Jacohrangers

Jacohrangers

domingo, 31 de março de 2013

EPISÓDIO 40 - O ATAQUE DEFINITIVO! QUATRO MONSTROS GIGANTES!



EPISÓDIO 40 – O ATAQUE DEFINITIVO! QUATRO MONSTROS GIGANTES!

NO CAPÍTULO ANTERIOR DE JACOHRANGERS:

- ROBÔ RESERVA E GIGANTE GUERREIRO JACOHLOSSAL TRAVAM UMA BATALHA TERRÍVEL CONTRA KRORDECIMOOITAVO E KRORDECIMONONO. PARECE QUE IRÃO PERDER.
- CLICANDO NA GUIA “EPISÓDIOS”, VOCÊS PODERÃO LER UM FILME ESPECIAL DOS JACOHRANGERS, UM LONGA-METRAGEM UMA HISTÓRIA INÉDITA, SEM RELAÇÃO COM A CRONOLOGIA OFICIAL.

O QUE IRÁ ACONTECER?

- Raio Agigantador!

General Krir e General Krer sentiram seus corpos formigarem e começarem a crescer. Foram tornando-se maiores, maiores e maiores, adquirindo feições bestiais e sentindo-se cada vez mais agressivos. Não tardou para que atingissem a marca de cinqüenta metros de altura.
E então caminharam. Abandonaram as proximidades de sua base de operações e foram avançando até o local em que seus dois últimos monstros combatiam dois robôs dos odiosos Jacohrangers. Eles tomariam parte na batalha e destruiriam definitivamente os heróis.
Pelo caminho, causaram toda a destruição que puderam. Arrasaram prédios, esmagaram casas e carros e assustaram cachorros sem dono. Apesar disso, não fizeram vítimas, pois todos os habitantes de Cidadopolislândia pareciam ter deixado a cidade para irem à cidade vizinha assistirem ao “Mato Grosso do Oeste Sertanejo Universitário Festival”, um grande evento que contava com grandes nomes do gênero.

- Depois que destruirmos esta cidade, podemos ir destruir a outra! – Krer vociferou.

***

Mestre Jacoh abandonou o quartel-general dos Jacohrangers. Tinha lido em jornais que três conceituados cientistas estavam desaparecidos, e logo associou o fato com os avanços científicos que o Império Krar havia demonstrado nos últimos tempos. Não havia dúvidas sobre o que deveria ser feito.
Outro ponto importante era que se os cientistas estivessem presos na base de operação dos vilões, e Mestre Jacoh encontrasse o local, depois de libertá-los ele poderia destruir a base de operação dos vilões. Com o Imperador Krar ausente, e os generais indo lutar contra os Jacohrangers, só deveria haver soldados Krur no local.

Supondo que Mestre Jacoh realmente o encontrasse.

Após alguns minutos de investigação, procura, dedução e uma seqüência de dezoito incríveis coincidências, o mestre dos heróis encontrou a base subterrânea que abrigava os membros do Império Krar. Era um local com cheiro de putrefação, ar impuro, pouca iluminação e marcas recentes de sangue e fezes no chão.
A entrada era protegida por mais de trinta soldados Krur. Mestre Jacoh procurou enganá-los, ludibriá-los e afastá-los dali usando truques tolos e infantilóides. Funcionou com a grande maioria deles. Mas quatro soldados o viram e prontamente o atacaram.
O senil e carcomido mestre não tinha mais a força e habilidade de outrora, mas conseguiu nocautear os oponentes, sem chamar a atenção de outros soldados. Mas então teve a estúpida idéia de comemorar seu triunfo aos berros:

- Tomem! Miseráveis! Acharam que poderiam me derrotar? Acham que estão lidando com quem?

E o berreiro desnecessário protagonizado pelo Mestre Jacoh atraiu algo em torno de oitenta soldados Krur. Eles bloquearam a entrada principal da base subterrânea e cercaram o invasor.

E então o atacaram.

***

Gargalhando como monstros gigantes, os Generais Krir e Krer se colocaram lado a lado com Krordecimooitavo e Krordecimonono. Eram quatro, ainda que os dois monstros estivessem bastante feridos. Contra dois robôs muito próximos de tombarem derrotados. Antes do embate decisivo, as tradicionais bravatas:

- Hoje acabaremos com vocês, Ódoborogodórangers! – Krir vociferou – Façam suas preces.
- O nome deles é Jacohrangers! – Krer corrigiu.
- O nome deles não é o importante!
- Seja como for, hoje destruiremos vocês! E depois destruiremos seu mundo! – gritou Krer.
- Gueuy jafjoweajf feoifie ijeifjoepkro aefkokofpkawe! – grunhiu Krordecimooitavo.
- UIkjefjeke xjwherhwi jfeijpoaw efwfjjeomdfaoa! – disse Krordecimonono.
- Nunca ouvi tanta bobagem em toda minha vida... – Ruivão desabafou.

Raios vieram dos quatro monstros gigantes. O Robô reserva usou o escudo semidestruído que ainda tinha e se protegeu. O Gigante Guerreiro Jacohlossal tentou defletir os ataques com a Espada Sagrada Jacohlossal, mas acabou atingido. Mas resistiu.
Krer e Krordecimooitavo partiram para o combate corporal contra o Robô Reserva. O general desferiu socos, obrigando os heróis a se defenderem e abrirem a guarda para os ataques das garras do monstro. Parte da lataria foi danificada e explodiu. O robô perdeu o equilíbrio e precisou recuar. Antes que se recompusesse, mais ataques. O escudo caiu. Krer o tomou e o arremessou longe.
Não muito longe dali, Krir e Krordecimonono defendiam-se sem dificuldades das investidas da Espada Sagrada Jacohlossal. E quando contra-atacaram estocaram bem na região central do peito do Gigante Guerreiro, quase atingindo o compartimento em que Polaco estava. O robô quase caiu. Um novo golpe arrancou parte do ombro esquerdo da máquina de batalha.

- Não encontraram nenhum botão com ataque especial que possa nos ajudar? – João perguntava a seus amigos, de dentro do Robô Reserva.
- Alguns botões estão em japonês! – Paty reclamou.
- O que diz nesse aqui? – Ruivão perguntou a Japa.
- Esse aí é para assistirmos on-line todos os episódios de Gaoranger!
- Você que é um especialista, João, nos recomenda essa série? – Ruivão perguntou.
- Não é hora para isso! – o Jacohranger verde gritou – Além disso, eu ainda não assisti.

Novos golpes, violentos, destrutivos e vindos de lado diferentes. Robô Reserva caiu e pareceu ter um tipo de curto-circuito. Gigante Guerreiro Jacohlossal caiu sobre um joelho, sem forças para se pôr de pé novamente. Um veloz chute em sua cabeça o derrubou por completo.

- Hora do golpe final! – Krer e Krir disseram em uníssono.

***

Os Jacohrangers só tinham uma hora e meia na Terra.

***

Mestre Jacoh correu. Fugiu covardemente, deixando para trás a chance de destruir a base inimiga, deixando para trás a responsabilidade de resgatar três famílias que eram mantidas prisioneiras e deixando para trás, sobretudo, o pouquíssimo que restava de sua dignidade.
Ficava claro que, por mais que ele se esforçasse, só conseguiria derrotar todas aquelas dezenas de soldados Krur se os Jacohrangers o ajudassem. Restava-lhe apenas aguardar que a batalha deles com os monstros gigantes acabasse logo. E que eles fossem os vencedores.
Constrangido, preocupado e com a impressão de estar com um começo de diarréia, Mestre Jacoh voltou apressadamente à base dos Jacohrangers.

***

- Essa pode ser a última vez que eu faça esse pergunta com vida! – João dizia – Alguém achou algum botão com algum poder ou funcionalidade que possa nos salvar?
- Sim, vários! – era Paty, irônica e furiosa ao mesmo tempo – E como todos nós somos bacharéis no idioma japonês, sabemos até o que eles significam.
- Então será o fim! – João se lamentou.
- Japa, está muito ocupado? – Negão perguntou.
- Não! Estava pensando em ir urinar pela última vez antes de sermos destruídos. Diga!
- Tem um botão aqui que talvez possa ser útil Você que fala japonês, me responda, por favor: O que significa “Gattai”?
 
NO PRÓXIMO CAPÍTULO DE JACOHRANGERS:

Uma milagrosa função do Robô Reserva o funde ao Gigante Guerreiro Jacohlossal. Será essa força capaz de derrotar Krordecimooitavo, Krordecimonono, General Krer e General Krir? Não percam no próximo domingo:

EPISÓDIO 41 – GATTAI! FUSÃO! O ROBÔ SUPREMO!

domingo, 24 de março de 2013

EPISÓDIO 39 - BATALHA GIGANTE! DOIS MONSTROS CONTRA DOIS ROBÔS!



EPISÓDIO 39 – BATALHA GIGANTE! DOIS MONSTROS CONTRA DOIS ROBÔS!

NO CAPÍTULO ANTERIOR DE JACOHRANGERS:

- OS CRUÉIS GENERAIS KRIR E KRER TENTAM SE APROVEITAR DA DIFÍCIL SITUAÇÃO DOS JACOHRANGERS PARA DESTRUÍ-LOS COM IMPIEDOSOS E SUCESSIVOS ATAQUES COMBINADOS!
- NA PARTE SUPERIOR DESTE BLOG, HÁ UMA GUIA CHAMADA “ESPECIAIS”, NA QUAL ENCONTRA-SE O PRIMEIRO FILME ESPECIAL DOS JACOHRANGERS: UMA AVENTURA INÉDITA, SEM RELAÇÃO COM A CRONOLOGIA OFICIAL.

O QUE IRÁ ACONTECER?

- Estou curado. Já consigo enxergar com clareza.
- Isso é ótimo, Polaco – Mestre Jacoh sorriu – Seus amigos estão travando uma batalha violenta, terrível, decisiva, épica, única...
- Certo, certo, já entendi. Antes de partir ajudá-los, apenas me explique: será que com o tempo conseguirei distinguir as cores?
- Mas é claro que sim, Polaco. Com o tempo você conseguirá.
- Que bom, mestre, porque eu nunca consegui.

Mestre Jacoh apenas balançou a cabeça. Não havia tempo para dar broncas em seu pupilo. Havia algo mais urgente naquele momento. Levou Polaco a uma sala secreta, que ficava após uma porta que tinha nela a inscrição: “Não entrar! Sala secreta!”.
Dentro dela, um compartimento gigantesco, com centenas de metros de altura, dezenas de largura e um cheiro fortíssimo de óleo. Quando um interruptor foi acionado, a luz que se acendeu revelou uma surpresa impensável.

- O Gigante Guerreiro Jacohlossal? Consertado?
- Sim, Polaco. Quando terminei de assistir todos os extras dos DVD’s dos Flashman, fiquei meio sem ter o que fazer, então resolvi consertar o Gigante Guerreiro Jacohlossal. Demorou um pouco, porque os estagiários que estavam me ajudando preferiam ficar espiando a Paty tomar banho ao invés de trabalhar. Mas agora está pronto.
- Que bom. Mestre, agora vou para o bar encher a cara. Peça para o Negão me ligar quando eles tiverem vencido os inimigos.
- Negativo! Você entrará no Gigante Guerreiro Jacohlossal imediatamente, vai pilotá-lo sozinho e partirá para ajudar seus amigos.
- Isso não pode esperar algumas horas?
- NÃO!
- Ok, ok! Hora de Jacohmbater o mal!

E Polaco, transformado em Jacohranger amarelo, ingressou no antigo robô de sua equipe e partiu, carente de álcool em seu sangue, mas ciente de sua responsabilidade.

***

O Robô Reserva estava caído e recebendo chutes de Krordecimooitavo, quando chegou Krordecimonono. Tinha a aparência de um alienígena cabeçudo saído de algum episódio do Ultraseven. De seus milhões olhos espalhados por seu corpo saíam terríveis raios, que iam golpeando mais e mais a máquina de batalha dos Jacohrangers.

- Aqui tem um botão escrito: “Terceiro Escudo Reserva”! – gritou Paty.

Um novo escudo surgiu, protegendo o Robô Reserva dos raios e fazendo alguns voltarem em direção a Krordecimooitavo. O robô levantou-se e se viu diante de dois poderosos monstros. E houve hesitação.

- Qual deles atacamos primeiro? – João gritou.
- O do meio! – respondeu Ruivão, sendo imediatamente ignorado por seus colegas.
- Vamos atacar primeiro aquele que já está ferido. Assim nos livramos dele primeiro! – sugeriu Negão.

Mas Krordecimonono entrou na frente de seu “colega monstro” e começou a atacar. Krordecimooitavo deu a volta e começou a atacar pela retaguarda. O escudo do robô pôde se defender de apenas um deles. Acuado, o Robô Reserva foi ao chão novamente.

Então, ao longe, todos puderam ver o Gigante Guerreiro Jacohlossal vindo em seu auxílio.

Antes que Polaco dissesse qualquer coisa para explicar a seus amigos o que tinha acontecido, ele já invocara a Espada Sagrada Jacohlossal. A lâmina gigantesca estava imbuída de uma poderosa energia. O Jacohranger amarelo comandava seu robô com uma vontade incontrolável de vencer. Não por estar preocupado com o futuro da humanidade, mas porque queria o quanto antes poder ir tomar “Bacardi” em um bar de sua preferência.
A Espada Sagrada Jacohlossal desceu sobre Krordecimonono, rasgando-lhe parte do tórax, causando uma imensa explosão e enfraquecendo terrivelmente o monstro. A criatura não se deu por vencida e emitiu uma profusão de raios oriundos de seus múltiplos olhos. A energia disparada foi defletida pela lâmina da espada do robô, dissipando-se e indo causar pequenas explosões em diversas direções.
O Gigante Guerreiro começou a atacar com sua espada, mas não conseguia estocar. Krordecimonono esquivava-se habilmente, arriscando ainda alguns socos e chutes no contra-ataque. Ambos se enfrentavam com fúria.
Um pouco mais distantes dali, Robô Reserva e Krordecimooitavo lutavam um contra um. O Terceiro Escudo Reserva foi inutilizado após ser alvo de um violentíssimo ataque. Os heróis revidaram com o Super Punho Energizado Reserva. O monstro foi arremessado longe e estatelou-se contra o chão.
Os Jacohrangers descobriram a existência de uma nova habilidade e a usaram sem demora: era a “Aura Invencível Reserva”. Uma quantidade colossal de energia partiu em direção a Krordecimooitavo, que lançou sua própria energia em direção aos heróis. As duas forças se chocaram e forçaram o recuo uma da outra por longos minutos.
Então houve uma explosão terrível, que quase nocauteou robô e monstro. Ambos se levantaram. O confronto limitou-se a punhos, garras, cotovelos, tentáculos e pernas. Socos, chutes e todo tipo de golpe corporal foi usado. O Robô Reserva estava bastante danificado e com partes de sua lataria destruída. Krordecimooitavo sangrava uma substância viscosa e purpúrea, além de mancar um pouco. Ambos estavam feridos.
A metros dali, Krordecimonono sacou, sabe-se lá de onde, uma espada. As lâminas dele e do Gigante Guerreiro Jacohlossal se chocaram, gerando um som metálico ensurdecedor. Polaco sentia falta do álcool em seu sangue, por isso não comandava seu robô com toda a precisão exigida. Não tardou para que o Jacohranger amarelo começasse a levar a pior e fosse cada vez mais golpeado.

Faltavam apenas duas horas e meia para o tempo dos Jacohrangers na terra acabar.

***

- O que você sugere é algo demoníaco, Krir! Mas certamente garantiria nossa vitória. Acha que nosso Imperador aprovaria?
- Ele não está aqui, Krer. Quando voltar, verá os malditos heróis derrotados e a terra totalmente sob o poder dele. Isso basta, não?
- Então, vamos iniciar os preparativos imediatamente.
- Vamos! Desta vez não haverá chance para os heróis travestidos de Restart.
- Mas quem cuidará dos prisioneiros?
- Eles estão presos, não estão? Além disso, se escaparem, há soldados Krur por toda a parte. Eles não conseguirão ir longe.

Os dois generais malignos gargalharam como dementes e deram início ao plano mais ousado e covarde de toda a história dos Super-Sentais. Aquele seria, muito provavelmente, o fim dos Jacohrangers.

***

O Robô Reserva usou várias vezes a Aura Invencível Reserva, tendo sempre como resultado o lançamento de uma poderosa energia de seu inimigo. O choque das energias gerava explosões, mas aquilo não feria Krordecimooitavo.

- Desse jeito será impossível vencer! – Bradou João, desesperado.
- Se ao menos tivéssemos outro robô – comentou Ruivão – Com três robôs gigantes, nós...
- Iríamos parecer as “Guerreiras Mágicas de Rayearth” – Japa ironizou.
- Só temos uma escolha! – o Jacohranger verde gritou a seus amigos – Vamos procurar botões novos, com o ataque mais poderoso que pudermos encontrar. Talvez assim seja possível vencermos.

Um pouco mais a direita, Polaco preparava-se para lançar o ataque final. Concentrou na Espada Sagrada Jacohlossal todo o poder possível. Olhou com ódio para Krordecimonono e a lâmina desceu, seguida de um grito estridente.

- Golpe Fatal Final Jacohlossal!

Krordecimonono foi ao chão e explodiu. Mas ainda vivia. Com muita dificuldade, levantou-se, terrivelmente ferido e moribundo. Polaco estremeceu, pois o Gigante Guerreiro Jacohlossal já não tinha mais tanta energia e não poderia usar o Golpe Fatal Final novamente.

Krordecimooitavo e Krordecimonono eram poderosos demais.

NO PRÓXIMO CAPÍTULO DE JACOHRANGERS:

Os monstros são invencíveis. General Krer e General Krir usam o Raio Agigantador neles mesmos e unem-se aos monstros. Não percam no próximo domingo:

EPISÓDIO 40 – O ATAQUE DEFINITIVO! QUATRO MONSTROS GIGANTES!

domingo, 17 de março de 2013

EPISÓDIO 38 - MOMENTO CRÍTICO! CIDADOPOLISLÂNDIA EM PERIGO!


EPISÓDIO 38 – MOMENTO CRÍTICO! CIDADOPOLISLÂNDIA EM PERIGO!

NO CAPÍTULO ANTERIOR DE JACOHRANGERS:

- OS JACOHRANGERS QUE VOLTARAM A CIDADOPOLISLÂNDIA NÃO SE MOSTRAM CAPAZES DE VENCER KRORDECIMOOITAVO, QUE SEGUE DESTRUINDO A CIDADE.
- OS JACOHRANGERS QUE FICARAM NO MONTE EVEREST PRECISAM FUGIR DO MONSTRO QUE OS ATACA, PROVANDO QUE TODOS OS HERÓIS, SEM EXCEÇÃO, SÃO INÚTEIS.

O QUE IRÁ ACONTECER?

Ruivão teve a idéia de usar o Sistema Integrado de Comunicação.

- Boa idéia! – João disse – Assim, poderemos perguntar ao Mestre Jacoh se ele tem alguma idéia que possa nos ajudar.
- Na verdade, eu estava pensando em pedir pizzas! – respondeu o herói vermelho.

O Jacohranger verde e o azul ignoraram seu colega e fizeram contato com o Mestre Jacoh.

- Mestre! Mestre! Japa, Ruivão e eu estamos tentando impedir que Krordecimooitavo destrua a cidade, mas a bazuca sem nome não tem poder suficiente quando usada apenas por nós três. Paty e Negão estão no Monte Everest tentando conseguir a tal água, mas tem um monstro lá que é muito forte e que eles não conseguem vencer. O que podemos fazer, levando em conta que só nos resta cinco horas e meia na terra?
- É muito bom saber disso! – era voz do General Krir.

A transmissão se encerrou com uma gargalhada demoníaca.

- João, seu burro! Você usou a freqüência errada e entrou em contato com os generais do Império Krar. Agora eles sabem exatamente qual a nossa situação.
- Pare de reclamar, Japa e me deixe tentar de novo.

João refez a conexão e conseguiu o contato! Era uma pizzaria.

- Peça duas de frango com catupiry para mim – Ruivão pediu.

Novas tentativas resultaram em contato com uma farmácia, um vendedor de varas de pescar e a Secretaria Municipal de Combate ao Analfabetismo.

- Deixe-me tentar! – Japa chamou a responsabilidade para si.

Em menos de seis milésimos de segundo, já estava falando com o Mestre Jacoh, explicando a situação e recebendo conselhos úteis de um mentor seguro e cheio de confiança.

- Na verdade, não faço idéia do que vocês devem fazer. Para ser sincero, eu não gostaria de estar no lugar de vocês! – o Mestre deu uma risada sarcástica.
- Obrigado pela sinceridade, Mestre! – Japa agradeceu.
- Mas me parece claro que vocês estão nessa situação por estarem divididos. O que pode resolver seria uma reunião de vocês cinco. Ou vocês vão lá para o fim do mundo, ou eles vêm para cá. A água sagrada pode esperar por cinco horas, mas Cidadopolislândia não pode. Tragam Paty e Negão de volta. Então derrotem Krordecimooitavo. Então voltem para lá e consigam a água milagrosa. Então voltem aqui e tragam duas pizzas de quatro queijos. Então... Tem alguém me ouvindo? Alô? Alô?

Japa, Ruivão e João usaram a habilidade de teletransporte e partiram novamente para o Monte Everest.

***

Trazer Paty e Negão foi relativamente rápido. Os cinco estavam novamente em Cidadopolislândia. O problema é que estavam extremamente cansados, feridos e desmoralizados. Não era a primeira vez que tinham que enfrentar novamente um monstro que já os tinha espancando violentamente antes.

E só tinham cinco horas e quinze minutos na terra.

Krordecimooitavo logo foi alcançado por eles. Já tinha transformado o centro de Cidadopolislândia em ruínas. Um olhar mais atento revelaria um grande caos nas avenidas que davam acesso às regiões mais afastadas da cidade. Centenas de famílias fugiam.

- Não o perdoaremos por estar destruindo nossa cidade e por ter nos humilhado nos espancando! – gritou o Jacohranger verde.
- Muito embora, a parte da destruição pode ser algo bom. Há muita coisa que precisava ser reformada e nosso prefeito não fazia isso. Talvez agora ele gaste menos com viagens ao Turcomenistão e resolva fazer algo por nossa cidade! – complementou o herói vermelho.

E o combate teve início. Os heróis sacaram suas armas e começaram a agredir o inimigo todos ao mesmo tempo. Nos primeiros minutos, acertaram uns aos outros algumas vezes. Com o tempo, o problema foi resolvido.
No entanto, Krordecimooitavo era muito forte e habilidoso. Defendia-se bem dos ataques, contra-atacava com velocidade e não se deixava ferir pelos golpes das armas dos heróis.
Em dado momento, quando o monstro caiu, os Jacohrangers decidiram arriscar tudo:

- Bazuca sem nome! – todos gritaram.
- Vamos colocar todo o nosso poder nesse ataque! – gritou o herói de traje verde.

Uma onda de grande poder destrutivo atingiu fortemente o monstro maligno, que não resistiu. Cambaleou, urrou, praguejou. E caiu sem vida, gerando uma imensa explosão. Os Jacohrangers não tiveram tempo de vibrar, pois logo caíram de cansaço.

Até que ouviram o grito que não queriam ouvir:

- Raio agigantador!

***

Os generais confabulavam, entre uma e outra caminhada ao redor de sua base subterrânea.

- Se aqueles miseráveis derrotarem Krordecimooitavo, irão atrás da água que pode mantê-los na Terra! – Krir dizia – Vamos impedí-los.
- Exato! Assim que eles derrotarem Krordecimooitavo, mandaremos imediatamente Krordecimonono, que já está pronto e bastante forte. Assim, eles ficarão mais tempo detidos.
- E se eles derrotarem Krordecimonono rapidamente, vamos avisá-los de que temos reféns. Eles terão que vir resgatá-los e desta forma o tempo irá passando mais e mais rápido até o momento em que terão que abandonar a Terra.
- Sim, ainda temos aqui uma quantidade monstruosa de soldados Krur. Serão obstáculos suficientes para deter os Jacohrangers! – Krer gargalhou.

Krordecimonono pronto e mais forte que Krordecimooitavo. Soldados Krur em profusão. Reféns que precisavam ser resgatados. E o tempo correndo contra. Os desafios que aguardavam os Jacohrangers iam ficando cada vez mais terríveis.

Isso se eles fossem capazes de derrotar a versão gigantesca de Krordecimooitavo...

***

O Robô Reserva já tinha os heróis dentro dele. Estavam tão fracos, que o herói azul chegou a desmaiar em seu assento. Seus colegas teriam o ajudado imediatamente, se uma batalha terrível não os aguardasse.
Apesar de todo o esforço feito pelo Robô Reserva, Krordecimooitavo era poderoso demais. Os Jacohrangers usaram a maior parte de seus recursos, tais como o “Míssil Reserva”, o “Raio Reserva”, o “Super Ultra Raio Reserva”, o “Golpe Emergencial Reserva” e a “Espada Sagrada Reserva”. Krordecimooitavo até foi ferido, mas o Robô dos heróis foi muito mais.

***

- Pensando bem... – disse o General Krer – Por que esperar que Krordecimooitavo seja derrotado? Vamos mandar Krordecimonono imediatamente!

***

Os heróis usavam o Escudo Sagrado Reserva quando viram outro monstro gigantesco aproximar-se do campo de batalha. A partir de então, seriam dois contra um.

Faltavam quatro horas para o tempo dos Jacohrangers acabar...

NO PRÓXIMO CAPÍTULO DOS JACOHRANGERS:

Os olhos de Polaco estão totalmente curados. Quem diria que o Gigante Guerreiro Jacohlossal tinha sido secretamente reconstruído?! Não percam no próximo domingo:

EPISÓDIO 39 – BATALHA GIGANTE! DOIS MONSTROS CONTRA DOIS ROBÔS!

domingo, 10 de março de 2013

EPISÓDIO 37 - OS JACOHRANGERS SE DIVIDEM


EPISÓDIO 37 – OS JACOHRANGERS SE DIVIDEM

NO CAPÍTULO ANTERIOR DE JACOHRANGERS:

- OS HERÓIS CONHECEM O TERRÍVEL E FAMOSO ABOMINÁVEL HOMEM DAS NEVES, EMBORA A URGÊNCIA DA SITUAÇÃO NÃO LHES TENHA PERMITIDO PEDIR AUTÓGRAFOS OU TIRAR FOTOS AO LADO DELE.
- KRORDECIMOOITAVO APROVEITA A AUSÊNCIA DOS JACOHRANGERS PARA ATERRORIZAR O CENTRO DE CIDADOPOLISLÂNDIA, O QUE, AO MENOS, GARANTE A PAZ NOS BAIRROS DA CIDADE.

O QUE IRÁ ACONTECER?

- Só temos cento e trinta e sete alternativas: ou nos separamos; ou não nos separamos; ou nos separamos metaforicamente, mas nos mantemos unidos; ou nos separamos e nos mantemos unidos ao mesmo tempo, desafiando todas as leis da física; ou então...
- Cale-se, Ruivão! – João gritou.

O Jacohranger verde olhava para seus companheiros, tentando decidir quais deles deveriam voltar para Cidadopolislândia e quais deveriam permanecer. Antes que pudesse chegar a uma conclusão, um segundo monstro, muito similar ao Abominável Homem das Neves anterior, veio atacá-los.
O herói vermelho e o preto tentaram deter o inimigo, mas foram derrubados com um só golpe. Levantaram-se e foram novamente derrubados com metade de um golpe. Novamente se puseram de pé e foram a nocaute com um terço de golpe.

- Hei, olhe lá! Um avião! – Ruivão tentou enganar o monstro.

Não funcionou. Aviões provavelmente não fossem comuns nas proximidades do Monte Everest. A criatura seguiu golpeando e golpeando, fazendo o Jacohranger vermelho praticamente perder os sentidos.

- Japa, prepare rapidamente a função “teletransporte para lugares longínquos” de seu celular. Você, eu e Ruivão voltaremos para Cidadopolislândia. Paty! Negão! Fiquem aqui. Se não puderem vencer esse monstro, fujam, se escondam e esperem nós voltarmos! – orientou João.

Enquanto o Jacohranger preto apanhava feito um condenado, Ruivão recuava até onde Japa e João estavam. O herói azul preparou seu aparelho celular, os três deram as mãos e uma onda eletromagnética iniciou o processo que os levava de volta a Cidadopolislândia.

***

O centro da cidade era um caos. Rastros de destruição, casas em chamas, pessoas correndo desesperadas e um carro com alto-falante oferecendo churros perturbavam a paz das pessoas que estavam sem fome.
Naquele panorama trágico, Ruivão, João e Japa chegaram. Havia uma quantidade pequena de soldados Krur espalhados pelos quarteirões próximos, e uma figura ameaçadora e aparentemente poderosa. Era o monstro Krordecimooitavo.

- Este local será a sepultura de vocês!
- Nossa! O monstro fala! – Ruivão se espantou.

O Jacohranger verde foi atrás dos Krur e começou a destruí-los. O azul correu em direção ao carro dos churros, mas voltou ao combate após ser xingado por seu colega. Os soldados branquelos foram caindo um a um, sem oferecer grande resistência. Ruivão atacou Krordecimooitavo com sua espada. O monstro sacou uma estranha arma e aparou o golpe.
Jacohranger vermelho e criatura maligna iniciaram uma batalha impressionante. As lâminas se chocavam ferozmente, alternando entre ataque e defesa com grande velocidade. Ruivão empolgou-se tanto com o combate que chegou a rir, embora seu sorriso não pudesse ser visto por ele estar transformado.
A batalha seguiu furiosa, uma verdadeira dança de aço e morte. Japa e João liquidavam os Krur, Ruivão trocava golpes de espada com Krordecimooitavo. Era nítido que o monstro era mais poderoso. O Jacohranger vermelho fazia um grande esforço para não ser massacrado.

- É incrível como o Ruivão é infinitamente mais útil para o grupo quando está de boca fechada! – disse Japa, após ter eliminado todos os soldados Krur.

O Jacohranger verde assentiu com a cabeça. Ambos foram ajudar o amigo. Aproveitaram a superioridade numérica para atacar todos ao mesmo tempo, mas não adiantava muito. Krordecimooitavo defendia-se com maestria. Era quase impossível atingí-lo, mesmo quando os ataques partiam de vários lados ao mesmo tempo.
E então o monstro começou a adotar uma postura mais ofensiva, atacando mais do que defendendo. Os Jacohrangers foram caindo um a um, sendo atingidos sem qualquer poder de defesa. Um imenso som de explosão pôde ser ouvido após Krordecimooitavo disparar um poderoso raio na direção dos heróis.

Japa, Ruivão e João tinham sido derrotados.

***

Em algum local ainda não descoberto pelos Jacohrangers, uma base subterrânea mantinha três conceituados cientistas – e suas famílias – em cárcere. Monstros poderosos e cada vez mais hábeis já tinham sido construídos. Uma impressionante tecnologia havia sido desenvolvida. Mas ainda havia muito mais a ser feito.

- Os soldados Krur são formas de vida artificiais? – Krer perguntou.
- Não. São seres vivos. O que vamos fazer é bem simples: criar clones. Utilizaremos o DNA dos soldados Krur que já existem para que surjam incontáveis outros.
- E essa é a famosa máquina que acelera a divisão celular? – ele perguntou apontando para um complexo aparelho.
- Sim! – Krir respondeu – Um desses cientistas desenvolveu um mecanismo capaz de duplicar os genes em grande velocidade. Teremos centenas de soldados Krur em poucas horas. Depois, ainda será possível usar a aparelhagem do aumento de força, tornando os Krur ainda mais poderosos.

Os dois generais gargalharam como debilóides. O bom andamento de mais um de seus planos de contingência os fazia sorrirem à toa. Em outro aposento, três famílias choravam contra as paredes de suas celas. Os cientistas trabalhavam em ritmo frenético, achando que após auxiliarem na execução de todos os planos dos invasores poderiam ser liberados.

Os Jacohrangers tinham apenas seis horas de permanência na Terra.

***

Paty e Negão perceberam da maneira mais dolorosa e violenta possível que não eram capazes de vencer a criatura horrenda que parecia o Abominável Homem das Neves. Fugiram. Na verdade, tentaram. Descobriram da maneira mais dolorosa e violenta possível que eram bem mais lentos que o ser que os perseguia.
Então tentaram ludibriá-lo. Descobriram da forma mais desagradável e constrangedora possível que eram bem menos inteligentes que um ser bestial que jamais teve qualquer contato com a civilização. E seguiram apanhando.
Até que surgiu outro ser, igualmente bizarro, estranho e de aspecto simiesco. As duas criaturas estranhas começaram a rosnar um para o outro, até que em pouco tempo já estavam se confrontando. Paty e Negão então correram.

***

Krordecimooitavo seguia deixando seu rastro de destruição pela cidade. Agonizando no chão, quase sem forças, o Jacohranger vermelho, o verde e o azul. Resmungavam frases tipicamente heróicas sobre precisarem impedir o monstro, mas pareciam não ser capazes de nada além daquilo.
Surpreendentemente, agarrando-se ao que restava de suas esperanças, os três jovens heróis conseguiram erguer-se. Seu inimigo viu e veio em direção a eles. Espancaria Ruivão, João e Japa ainda mais.
Os Jacohrangers foram mais rápidos e invocaram a “Bazuca sem nome”. Posicionaram-se improvisadamente e seguraram com dificuldade a pesada arma. Krordecimooitavo sequer fez menção de tentar se desviar do poderoso raio.
Uma explosão imensa se sucedeu. Quando a poeira baixou, desespero. O monstro maligno ainda resistia.
Krordecimooitavo fora ferido sim, mas não o bastante para ser derrotado. Ficava claro que a bazuca sem nome só funcionaria se mais Jacohrangers estivessem juntos, concedendo sua energia no momento do disparo.
Ruivão pensava em algum plano estratégico para reverter aquela situação desesperadora. João tentava imaginar o que os Jetman, Liveman ou os Dairanger fariam naquelas circunstâncias. Japa só pensava em fugir.

- Só temos quarenta e nove alternativas...
- Cale-se, Ruivão! – seus amigos gritaram.

NO PRÓXIMO CAPÍTULO DE JACOHRANGERS:

Divididos, os Jacohrangers estão prestes a serem vencidos. Além disso, o tempo está contra eles. Krordecimooitavo continua deixando um rastro de destruição e ninguém parece capaz de impedi-lo. Não percam no próximo domingo:

EPISÓDIO 38 – MOMENTO CRÍTICO! CIDADOPOLISLÂNDIA EM PERIGO!

domingo, 3 de março de 2013

EPISÓDIO 36 - A JORNADA PERIGOSA


EPISÓDIO 36 – A JORNADA PERIGOSA

NO CAPÍTULO ANTERIOR DE JACOHRANGERS:

- COISAS ACONTECERAM, MAS QUE NÃO TÊM IMPORTÂNCIA SE LEVARMOS EM CONTA QUE LOGO TEREMOS UM SUPER EPISÓDIO ESPECIAL DOS JACOHRANGERS.
- MAIS COISAS ACONTECERAM, MAS É IMPORTANTE DESTACAR QUE LOGO SE INICIARÁ A SEGUNDA TEMPORADA DOS JACOHRANGERS, CHEIA DE NOVIDADES E PERIGOS.

O QUE IRÁ ACONTECER?

Krordecimosétimo não existia mais. O Robô Reserva voltou a ser um celular ultra-tecnológico. Sem Polaco, os demais Jacohrangers pouco tempo tiveram para vibrar: já deviam partir rumo ao longínquo Monte Everest. Lá, se tudo desse certo, encontrariam a água mágica que lhes garantiria a permanência eterna no planeta Terra.

- Japa, por acaso seu celular não tem a função “teletransporte para locais longínquos”? – João perguntou.

O garoto de descendência oriental “fuçou” em seu telefone móvel por longos minutos sem sucesso. Estava quase desistindo – e quase levando um tapa de Paty pela demora – quando encontrou a função que precisava. 
Uma onda de estranha energia espectral envolveu os cinco jovens – e quase duas pessoas que nada tinham a ver com aquilo por engano – e os levou ao local desconhecido.

***

Frio e pouco ar. Mesmo transformados em Jacohrangers, era difícil não se deixar abater pelo clima hostil. Uivava um vento álgido e cortante, a respiração era difícil devido à rarefação do ar e ao fato de todos estarem com os narizes trancados. Todos cruzaram os braços em frente ao corpo, em uma inútil tentativa de amenizar os efeitos da baixíssima temperatura.

- Tenho medo de altura! – disse Negão, diante da colossal montanha que escalariam.
- O medo é uma abstração que deve ser combatida – Ruivão defendeu – Breve você terá que enfrentar a suprema falta de ar. Se falharmos, você terá que enfrentar uma traumática adaptação a um outro planeta. Se permanecermos aqui, teremos que enfrentar os poderes provavelmente invencíveis dos líderes do Império Krar. E ainda há aquela situação não resolvida do bicho-papão embaixo da cama do Japa quando voltarmos ao quartel-general. Ou seja: há muitos, muitos outros motivos para você ter medo, Negão.

O Jacohranger preto agradeceu ao amigo pelas palavras animadoras e puxou a fila. João e Paty o seguiram de mãos dadas. Japa mais atrás, chateado com a cena. O herói vermelho por último, fitando a paisagem com empolgação adolescente.

 - Quando tirarmos férias, deveríamos reservas uns dois ou três dias para acampar aqui.

Ninguém lhe deu atenção. Seguiram viagem por trilhas sinuosas, subindo mais e mais. Respirar era difícil, falar também era, então reclamar acabava sendo também. Isso, e apenas isso, preservou a sanidade de todos. Nada foi resmungado, ninguém se queixou, não houve discussões.
Mas também quase não houve progresso. Em nenhum momento pararam para descansar, contudo também não caminhavam rápido, não mostravam determinação, não pareciam ter pressa. Foi assim por quase uma hora, quando algo chamou a atenção de Paty.

- Há algo brilhando alguns metros abaixo. Será a água que procuramos?
- É o Japa urinando! – esclareceu João.
- Nojento! – ela gritou.
- Como ele consegue urinar mesmo estando transformado? – Ruivão nunca conseguiu compreender.

Assim que o Jacohranger azul alcançou novamente o grupo, seguiram a lenta caminhada, com cada vez menos ar, cada vez menos fôlego, cada vez menos forças, cada vez menos empolgação e cada vez menos lembranças do que estavam fazendo ali.

***

- Vocês precisam voltar à Cidadopolislândia imediatamente!

A voz desagradável vinha do interior dos trajes de combate. Os heróis se entreolharam, querendo se certificar que não se tratava de algum tipo de alucinação provocada pelo frio excessivo. Mas a insistência daquela voz os dez acreditar que ela poderia ser real.

- Jacohrangers, ouçam-me. Sou eu, o Mestre Jacoh. Estou falando com vocês através do Sistema Integrado de Comunicação que há em seus trajes.
- Temos um Sistema Integrado de Comunicação em nossos trajes? – Negão perguntou.
- Talvez tenhamos até uma conta corrente em nome do grupo sem saber – arriscou o herói vermelho.
- Escutem-me! – o Mestre Jacoh gritou – Vocês precisam voltar imediatamente para Cidadopolislândia. O Império Krar enviou mais um monstro para atacar a cidade. Se eu não errei a conta, aquele deve ser o Krordecimooitavo. Ele está atacando o centro e ninguém é capaz de detê-lo. Voltem! Voltem logo!

O Sistema Integrado de Comunicação foi interrompido por uma interferência provocada pelo frio excessivo. Os Jacohrangers tremiam de frio, sem saber se deviam voltar ou não, quando outra voz os surpreendeu.

- Vocês não poderão ir adiante! – disse uma criatura absurdamente grande e de voz aterradora – Abandonem imediatamente este lugar!
- Será o Abominável Homem das Neves? – perguntou Ruivão.
- Viemos buscar uma água estranha aí. Estamos com um pouco de pressa, então, se puder sair do nosso caminho... – disse Negão.

A criatura lançou de suas mãos um jato de ar ainda mais frio, o que arremessou os Jacohrangers para longe. Todos caíram, gritaram e sentiram ainda mais frio. Os heróis sacaram suas armas, puseram-se em guarda, e foram alvo de outra rajada de ar congelado. Foram arremessados alguns metros abaixo.

- Japa, seu celular ultra-tecnológico não tem, por acaso, a função “Rebater corrente de ar fria inimiga”?- Ruivão perguntou.
- Quero lembrar que é apenas um aparelho celular, não a varinha mágica do Harry Potter.
- Por falar em mágica, alguém quer assistir os últimos episódios de Magiranger comigo depois que voltarmos? – João perguntou.

Não houve resposta. A criatura anônima lançou mais um jato de ar geladíssimo e jogou os Jacohrangers ainda mais longe. Os cinco levantaram-se e tentaram enganar o inimigo dando a volta pelo outro lado. Assim, poderiam atacá-lo pelas costas. Caminharam tão silenciosamente quanto possível. E então começaram.
Paty disparou um projétil e acertou a nuca do oponente. Antes que ele se recuperasse, a espada de Ruivão já estocava seu abdômen. João deu socos em seqüência, Japa e Negão ficaram apenas olhando. O monstro anônimo não conseguiu reagir e foi golpeado mais vezes.

- Antes de nós o derrotarmos, responda: você é mesmo o Abominável Homem das Neves? – o Jacohranger vermelho perguntou.

A criatura de aparência estranha apenas emitiu um último urro e em seguida morreu.

***

A água que eles tanto queriam estava visível. Ainda mais visível, o gigantesco outro Abominável Homem das Neves que a protegia. Mais uns poucos minutos de caminhada e os Jacohrangers confrontariam a criatura. Se vencessem, pegariam o líquido e todos os problemas estariam resolvidos. Se perdessem, todas as esperanças seriam “congeladas”. Porém...

- Eu estava lembrando agora... – era Japa – O Mestre Jacoh não tinha nos falado qualquer coisa sobre Cidadopolislândia estar sob ataque e nós precisarmos voltar?
- Bem lembrado! – disse João – Talvez devêssemos voltar e proteger nossa amada cidade. É isso que o Gavan e o Sharivan fariam.
- Eu proponho que façamos uma votação! – era Ruivão – Amanhã nos reuniremos aqui novamente, e cada um se manifestará com uma opinião detalhada e demorada sobre o que devemos fazer.
- Cale-se! – disse Paty – Não podemos abrir mão da droga da água. Viemos até aqui nesse fim de mundo super frio. Agora precisamos voltar com a água antes que o nosso tempo na terra esgote.

Enquanto os Jacohrangers tinham uma acalorada discussão, o segundo Abominável Homem das Neves os enxergava de longe. E a criatura resolveu ir até os heróis antes que fossem até ele. 
 
NO PRÓXIMO CAPÍTULO DE JACOHRANGERS:

Os heróis resolvem fazer o que todo grupo faz quando precisa resolver mais de um problema ao mesmo tempo: se dividir. Mas isso também significa reduzir pela metade o poder do grupo. Não percam no próximo domingo:

EPISÓDIO 37 – OS JACOHRANGERS SE DIVIDEM