Jacohrangers

Jacohrangers

domingo, 27 de outubro de 2013

EPISÓDIO 19 - A JUSTIÇA PERDEU


EPISÓDIO 19 – A JUSTIÇA PERDEU

NO CAPÍTULO ANTERIOR DE JACOHRANGERS:

- O MONSTRO UTA INICIA UM PLANO TERRÍVEL LEVANDO BRAZILIAN TOKYO AO CAOS.
- OS JACOHRANGERS DERROTAM O INIMIGO, QUE LOGO REVIVE COM CINQUENTA METROS DE ALTURA. QUANDO CHAMAM O DENSETSU ROBOTTO, MESTRE JACOH SE RECUSA A ENVIÁ-LO.

O QUE IRÁ ACONTECER?

- Por que não, Mestre Jacoh? O que está havendo? – Chairo perguntou.
- Hoje, por motivos que eu explicarei depois, o Densetsu Robotto estará muito mais fraco. O ataque realizado hoje não foi uma coincidência. Não repararam como foi fácil derrotar a forma normal do monstro?
- Quer dizer, então – era Daira – que tudo não passou de uma armadilha para que o monstro ficasse gigante e tivéssemos que invocar o Densetsu Robotto?
- Mestre, por que o Densetsu Robotto está enfraquecido hoje? – perguntou Murana – Temos o direito de saber!

O Mestre hesitou antes de responder. De qualquer forma, não haveria tempo, pois o agora gigantesco Uta já estava próximo o bastante dos Jacohrangers para atacá-los.

- Vamos! – Hitomi gritou.

Os heróis dispersaram. Cada um posicionado em um lado, efetuaram disparos poderosos no rosto da criatura, fazendo-a pôr a mão em frente à cabeça. Grey e Chairo atacaram os pés do monstro com suas espadas, gerando cortes diminutos. Uta demonstrava que tentaria esmagá-los socando o chão, então todos atiraram em seu punho.

- Isso não vai detê-lo por muito tempo! – Hitomi gritou.
- Vamos tentar atraí-lo para fora de Brazilian Tokyo! – sugeriu Chairo.

Os heróis fizeram acrobacias e foram se desviando dos ataques de maneira a tentar conduzir o monstro para os limites da cidade, uma região desabitada onde poderiam lutar sem se preocupar com nada. A estratégia chegou a funcionar, mas, no processo, Grey e Murana foram violentamente golpeados.

- Vamos nos reagrupar e tentar usar o Jacoh Cannon! – berrou a Jacohranger bege.

A muito custo, os heróis conseguiram se posicionar de frente ao monstro e mirar em seu rosto. O disparo foi efetuado e feriu a face de Uta. A criatura urrou e chegou a ir ao chão. Mas antes que os Jacohrangers seguissem com os ataques, o ser maligno já estava novamente de pé.

- Não adianta! – Chairo não conseguia deixar de transparecer desespero em sua voz – Sem o Densetsu Robotto não conseguiremos.
- Mestre Jacoh, por favor – era Daira – Conte-nos por que o Densetsu Robotto está enfraquecido hoje!
- Por favor – gritou Murana.

Naquele momento, o Jacohranger cinza foi outra vez ferido, sendo arremessado pelo chute de que foi alvo a centenas de metros de distância.

- Grey! – todos gritaram em uníssono.
- Mestre Jacoh! – Chairo insistiu.
- Vocês venceram! – o velho mestre respondeu – Vou lhes contar o motivo. Espero que estejam preparados.

***

Hoje ocorrerá um eclipse. Trata-se de uma conjunção bastante específica das estrelas. Tais condições geram uma energia maligna muito intensa que se espalha além dos limites da galáxia. O Império Akkuma, ciente disto, escolheu o dia de hoje para realizar este ataque.
O que acontece é que tal energia negativa se fará presente em sua totalidade na terra hoje. Será uma força tão poderosa que interferirá em toda a energia positiva dos seres vivos de bom coração que habitam não só nosso planeta, mas todo o Sistema Solar. Talvez toda a galáxia.
“O que isto tem a ver com o Densetsu Robotto?”, vocês devem estar perguntando. O que acontece é que ele também é uma espécie de ser vivo. Ao menos, em partes. Pode parecer confuso, mas vou explicar melhor, e vocês entenderão.
O que acontece é que o Densetsu Robotto foi construído originalmente como uma máquina. Um robô mesmo. Mas para que seu funcionamento fosse total, e para que ele pudesse lutar com o poder necessário para deter o Império Akkuma, ele passou por um ritual que o “banhou” em energia positiva. É como se ele tivesse passado por uma espécie de “ritual” que o transformou em um ser vivo, uma criatura senciente.
Por este motivo, ele é vulnerável à energia negativa gerada pelo fenômeno astronômico de hoje. É quase certo que se ele lutar nestas condições, ele seja derrotado, pois só contará com aproximadamente dez por cento de seu poder total. Ou seja, é tudo uma armadilha do Império Akkuma.
Sei que precisam dele para combater o monstro gigante, mas espero que entendam que não é seguro enviá-lo para batalhar. Não até que o eclipse acabe. Do contrário, faltamente o Densetsu Robotto será destruído, e aí sim nós teremos um problema.
Eu imploro a vocês, Jacohrangers! Lutem! Com coragem e bravura, mas sem o Densetsu Robotto. Resistam por pelo menos mais algumas horas. Lutem sozinhos até que o pior momento tenha passado. É só o que lhes peço. Por favor! Coragem, Jacohrangers! Não se dêem por vencidos!

Conto com vocês!

***

Os Jacohrangers fizeram o possível. Lutaram com todas as suas forças. Combinaram seus ataques, usaram todas as táticas de batalha em grupo que conheciam. Esforçaram-se ao máximo. Combateram no limite extremo de suas capacidades individuais e em equipe.

Mas não adiantou.

Estavam prestes a ser mortos e esmagados. O Mestre Jacoh não teve alternativa a não ser enviar o Densetsu Robotto. Os Jacohrangers entraram nele e iniciaram uma terrível batalha.

- Não será fácil – era Hitomi – Vamos nos esforçar ao máximo!
- Vamos! – todos gritaram em resposta.

Depois de alguns ataques, o Densetsu Escudo já tinha sido feito em pedaços. Robô e monstro trocavam golpes, mas ficava visível que o vilão levava clara vantagem. Densetsu Míssil e Densetsu Laser não surtiram efeito. Sacar a Densetsu Espada parecia a última opção.

- É visível que o Densetsu Robotto não tem mais a mesma energia que tinha antes! – disse Chairo.
- Mestre Jacoh tinha razão – Hitomi parecia desesperada – O que faremos?
- Vamos continuar lutando! – Murana e Daira gritaram quase ao mesmo tempo.

Os golpes do monstro Uta seguiram. Após uma seqüência de ataques que não puderam ser defendidos, um braço do Densetsu Robotto foi destruído, caindo sob as ruas desertas de um dos bairros de Brazilian Tokyo.

- Ainda temos um braço e a Densetsu Espada! – Hitomi gritou – Isto vai ter que ser suficiente!

Com a pouca força que lhes restava, os heróis passaram a tentar apenas se esquivar dos ataques inimigos. Assim que o monstro Uta abrisse a guarda, utilizariam seu último e mais poderoso recurso.
Quando a chance surgiu, todos colocaram seus corações no golpe derradeiro. Daquela energia dependia o futuro de toda a Terra.

- Densetsu Chou Ken Hi!

A espada sagrada perfurou o monstro maligno ao mesmo tempo em que ele também golpeou com uma força incrível o Densetsu Robotto. Uma quantidade impressionante de energia foi liberada, ferindo igualmente tanto os heróis quanto os vilões. Então veio a explosão. Só foi possível ver quem tinha vencido quando a poeira baixou, minutos depois.

- Jacohrangers, vocês estão me ouvindo? – Mestre Jacoh tentava contato,  sem sucesso – Respondam-me! Jacohrangers!

Não houve resposta. Quando a poeira baixou, foi possível ver o corpo sem vida do monstro Uta. Ao seu lado, Densetsu Robotto jazia destruído. Os Jacohrangers também se encontravam lá. Desmaiados, talvez. Ou mortos. Não havia como saber.

NO PRÓXIMO CAPÍTULO DE JACOHRANGERS:

Momento de desespero. Um novo ataque do Império Akkuma. E, desta vez, os Jacohrangers não têm um robô gigante. Conseguirão proteger Brazilian Tokyo. Não percam no próximo domingo:


EPISÓDIO 20 – O DESESPERO DOS JACOHRANGERS!

domingo, 20 de outubro de 2013

EPISÓDIO 18 - A MELODIA MALIGNA


EPISÓDIO 18 – A MELODIA MALIGNA
EPISODE 18 - THE EVIL MELODY

NO CAPÍTULO ANTERIOR DE JACOHRANGERS:

- A JOVEM HITOMI É ESCOLHIDA PELO CRISTAL DO ESPAÇO E SE TORNA A QUINTA JACOHRANGER, PASSANDO ENTÃO A MORAR COM OS DEMAIS HERÓIS NO QUARTEL-GENERAL DO GRUPO.
- O FLAGELO DO UNIVERSO ASSASSINA O FEITICEIRO RARPOTH, POR NÃO TER GOSTADO DA INTERFERÊNCIA DELE EM UMA BATALHA.

O QUE IRÁ ACONTECER?

- Faz pelo menos três anos, não Grey?

O sorriso tímido dele era de uma pureza quase infantil. O Jacohranger cinza, destransformado, anônimo, quieto, apenas contemplava o falar incessante da amiga de infância reencontrada.
Thalita era lindíssima. Seus olhos de um negro profundo faziam o brilho do luar parecer o rútilo frágil da chama de um isqueiro se acendendo. Desde quando se conheceram, ainda no ensino médio, já nutriam certa atração um pelo outro. Não chegaram a namorar devido o envolvimento dela com outro rapaz. E uma necessidade da carreira profissional de seu pai a afastou de Grey por alguns anos.

- A cidade mudou muito desde a última vez que estive aqui – ela sorriu – Por que não me apresenta os lugares legais que existem em Brazilian Tokyo?

Ele sorriu como há tempos não fazia e assentiu com os olhos brilhando. Estava tão encantado com aquele reencontro que sequer percebeu uma discreta movimentação de soldados Kardler a algumas dezenas de metros dali.

***

Não era fácil distinguir o nariz e a boca do monstro. Ambos pareciam prolongar-se para frente e tinham pequenos furos, lembrando uma flauta. Os olhos esbugalhados tinham o formato de uma clave. Nas mãos, uma lâmina revestida de um encordoamento alienígena, ganhando aspecto de um instrumento musical.

- Vamos, soldados! Apressem-se! – ele gritava – Sou o monstro Uta () e tenho pressa em destruir este mundo.

Os Kardler, tão disfarçadamente quanto possível, instalavam em pontos específicos da cidade um grande número de equipamentos similares a caixas de som. Eram, na verdade, amplificadores. Dezenas de caminhões circulavam as ruas de Brazilian Tokyo levando as enormes caixas acústicas. Ao menos duas delas passaram perto de onde Grey estava. Mas ele sequer percebeu.

- Mais algumas poucas horas e iniciaremos! – o monstro disse a si mesmo.

***

Um bairro abastado da região norte de Brazilian Tokyo. Chairo caminhava atentamente, procurando algum tipo de movimentação suspeita. Alguns minutos de observação e percebeu a presença de um caminhão suspeito. Começou a perseguí-lo e logo viu soldados Kardler movendo-se em sua direção. A batalha então teve início.

- Mestre Jacoh! – ele tentou contato – Soldados Kardler em um caminhão suspeito na região de Nakamura. Peça ao pessoal para vir.

Os soldados foram caindo rapidamente, mas o caminhão não pôde ser alcançado. Os demais heróis lá chegaram em poucos minutos, exceto Grey. Nenhum deles encontrou qualquer veículo parecido com a descrição dada por Chairo.

***

- Vamos começar! – era o monstro Uta.

A criatura começou a emitir um som estranho, que logo foi se tornando uma melodia insuportável. A canção maldita percorria o ar atingindo todos os amplificadores espalhados pela cidade. Em poucos minutos, todos os ouvidos de Brazilian Tokyo estavam sendo alvo da melodia das trevas.
À medida que as pessoas escutavam a canção demoníaca, seus sistemas nervosos entravam em colapso, fazendo todos ficarem loucos e vagarem sem rumo pelas ruas, como zumbis. Inconscientes, robóticos, tal qual autômatos desgovernados.
E a melodia seguia. Os soldados Kardler já se preparavam para levar novos amplificadores a cidades próximas e aumentar o número de vítimas. Mais cedo ou mais tarde, todo o país entraria em colapso.

***

Grey gritou em profundo desespero quando viu sua amada Thalita pôr as mãos em sua cabeça e começar a se debater. O som desagradável que chegava parecia o responsável. A melodia não afetava o Jacohranger, mas o mesmo não ocorria com sua colega. Inclusive, dezenas de outras pessoas próximas pareciam estar na mesma situação.

- Jacoh Change!

O Jacohranger cinza correu até o local de onde o som maldito parecia vir, pois sabia que apenas detendo a origem da melodia poderia libertar as pessoas daquele transe. Encontrou a dezenas de metros dali um tipo de “caixa de som” que amplificava aquela canção. Com sua pistola, destruiu completamente o equipamento.
Mas a melodia infernal ainda continuava sendo emitida, pois havia centenas de outros equipamentos de amplificação similares. Além disso, alguém deveria estar cantando aquela canção. E quem quer que fosse, deveria ser encontrado e destruído.

***

Os Jacohrangers combatiam soldados Kardler, destruíam amplificadores, explodiam caminhões e tentavam acudir as pessoas que se debatiam em transe. Então, veio a mensagem do Mestre Jacoh.

- Localizei o monstro que está provocando tudo isto.

Sabendo onde procurar, os heróis partiram imediatamente para aquele ponto da cidade. No caminho, encontraram Grey, o Jacohranger cinza.

- Desculpem-me, amigos. Estive tão concentrado com outra coisa que acabei não percebendo que havia algo errado. E o pior é que agora alguém que eu gosto está sofrendo.
- Está apaixonado, Grey? – Daira era direta.
- Depois falamos disto! – era Hitomi.

Os cinco, reunidos, seguiram rumo ao monstro. Foram interceptados várias vezes por soldados Kardler e pararam para combatê-los. Em menos de uma hora, finalmente encontraram a criatura, que seguia emitindo um canto infernal.

- Pare agora! – Chairo bradou.
- Não me deterão, Jacohrangers!

E a batalha começou.

***

Imunes ao terrível som, os Jacohrangers combatiam e iam derrotando sem grande esforço o monstro Uta. As pistolas e espadas iam talhando e explodindo partes do corpo da criatura, que não parecia ter forças para reagir.

- Jacoh Cannon!

Uta foi reduzido a cinzas. Mas não tardou para que fosse reconstruído graças a um raio maligno do Império Akkuma. A criatura de mais cinqüenta metros de altura começou a se dirigir até os Jacohrangers, que invocaram o Densetsu Robotto.

Mas ele não veio.

- Por que o Densetsu Robotto não vem? – Hitomi perguntou.
- Eu não sei! – a voz de Chairo era puro desespero.

Uta já estava suficientemente próximo para começar a causar estragos. E o robô gigante não vinha, apesar dos insistentes chamados dos Jacohrangers.

- Mestre Jacoh, por que o Densetsu Robotto não vem? – o herói marrom tentou a comunicação – O que está acontecendo?
- Mestre, por favor, responda! – era Daira.
- Sou eu que não deixei o Densetsu Robotto partir. Não vou deixar que ele lute desta vez.
  つづく
NO PRÓXIMO CAPÍTULO DE JACOHRANGERS:

Por que o Mestre Jacoh não quer que o Densetsu Robotto lute? O ataque de Uta se revelou um ardil do Império Akkuma. Não percam no próximo domingo:


EPISÓDIO 19 – A JUSTIÇA PERDEU.

domingo, 6 de outubro de 2013

EPISÓDIO 17 - CINCO JACOHRANGERS


EPISÓDIO 17 – CINCO JACOHRANGERS
EPISODE 17 - FIVE JACOHRANGERS
挿話 – 五人ジャ

NO CAPÍTULO ANTERIOR DE JACOHRANGERS:

- AS MAIS DE NOVENTA MULHERES SEQUESTRADAS SÃO LIBERTADAS PELO PODER MISTERIOSO DA JOVEM HITOMI.
- O FLAGELO DO UNIVERSO SE ENFURECE POR TER SEUS PLANOS FRUSTRADOS. UMA TERRÍVEL BATALHA ESTÁ PRESTES A COMEÇAR.

O QUE IRÁ ACONTECER?

Hitomi gesticulou da mesma forma que os Jacohrangers faziam quando estavam prestes a se transformar, mesmo sem entender exatamente por que fazia aquilo. A estupefação dos quatro heróis atingiu o ponto máximo quando eles ouviram a jovem pronunciar aquelas palavras.

- Jacoh Change!

Enquanto os Jacohrangers ficavam boquiabertos, o corpo de Hitomi ia sendo revestido por um traje de combate igual ao deles. Porém, da cor bege.

- Sou a Jacohranger bege. E irei acabar com a maldade deste mundo.

Garak, Misudan e Aramuki prestaram atenção apenas no fato de o cristal do espaço desaparecer dentro do traje da nova heroína, deixando claro que ele não poderia ser recuperado. A super transformação fora, definitivamente, impedida. O flagelo do universo teria que lutar com as forças que tinha.

- Não nos intimidará garota! – Aramuki gritou, indo batalhar contra a nova Jacohranger.
- Vamos!- Chairo gritou a seus amigos.

E uma feroz batalha teve início.

***

Soldados em grande quantidade surgiram. A caverna era pequena demais para comportar tantos combatentes e logo todos estavam lutando ao ar livre. Grey e Murana logo levaram a nocaute todos os Kardler, para então surgirem mais e os deixarem ocupados por algum tempo.
Daira combatia Misudan. Os dois trocavam golpes velozmente, defendendo-se e atacando sem pausa. A Jacohranger laranja, percebendo estar ficando acuada, sacou sua espada. O combate ficou um pouco mais equilibrado. Ela não imaginava que o inimigo fosse tão assustadoramente poderoso.
Chairo e Aramuki se golpeavam incessantemente. O ódio que nutriam era maior que a vontade de não serem feridos. Ambos abriram de se defender. Expunham-se, desde que aquilo aumentasse sua capacidade de ferir o rival. Em dado momento, ambos chegaram a cair e a resfolegar antes de se levantarem. Os olhares de cólera eram um recado claro que mandavam um ao outro: “Não vou perder para você”.
Hitomi combatia Garak. Sem que soubesse como ou por que, uma espada apareceu nas mãos da Jacohranger bege, que aproveitou para ir ao ataque sem hesitação. Seu inimigo também tinha uma lâmina poderosa empunhada e o choque do aço ecoou por toda a região. Hitomi parecia dominar a arte da esgrima como poucas, dando a impressão de ter treinado aquilo desde que era pequena.
Os heróis e os vilões se confrontavam com tanta intensidade e concentração, que nem repararam que Rarpoth estava próximo a eles. O feiticeiro maligno começou a invocar suas magias negras. Quando já tinha em suas mãos uma grande quantidade de energia, usou-a para limitar os movimentos dos Jacohrangers. Era como se fios invisíveis detivessem os corpos dos heróis, tornando-os alvos fáceis para os ataques do flagelo do universo.
Os cinco heróis foram ao chão, aos gritos, terrivelmente feridos.

- Este será seu fim! – Rarpoth gritou – Flagelo do universo, acabe com os Jacohrangers!

Foi quando o feiticeiro sentiu uma dor lancinante em seu ventre e viu as espadas de Aramuki, Misudan e Garak atravessando seu corpo. A criatura cuspiu uma gosma negra que deveria ser sangue e olhou com ódio para aquele que deveriam ser seus aliados.

- Por quê? – ele balbuciava com dificuldades.
- Você não nos dá ordens, seu desgraçado! – era Aramuki.
- Não precisamos que nos ajude com sua feitiçaria! – disse Garak.
- Você ousou interferir em nossa batalha! – Misudan tinha um sorriso escarninho nos lábios.

As armas foram retiradas do corpo, que caiu sem vida. Rarpoth estava morto.

- Vocês – Chairo gaguejava, enquanto levantava-se a muito custo – Vocês... são... definitivamente uns assassinos desgraçados.
- Mataram o próprio amigo! – disse Daira.
- Ele não era nosso amigo! – bradou Misudan – Era só um inútil.
- Não precisamos dele! – Aramuki continuou – Não é assim que ganhamos nossas batalhas.

Os Jacohrangers, após muito esforço, colocaram-se novamente de pé. Os cinco tinham consciência de que não conseguiriam vencer naquelas condições. Temeram pelo pior. Mas foram surpreendidos.

- Voltaremos a nos ver, heróis! – Garak disse, com desprezo.

E o flagelo do universo sumiu.

***

Hitomi, Chairo e Daira escoltaram as moças até suas casas. Muitas estavam terrivelmente abaladas emocionalmente e tiveram que ser encaminhadas a um hospital primeiro. Por sorte, nenhuma delas teve qualquer ferimento sério.
Murana e Grey foram confabular com o Mestre Jacoh sobre o significado daquilo tudo. O cristal do espaço não apenas não realizou a super transformação, como também escolheu conscientemente uma das moças para que herdasse seus poderes. Seria o cristal um tipo de “organismo vivo”? Até onde iriam os poderes de Hitomi, a Jacohranger bege?
Apenas naquele anoitecer todos os heróis puderam se reunir e conversar. Ainda estavam bastante feridos. Mestre Jacoh tomou todas as providências para minimizar as dores dos Jacohrangers. Hitomi começou a contar um pouco de sua vida.

- Eu sou estudante universitária. Curso Medicina. Tenho 19 anos. Meu pai foi um grande lutador de artes marciais do passado, por isso aprendi um pouco com ele sobre técnicas de luta. Aposto que ele ficará orgulhoso de mim quando souber de tudo que aconteceu.
- Pensa em contar tudo a eles? – Daira perguntou.
- Claro – a resposta veio do Mestre Jacoh – Hitomi precisara morar conosco a partir de agora. Infelizmente, precisará trancar sua faculdade. É bastante natural que a família dela entenda o motivo de tudo isso.
- Foi uma surpresa para todos nós tudo que aconteceu – disse Chairo.
- Para mim, não! – era o Mestre Jacoh.

Ele começou a falar um pouco sobre a natureza dos poderes dos Jacohrangers. Explicou que algo parecido poderia acontecer com outras pessoas, embora aquilo fosse extremamente raro. A escolha do cristal provavelmente foi baseada em algum poder latente que Hitomi já possuía. Com o tempo, a Jacohranger bege poderia desenvolver uma capacidade ainda maior.

- Rarpoth foi morto! – disse Murana – O Império Akkuma já tinha perdido Ghitta. A super transformação do flagelo do universo não aconteceu. Temos mais uma Jacohranger. Tudo parece estar dando certo. A tendência, agora, é que as batalhas fiquem mais fáceis.

“Errado”, Mestre Jacoh pensou, sem querer assustar seus pupilos. “Agora é que as batalhas mais terríveis vão começar”.


***

- Não faz nenhum sentido – disse Aramuki – Por outro lado, as ordens do nosso Imperador não devem ser questionadas.
- Vamos obedecer! E confiar no que ele planeja, mesmo não sabendo exatamente do que se trata – Garak parecia conformado.
- E quando voltarmos, destruiremos a Terra! – bradou Misudan.

Os três partiram. E abandonaram, por um tempo, o sistema solar.

***

- O alarme detecta anormalidades – explicava o Mestre Jacoh – Mas o monitor não revela exatamente de que se trata.
- Então vamos iniciar uma patrulha imediatamente – era Chairo.
- Vocês ainda não estão totalmente recuperados de seus ferimentos.
- Não podemos ficar aqui parados, Mestre Jacoh.
- Tudo bem, vocês podem ir. Mas, cuidado: não sabemos o que estamos enfrentando. É quase certo que se trate de mais uma armadilha.
- Ok! – Todos responderam quase ao mesmo tempo – Jacoh Change.

E os Jacohrangers partiram para o centro de Brazilian Tokyo. Lá chegando, se separaram. A princípio, não viram nada de estranho. Ainda assim, se mantiveram de prontidão.

- Conto com vocês, Jacohrangers! – era o Mestre Jacoh.
 つづく
NO PRÓXIMO CAPÍTULO DE JACOHRANGERS:

Uma música terrível está enlouquecendo as pessoas e transformando Brazilian Tokyo em um verdadeiro caos. Grey reencontra uma amiga de infância e se desconcentra de sua missão. O cruel Império Akkuma se aproveita disto e cria muitos problemas aos Jacohrangers, que precisam enfrentar um novo monstro. Não perca no próximo domingo:


EPISÓDIO 18 – A MELODIA MALIGNA