.
- Hey, monstro Krordecimosétimo! Olhe lá em cima. Um avião! – mentiu Ruivão.

A criatura maligna virou-se para a direção para a qual o Jacohranger vermelho apontara. Procurou, procurou e procurou sem sucesso pelo tal avião. Chegou até a caminhar alguns metros e subir em um carro para ter uma melhor visibilidade.

Mas nada do avião.

***

Com muita dificuldade, os seis destransformados Jacohrangers conseguiram se levantar e chegar até onde estava o Mestre Jacoh. Desmaiado, com um corte na região craniana, sangrando muito e com os lábios roxos.

- Você emprestou seu batom para o Mestre, Paty? – Ruivão perguntou.
- Não! Eu acho que ele está assim porque está morrendo.
- Acho que posso resolver isso! – disse Japa.

O garoto lançou mão de seu celular ultra-tecnológico e ativou a função “Curar Mestre ferido”. Uma onda eletromagnética saiu do aparelho e circundou o corpo do velho Jacoh. Em poucos segundos, ele já estava parcialmente recuperado. O bastante para dizer aos Jacohrangers o que eles precisavam saber.

- Mesmo sem as lentes, é possível vocês se transformarem de novo. No entanto, é um processo arriscado que exigirá um terrível sacrifício. Algo arriscado que talvez seja um preço alto demais a ser pago.
- De novo essa conversinha, Mestre? – era Paty.
- Contarei agora do que se trata. Isso se Krordecimosétimo não atacar vocês primeiro.

NO PRÓXIMO CAPÍTULO DE JACOHRANGERS:

Para que os heróis possam se transformar novamente, Polaco é obrigado a sacrificar sua visão. Os cinco Jacohrangers terão que, sem o amarelo, vencer o terrível monstro Krordecimosétimo. Não percam no próximo domingo:

EPISÓDIO 35 – O SACRIFÍCIO DE POLACO

Nenhum comentário:

Postar um comentário