Jacohrangers

Jacohrangers

domingo, 28 de julho de 2013

EPISÓDIO 07 - O IMPERADOR ALIENÍGENA



 EPISÓDIO 07 – O IMPERADOR ALIENÍGENA
EPISODE 07 THE ALIEN EMPEROR
挿話宇宙人皇帝 

NO CAPÍTULO ANTERIOR DE JACOHRANGERS:

- CHAIRO APAIXONA-SE POR UMA LINDA JOVEM CHAMADA ALINE, MAS A POBRE GAROTA É SEQUESTRADA PELO INESCRUPULOSO IMPÉRIO AKKUMA.
- CONCENTRADOS NA BATALHA CONTRA O MONSTRO DARAGORON, OS JACOHRANGERS NÃO CONSEGUEM EVITAR QUE GHITTA FUJA COM ALINE.

O QUE IRÁ ACONTECER?

O monstro gigante cuspiu fogo. Temendo que aquelas chamas imensas atingissem prédios, o Densetsu Robotto se colocou diante das labaredas, mesmo sabendo que aquele ataque lhe causaria grande dano. Antes que pudesse contra-atacar, o robô dos heróis foi violentamente golpeado pelas garras e presas de Daragoron.

- Precisamos acabar com ele rapidamente e ir logo atrás de Aline! – Chairo estava desesperado.

Densetsu Robotto foi ao chão, mas mesmo caído conseguiu disparar o Densetsu Míssil ferindo o inimigo. Já de pé, o robô dos heróis avançou e desferiu vários socos e chutes. Foi a vez de Daragoron cair. Antes que a criatura pudesse se recompor, os Jacohrangers já preparavam o golpe final.

- Densetsu Chou Ken Hi!

O monstro Daragoron foi desintegrado sem nenhuma chance de resistência pela espada em chamas do robô gigante. Uma enorme explosão fez subir uma nuvem de poeira. Quando foi possível enxergar novamente, os Jacohrangers tiveram a certeza de terem vencido.

Em partes.

- Aline! Aonde aquela desgraçada levou Aline? – o Jacohranger marrom gritava em desespero, sendo prontamente acudido por seus colegas.
- Calma, Chairo – era Shira – Certamente Ghitta vai aparecer de novo, com outra armadilha, e teremos outra chance de salvá-la.
- Shira está certa, Chairo – era Murana, a Jacohranger púrpura – Mais cedo ou mais tarde iremos salvá-la.
- E se aqueles desgraçados estiverem machucando ela! Malditos! Não machuquem Aline!

Chairo caiu em desespero e chorou como uma criança. Seus amigos não puderam fazer mais do que aguardar. Sem dúvidas, os seres do Império Akkuma eram muito cruéis.

***

O sol foi enrubescendo. Os horizontes ganharam tons de cinza e marrom, como se estivessem sendo conspurcados pelo que existia de pior no universo. E de fato estava.
Uma imensa nave, grande o bastante para rivalizar em tamanho com uma metrópole, pousava em uma região desabitada dos arredores de Brazilian Tokyo. Pequenas naves de combate menores circundavam a principal, todas elas rodeadas por uma aura negra. Os invasores eram aguardados por centenas de soldados Kardler, além de Ghitta e uma misteriosa figura.
Uma chuva torrencial teve inicio, sendo seguida por relâmpagos furiosos. Logo, uma tempestade sem precedentes começou. A gigantesca nave começou a se mover, revelando a presença de uma monstruosa forma de vida em seu interior. Era possível apenas ver uma sombra colossal que emitia faíscas de seu corpanzil.
Todos dobraram os joelhos. O ser desceu ao chão cercado por três indivíduos fortemente armadurados. Uma grande comoção teve início e um burburinho gigantesco tomou conta do local. Um trono negro feito de ossos de seres vivos surgiu magicamente, servindo de assento ao monarca alienígena.

- Nós te louvamos, Imperador Gouki (皇帝ゴウキ)!

O ser apenas olhou ao redor. Parecia mais interessado em observar o planeta que ainda não havia sido conquistado do que em receber a bajulação de seus servos. Chovia torrencialmente, mas aquilo em nada atrapalhava a visão do Imperador alienígena. Com suas habilidades impressionantes, conseguia sem esforço ter acesso a pontos distantes da terra. E, ao terminar, pareceu muito satisfeito com o que viu.

- Por que os seres deste planeta ainda vivem, Ghitta? – o monarca perguntou.
- Peço seu perdão, meu Imperador. Este planeta é protegido por um grupo de resistência. Um tipo de grupo de “heróis”, por assim dizer. Os ataques que eu tenho comandado têm falhado devido ao grande poder destes indivíduos.
- Isto é verdade, Rarpoth (ラルポッテ)? – o Imperador perguntou ao misterioso guerreiro que estava ao lado de Ghitta.
- Não participei diretamente de nenhum ataque, pois não imaginávamos que o poder desses seres fosse tão grande. Mas agora que Vossa Majestade Imperial está aqui, se me permitir...
- Não permitirei nada! Agora que já estou aqui, por que precisaria de vocês. Além disto, devem ter reparado que trouxe comigo meus guerreiros de elite.

O Imperador olhou para os poderosos seres que o cercavam. Ghitta, Rarpoth e os soldados Kardler também o fizeram. Eram os três lendários servos do Império Akkuma, conhecidos como o “grande flagelo do universo”. Dizia-se que apenas um deles tinha poder suficiente para conquistar uma galáxia inteira. Com os três juntos, a Terra estava condenada.

- Sou o Guerreiro Infernal Garak (地獄の戦士ガラキ)!
- Sou o Guerreiro Infernal Aramuki (地獄の戦士アラムキ)!
- Sou o Guerreiro Infernal Misudan (地獄の戦士ミスダン)!
- Somos o grande flagelo do universo! – todos gritaram em uníssono, para em seguida se prostrarem diante de seu Imperador.

Ghitta e Rarpoth sentiram um arrepio. A força e o poder de intimidação daqueles três iam além de tudo que eles supunham existir. Sem dúvidas, aquele seria o fim dos Jacohrangers e de toda a vida na Terra. Talvez, até, de todo o universo.

- Chegou a hora de deixarmos este planeta desabitado! – bradou o Imperador – É possível que as pessoas deste mundo possam servir como escravas, mas isso não é o mais importante agora. Ghitta! Rarpoth!
- Sim, meu Imperador! – os dois disseram quase ao mesmo tempo.
- Quero um relatório detalhado sobre tudo que sabem deste planeta. E também sobre os tais heróis que atrapalharam nossos planos.

E ambos contaram a seu monarca tudo. Inclusive sobre terem uma refém.

***

Chairo parecia um pouco mais calmo. Os demais não. Shira, Daira, Murana e Grey estranharam a chuva repentina, achando que pudesse ser obra do Império Akkuma. O Jacohranger marrom imaginou que se dirigindo ao local em que a tempestade era mais feroz poderia encontrar os vilões e sua amada Aline. Os outros heróis não tinham muita certeza daquilo, e também não queriam se arriscar em um ataque imprudente.

- Há uma vida em perigo! Esqueceram disso? – Chairo gritou.

O jovem transformou-se e partiu. Os demais sequer tiveram tempo de pensarem em algum tipo de plano e já se viram obrigados a seguí-lo. Alcançaram-no e prometeram a ele que resgatariam Aline lutando juntos, como uma equipe.

E então os cinco partiram.

***

- Ao todo são cinco. E contam com uma máquina de batalha gigante, com a qual podem combater nossos monstros guerreiros.
- Tanto os indivíduos quanto sua máquina possuem elevada capacidade de combate e armas, além de habilidades especiais misteriosas. Tanto os soldados Kardler quanto os monstros guerreiros que usamos até agora não foram páreo para eles.
- Um detalhe interessante é que apesar de agirem com propósitos comuns, eles não agem como uma equipe, pois não parece haver muito entrosamento em suas ações de ataque. É como se eles tivessem se reunido há pouco tempo.
- Já ouvi o bastante! – o Imperador Gouki disse.

O ser maligno levantou-se e sorriu diabolicamente, após olhar demoradamente para Brazilian Tokyo. Todos os presentes sentiram um terrível arrepio. Chegaram até a sentir pena dos habitantes da Terra.

- É hora do ataque decisivo!
つづく
NO PRÓXIMO CAPÍTULO DE JACOHRANGERS:

O Império Akkuma lança um violento ataque contra os Jacohrangers, obrigando os heróis a lutarem desesperadamente para evitar que Brazilian Tokyo seja destruída, mas a força inimiga vai além do que eles podem imaginar. Não percam no próximo domingo:

EPISÓDIO 08 – A GRANDE CRISE

domingo, 21 de julho de 2013

EPISÓDIO 06 - O AMOR DE CHAIRO



 EPISÓDIO 06 – O AMOR DE CHAIRO
EPISODE 06 - CHAIRO'S LOVE
挿話六 - チャイロ



NO CAPÍTULO ANTERIOR DE JACOHRANGERS:

- UMA ARMADILHA CRUEL DO IMPÉRIO AKKUMA FEZ UMA MALDIÇÃO ANCESTRAL TRANSFORMAR PESSOAS EM LOBISOMENS, CRIANDO CAOS EM BRAZILIAN TOKYO.
- COM DIFICULDADE, OS JACOHRANGERS CONSEGUIRAM DETER O PLANO MALIGNO E SALVAR O POVO DE SUA CIDADE.

O QUE IRÁ ACONTECER?

Os Jacohrangers costumavam se revezar na ronda da cidade. Brazilian Tokyo era uma metrópole imensa, exigindo que, ao menos três heróis, patrulhassem ao mesmo tempo áreas distintas para que nenhuma região ficasse desprotegida.
Chairo havia sido designado para monitorar um bairro de classe alta. Parques, praças de alimentação, shoppings e muitas lojas existiam por ali. O Jacohranger marrom caminhava destransformado, discretamente, por um tipo de “calçadão”. Era um local de grande movimento, obrigando o jovem herói a olhar com muita atenção para conseguir realmente detectar algo de errado.
Tão atento ele estava ao tentar visualizar vários locais ao mesmo tempo, que acabou esbarrando em alguém.

- Desculpe, moça. Mil desculpas.
- Tudo bem. Sem problemas. Eu compro outro sorvete.
- Puxa, além de derrubar seu sorvete, ainda sujei seu tênis.

Chairo já estava se abaixando e tirando um lenço do bolso, quando a mão da moça em seu ombro o impediu.

- Não se preocupe. Não precisa.

Então, o Jacohranger marrom fitou a garota com calma e se encantou. Ela tinha um sorriso lindo, olhos de um negro profundo, longos cabelos escuros e um corpo bem definido. No rosto dela, uma simpatia e graciosidade que nem mesmo as atrizes de TV e as cantoras famosas possuíam. E havia algo mais. Algo que Chairo demorou a entender.

- Meu nome é Chairo. Muito prazer.
- Meu nome é Aline.

Pelo nome, e por não ter traços japoneses, ficava claro que ela não era de nenhuma família oriunda de Tóquio. Os dois conversaram muito, parando apenas porque o herói precisava voltar para sua base. Os jovens anotaram os telefones celulares um do outro e combinaram de voltarem a se ver nos dias seguintes.

E, nos três dias seguintes, Chairo usou seus horários de folga para ver Aline.

***

Ghitta conversava com alguém. Parecia alguém a quem ela devia satisfações, ou obediência, pois falava com um tom respeitoso. Estavam nas sombras, ocultos por estranha magia. Soldados Kardler encontravam-se próximos, ouvindo em silêncio.

- Os Jacohrangers possuem corações frágeis, repletos de sentimentos humanos.
- Isso já sabemos, Ghitta! Minha pergunta é como você pretende utilizar isso contra eles.
- Parece que o Jacohranger marrom está apaixonado por uma jovem. Vamos seqüestrá-la. Criaremos uma armadilha para os Jacohrangers, uma armadilha muito mais eficiente do que a última.
- O que te faz pensar que agora será diferente? Você já falhou mais de uma vez! – o ser misterioso gritou.
- Peço seu perdão, meu senhor, mas asseguro que, desta vez, não haverá falhas.
- Ótimo! Comece logo a operação. Use o monstro Daragoron (ダラゴロン).
- Sim!

Ghitta daria início a um dos seus planos mais covardes.

***

A ligação não se completava. Chairo ligava, ligava e Aline não atendia. Os demais colegas do garoto percebiam sua aflição e lamentavam. Assuntos pessoais como aquele eram delicados e ninguém queria se envolver. No fundo, todos achavam que a moça simplesmente tivesse desistido do Jacohranger marrom e encontrado outra pessoa.

- Pessoal, eu vou precisar sair! – ele disse.
- Você tem ronda para fazer hoje à noite, esqueceu? – era Murana.
- Eu cubro o Chairo – Shira sorriu – Pode ir sem problemas.

O garoto sorriu e saiu apressadamente. Minutos depois, Daira havia trocado de roupas e também saía da base. Parecia tentar fazê-lo com discrição, como se não quisesse que dessem por sua falta. Mas foi em vão.

- Aonde vai? – era Shira.
- Vou seguí-lo, é claro.

Os demais Jacohrangers sentiram que havia algo além de preocupação por parte dela. Ciúmes, provavelmente. Mas apenas sorriram.

***

Uma emboscada covarde. Quando Chairo se recuperou do violento chute que recebeu pelas costas, viu dezenas de soldados Kardler. No meio deles, Ghitta e um monstro novo.

- A garota que você gosta está conosco.

Aquelas palavras fizeram o coração de Chairo parar. Sem saber, ele era observado, de longe, por Daira, a Jacohranger laranja. A garota correu até o amigo, que se surpreendeu com a chegada dela. Ambos, então, decidiram lutar.

- Jacoh Change!
- Não adianta quererem lutar aqui – Ghitta gargalhou, com a maldade que lhe era característica – Se tem interesse em resgatá-la, venham até o Vale Oeste. Mas apenas vocês dois. Se mais algum Jacohranger vier junto, a garota será sumariamente executada.

Enquanto os dois Jacohrangers estremeciam com aquela ameaça, Ghitta, o monstro maligno e os soldados Kardler sumiram magicamente. Chairo e Daira conversaram por alguns instantes, em dúvida se deveriam ou não avisar seus amigos. Era óbvio que aquilo era outra armadilha, mas o jovem jamais se perdoaria se acontecesse algo a Aline. Jamais.
Sem escolha e sem idéias melhores, os dois foram o mais rápido que puderam até o Vale Oeste. Sem avisar seus amigos.

***

Era um local extenso e sem nenhum tipo de paisagem. O campo de batalha ideal. Não tardou para que os dois vissem, no topo do vale, Aline presa a um tipo de cruz. Cabeça baixa, prostrada, desacordada, mas felizmente não parecia ferida. Ao lado da garota, vários soldados Kardler com lâminas próximas ao pescoço dela.
Os dois Jacohrangers tentaram caminhar em direção a ela, mas foram detidos por mais soldados Kardler. Chairo os golpeava com socos e chutes sucessivos, nocauteando-os velozmente. Daira usava sua espada para ir abrindo caminho.
Em poucos minutos, os miseráveis tinham sido derrotados. Então veio até eles o monstro Daragoron. O ser bizarro tinha aspecto de dragão e baforejou fogo várias vezes, não permitindo que os Jacohrangers se aproximassem. O marrom e a laranja dispararam com suas pistolas à distância, sem sucesso. Saltaram e buscaram acertá-lo com suas espadas, dando início à batalha corpo-a-corpo.
Enquanto os dois lutavam, disparos lasers nocauteavam os soldados Kardler que estavam ao lado de Aline. Eram os Jacohrangers cinza, branca e púrpura. Assim que os três tentaram chegar até a moça prisioneira, foram interceptados por Ghitta. A vilã golpeou os três heróis sem esforço, derrubando-os do topo do vale.
Restou aos cinco Jacohrangers unirem suas forças e confrontarem o monstro maligno. Ele continuou disparando fogo, obrigando os heróis a se manterem distantes. E foi justamente aquilo que possibilitou que Shira o surpreendesse com um golpe por trás. Desequilibrado, Daragoron recebeu mais e mais ataques, até não ter mais forças para se defender.

- Jacó Cannon.

O imenso canhão destruiu o monstro. Em seguida, a força maligna do Império Akkuma fez a criatura reviver gigantesca. Os Jacohrangers invocaram o Densetsu Robotto e ingressaram nele. A enorme batalha estava prestes a começar, quando Daira reparou que Chairo olhava para o vale e lhe perguntou o que houve.

- Aline desapareceu. Ghitta a levou para outro lugar!
 つづく
NO PRÓXIMO CAPÍTULO DE JACOHRANGERS:

Além de ter que resgatar Aline, que está desaparecida, os heróis ainda recebem a notícia da chegada do terrível Imperador inimigo. O que o Império Akkuma pretende? Não percam no próximo domingo:

EPISÓDIO 07 – O IMPERADOR ALIENÍGENA

sábado, 13 de julho de 2013

EPISÓDIO 05 - ARMADILHA ANCESTRAL

 EPISÓDIO 05 – ARMADILHA ANCESTRAL
EPISODE 05 - ANCESTRAL TRAP
挿話五 - 先祖トラップ

NO CAPÍTULO ANTERIOR DE JACOHRANGERS:

- O IMPÉRIO AKKUMA MOSTRA TODA SUA CRUELDADE AO MANTER UMA JOVEM GRÁVIDA DENTRO DO CORPO DO MONSTRO BARABATTO.
- GRAÇAS À CORAGEM DOS JACOHRANGERS, A MOÇA E BRAZILIAN TOKYO SÃO SALVAS E PAZ VOLTA A REINAR.

O QUE IRÁ ACONTECER?

Nas sombras de um tipo de ruína subterrânea, um ser animalesco recebia orientações de outra criatura maligna. Pareciam falar em um idioma de outro mundo, pois nenhuma mente da Terra poderia entender aquilo. Um bom número de soldados Kardler também estava ali.

- Monstro alienígena Karamaran (怪獣宇宙人カラマラン), comece a “Operação Maldição”!

A criatura assentiu com a cabeça.

***

Dois jovens, de aproximadamente quinze anos, conversavam animadamente em um dos parques de Brazilian Tokyo. Já havia anoitecido e o movimento naquela região da cidade era pequeno, ideal para um casal ter um pouco de privacidade.

- Finalmente, estamos sós! – ele disse.
- Sim, meu amor. Finalmente – ela respondeu.

Antes que pudessem se beijar, um barulho. Parecia o som de alguém pisando em folhas de árvores. Ambos tiveram a impressão de estarem sendo espionados. No entanto, ao se aproximarem da origem do barulho, um grito de pavor foi inevitável.
Um tipo de monstro horrível, com o corpanzil cheio de tatuagens em forma de planetas emitia um tímido raio azulado que ia envolvendo a lua. Ao notar a aproximação dos humanos, a criatura fez menção de atacá-los e começou a perseguí-los.

- Socorro! Socorro! Um monstro! – a moça gritava desesperada.

Outras pessoas ouviram aquilo e viram a perseguição, entrando em pânico também. Antes que uma confusão generalizada se formasse, o monstro recebeu um violento chute, sem nem saber de onde veio. Quando se recobrou, viu diante dele um jovem que não parecia intimidado.

- Jacoh Change!

Era Grey, o Jacohranger cinza. O herói logo começou a golpear o monstro, que também contra-atacou. Soldados Kardler surgiram subitamente, dando tempo a Karamaran de voltar a lançar seus raios à lua. Em seguida, Ghitta surgiu, golpeando o defensor da justiça com violência.

- Ghitta! O que estão tramando desta vez?
- Agora é tarde para perguntar. O monstro Karamaran acabou de ativar uma maldição ancestral que o satélite da Terra, que vocês chamam de “lua”, sempre carregou.
- Maldição ancestral?
- Veja com seus próprios olhos! – a vilã apontou para as pessoas ao redor.

E Grey viu algo terrível: todos se contorciam, enquanto seus corpos passavam por um tipo de metamorfose. Músculos ganhavam dimensões maiores, as faces adquiriam aspectos bestiais, pêlos, garras e dentes cresciam de forma incontrolada.

- Malditos! Transformaram as pessoas em lobisomens.
- Idiota! Isso é apenas o começo. Na noite de amanhã, coisas muito mais interessantes irão acontecer!

Ghitta gargalhou e sumiu, juntamente com o monstro e os soldados Kardler. Todas as tentativas do Jacohranger cinza de acalmar os lobisomens enfurecidos falharam. Sem escolha, ele regressou tão rápido quanto pôde ao quartel-general e relatou todo o ocorrido a seus colegas.

***

- É uma maldição antiga. Não pensei que funcionasse aqui na Terra – o Mestre Jacoh ia explicando – Outros planetas já tiveram problemas parecidos com seus satélites artificiais e a luz refletida por eles.
- O que? – Shira perguntou – Quer dizer que isso já aconteceu em outros planetas?
- Sim. Inclusive, mundos inteiros foram destruídos por causa disso. Com toda sua população se transformando em uma besta selvagem, a guerra entre os próprios habitantes acaba extinguindo toda a vida naquele mundo. Os malditos do Império Akkuma nem mesmo precisam agir.
- Covardes! Como podem? – era Chairo.
- São muito, muito cruéis – lacrimejava Daira.

Os Jacohrangers seguiram revoltados, tentando supor o que aconteceria na noite seguinte. Pouco pôde ser feito além de aguardar, então eles aguardaram.
Organizaram uma ronda durante o dia, sem encontrar nada suspeito, nem anormal. Quando o sol se punha, os cinco heróis e seu mestre estavam em sua base, atentos a qualquer problema. Não demorou a seus monitores serem invadidos por mensagens do Império Akkuma.

- Ghitta? – todos gritaram ao mesmo tempo.
- Heróis inúteis, vejam isto.

Era uma cena terrível. Crianças amarradas na praça principal da cidade, chorando, cercadas por pessoas transformadas em lobisomens. As bestas estavam encoleiradas, fazendo um grande esforço para se libertarem e atacarem as crianças.

- Se não vierem logo, as crianças serão devorados pelos lobisomens. Mas há uma condição: venham destransformados. Se ousarem se transformar, eu cortarei as correntes que prendem os lobisomens.

Ghitta gargalhou e a transmissão se encerrou, exibindo como última imagem o choro e o desespero das crianças.

 - É uma armadilha! – disse o Mestre Jacoh – Se vocês forem destransformados serão amaldiçoados e vão se tornar lobisomens.
- Deve haver algo que possa ser feito! – era Shira.
- Não temos muito tempo! – Murana falava com angústia.
- Alguma idéia, Mestre? – Chairo perguntou.
- Sim, eu irei à frente.

Para alguns dos novos Jacohrangers, foi uma grande surpresa a notícia de que seu mestre não era nativo do planeta Terra. Isso o fazia imune à maldição. Era a única chance que os heróis tinham.

***

O Mestre Jacoh chegou de forma furtiva, surpreendendo Ghitta ao saltar sobre ela e golpeando-a. Aquilo afastou a vilã das correntes que mantinham os lobisomens cativos. O mestre dos heróis rapidamente afastou as crianças daquele local. Naquele instante, os Jacohrangers já transformados, chegavam ao campo de batalha.

- Grey! Daira! Ajudem o Mestre Jacoh a levar as crianças a um local seguro! – a Jacohranger branca ordenou.

Os outros três defensores da justiça começaram a enfrentar os soldados Kardler. Sem precisar sacar suas armas, os Jacohrangers nocautearam todos. O monstro Karamaran começou a agredi-los com violentos socos e chutes, derrubando os heróis. Antes que pudesse feri-los mais, Grey e Daira o atacaram de surpresa.

- Hora do Jacó Cannon! – todos gritaram.

Da união das armas dos Jacohrangers, formou-se um tipo de bazuca, que expeliu uma violentíssima quantidade de energia, explodindo Karamaran em milhares de pedaços. Irritada, Ghitta, se afastou, praguejando e amaldiçoando os heróis.

Minutos mais tarde, a metamorfose que transformou humanos em lobisomens foi sendo revertida. As pessoas voltaram ao normal e o luar tornou a ter apenas e tão somente o brilho bonito que sempre teve.

- São muito, muito cruéis! – pensou em voz baixa Daira.
- Até onde eles serão capazes de ir para alcançarem seus objetivos? – Shira perguntou a si mesma – Como podem não ter nenhum tipo de respeito pela vida e pelos sentimentos humanos?
- São poderosos demais – pensava Chairo – Até quando seremos capazes de detê-los?
  つづく
NO PRÓXIMO CAPÍTULO DE JACOHRANGERS:

Chairo conhece uma pessoa especial, mas a pobre moça é sequestrada por Ghitta. É preciso correr contra o tempo para resgatá-la. Não percam no próximo domingo:


EPISÓDIO 06 – O AMOR DE CHAIRO.

domingo, 7 de julho de 2013

EPISÓDIO 04 - OS CRUÉIS INIMIGOS DA TERRA



 EPISÓDIO 04 – OS CRUÉIS INIMIGOS DA TERRA
EPISODE 04 - CRUEL ENEMIES OF THE EARTH
挿話 - 地球の残酷な

NO CAPÍTULO ANTERIOR DE JACOHRANGERS:

- O GRUPO É FORÇADO A SE DIVIDIR PARA DETER O MONSTRO INIMIGO E, AO MESMO TEMPO, DESPERTAR O PODEROSO ROBÔ QUE OS AJUDARÁ EM SUA MISSÃO.
- MESMO COM OS JACOHRANGERS DENTRO DE SEU ROBÔ, OS INVASORES DO IMPÉRIO AKKUMA NÃO PARECEM INTIMIDADOS.

O QUE IRÁ ACONTECER?

- Vamos! – a Jacohranger branca gritou.

Densetsu Robotto trocou socos com o monstro inimigo. Ambos se feriram. O robô dos heróis desferiu um raio de seus olhos e foi imitado por seu inimigo, resultando numa violenta explosão, que fez os dois recuarem. Os Jacohrangers então sacaram a espada gigantesca.
O terrível Barabatto tirou de seu corpo um pedaço de carne apodrecida e fez aquilo ganhar consistência, transformando num tipo de espada improvisada. As duas armas se chocaram várias vezes. O monstro desferiu vários, todos defletidos pela lâmina dos Jacohrangers. A energia voltou em direção a Barabatto, que foi atingido e cambaleou.

- Agora! – Chairo gritou – Densetsu Míssil!

Dos ombros do robô surgiram dois compartimentos, que abriram e dos quais partiram dois pequenos mísseis em direção ao inimigo. Barabatto não conseguiu desviar, sendo violentamente atingido e caindo no chão. A criatura levantou furiosa. Ao invés de disparar mais raios, ela começou a acumular uma grande quantidade de energia em suas garras.

- Ele vai arremessar essa energia em direção a Brazilian Tokyo! – gritou Shira, a Jacohranger branca.
- Vamos ter que deter essa energia nos colocando na frente dela! – era Daira, a Jacohranger laranja.

Densetsu Robotto posicionou-se de maneira a proteger ao menos parte de Brazilian Tokyo. Grey ativou um comando que invocou o Densetsu Escudo. O impacto foi reduzido, mas não impediu que ocorresse uma violenta explosão. Os Jacohrangers e seu robô caíram violentamente. E Barabatto foi para cima deles.
Mesmo caído, Densetsu Robotto chutou com violência o monstro. Levantou-se rapidamente e começou desferir seguidos chutes no inimigo. Barabatto foi ao chão.

- Hora do golpe final! – a Jacohranger branca gritou.
- Sim! – todos responderam em uníssono.

A espada do Densetsu Robotto foi levantada e chamas místicas brotaram em sua lâmina. Mais e mais energia mágica se condensou, e a espada se tornou uma grande fonte de luz flamejante.

- Tem certeza que querem fazer isso, Jacohrangers? – a voz era de Ghitta, a alguns metros dele.

Os heróis hesitaram, sem entender.

- O que quer dizer com isso? Vamos, explique-se! – o Jacohranger marrom perdeu a paciência.
- Vejam com seus próprios olhos! – a vilã apontou para o peito do monstro.

Da caixa torácica do monstro surgiu uma abertura, revelando que havia algo em seu interior. Algo terrível. Suas tripas gigantescas enrolavam uma forma de vida, prendendo-a ao interior do corpo monstruoso. Um ser vivo. Um ser humano. Alguém preso ao monstro.

- Estão surpresos, heróis? Pois esperem para ver qual a outra surpresa que o monstro Barabatto tem para vocês.

Na cabeça da criatura, um pedaço de carne se desprendeu, revelando um mecanismo eletrônico que exibia uma pequena contagem regressiva. Apontava para dois minutos.

- É uma bomba! – gritou Murana.
- Ela tem força para destruir toda Brazilian Tokyo e mais alguns quilômetros ao redor. A menos, é claro, que destruam o monstro Barabatto antes. Mas, vocês serão capazes de matá-lo, sabendo que há uma mulher grávida dentro dele? – Ghitta gargalhou.

***

- O que faremos? – era o Jacohranger marrom.
- Encontraremos um jeito! – era a heroína que vestia branco.
- Não quero matar uma mulher grávida! – disse a Jacohranger laranja.
- Mas não podemos deixá-lo explodir Brazilian Tokyo – o herói marrom insistiu.
- Não temos muito tempo! – gritou a Jacohranger púrpura.

Enquanto os heróis pensavam, o monstro dirigia-se até a cidade. Ghitta gargalhava e apesar de ter o tempo contra eles, os Jacohrangers não moviam o Densetsu Robotto. Hesitavam. Chairo chegou a esmurrar os controles do robô.

- Shira, você é a líder. O que vamos fazer? – Murana, a Jacohranger púrpura gritou, já em lágrimas.
- Vamos salvar aquela mulher.

O Densetsu Robotto foi movido até o monstro, bloqueando a passagem dele. A espada do monstro rasgou parte do peito da criatura, revelando o local em que o a moça grávida estava presa. Pelas contas dos heróis, faltava um minuto para o monstro explodir.

Então, a Jacohranger branca fez o impensável.

Saltou do Densetsu Robotto em direção à área interna do peito do monstro, onde a moça estava cativa. Os demais Jacohrangers manobraram o robô de modo a não permitir que Barabatto interferisse nas ações de Shira.
Com muita dificuldade, a Jacohranger branca destruiu os órgãos internos do monstro. A muito custo, equilibrou o corpo desacordado da jovem em seu ombro e se afastou.
Em seguida, os Jacohrangers desferiram o golpe final. Uma luz flamejante envolveu a lâmina da espada, gerando uma energia invencível.

- Densetsu Chou Ken Hi (伝説)

O monstro Barabatto explodiu, sem que sua morte atingisse Brazilian Tokyo. Longe dali, Ghitta apenas praguejava contra os heróis.

- Malditos, Jacohrangers!

***

- São muito cruéis.

Nada era dito, mas aquele era o pensamento de todos os cinco. Felizmente, a jovem e seu bebê puderam ser salvos, mas ambos teriam que ficar internados, em observação por alguns dias. Mestre Jacoh também estava no hospital.

- Não são alienígenas. São demônios, mestre! – era Chairo.
- São a escória do universo. O que só aumenta a responsabilidade de vocês. Muitos planetas sucumbiram diante do poder deles. Vocês são a única esperança da terra. Talvez de todo o universo.

Daira chorava.

- São muito cruéis. E se nós tivéssemos que escolher entre salvar a cidade ou a moça? Eu não queria ter que ficar com uma morte em minha consciência.

Todos estavam cabisbaixos. Deveriam estar felizes, pois, afinal, conseguiram salvar a todos. Ninguém tinha morrido. Mas Murana trouxe à tona uma pergunta de difícil resposta.

- E se tivermos que fazer esse tipo de escolha mais vezes?

O silêncio deixou claro que não havia uma resposta para aquilo.

***

Há quilômetros dali, Ghitta reunia-se a alguém misterioso. Foi severamente castigada por sua falha. Depois, recebeu orientações, ordens e ameaças de morte caso falhasse outra vez. Um novo monstro foi convocado para lhe auxiliar em seu próximo ataque. Um novo plano, tão ou mais violento e cruel que o anterior.
 つづく
NO PRÓXIMO CAPÍTULO DE JACOHRANGERS:

Uma antiga maldição cai sobre Brazilian Tokyo. Mais do que derrotar o responsável, os Jacohrangers precisarão primeiro encontrar o monstro que criou o problema, mesmo sabendo que é uma armadilha. Não percam no próximo domingo:

EPISÓDIO 05 – ARMADILHA ANCESTRAL