Jacohrangers

Jacohrangers

domingo, 20 de outubro de 2013

EPISÓDIO 18 - A MELODIA MALIGNA


EPISÓDIO 18 – A MELODIA MALIGNA
EPISODE 18 - THE EVIL MELODY

NO CAPÍTULO ANTERIOR DE JACOHRANGERS:

- A JOVEM HITOMI É ESCOLHIDA PELO CRISTAL DO ESPAÇO E SE TORNA A QUINTA JACOHRANGER, PASSANDO ENTÃO A MORAR COM OS DEMAIS HERÓIS NO QUARTEL-GENERAL DO GRUPO.
- O FLAGELO DO UNIVERSO ASSASSINA O FEITICEIRO RARPOTH, POR NÃO TER GOSTADO DA INTERFERÊNCIA DELE EM UMA BATALHA.

O QUE IRÁ ACONTECER?

- Faz pelo menos três anos, não Grey?

O sorriso tímido dele era de uma pureza quase infantil. O Jacohranger cinza, destransformado, anônimo, quieto, apenas contemplava o falar incessante da amiga de infância reencontrada.
Thalita era lindíssima. Seus olhos de um negro profundo faziam o brilho do luar parecer o rútilo frágil da chama de um isqueiro se acendendo. Desde quando se conheceram, ainda no ensino médio, já nutriam certa atração um pelo outro. Não chegaram a namorar devido o envolvimento dela com outro rapaz. E uma necessidade da carreira profissional de seu pai a afastou de Grey por alguns anos.

- A cidade mudou muito desde a última vez que estive aqui – ela sorriu – Por que não me apresenta os lugares legais que existem em Brazilian Tokyo?

Ele sorriu como há tempos não fazia e assentiu com os olhos brilhando. Estava tão encantado com aquele reencontro que sequer percebeu uma discreta movimentação de soldados Kardler a algumas dezenas de metros dali.

***

Não era fácil distinguir o nariz e a boca do monstro. Ambos pareciam prolongar-se para frente e tinham pequenos furos, lembrando uma flauta. Os olhos esbugalhados tinham o formato de uma clave. Nas mãos, uma lâmina revestida de um encordoamento alienígena, ganhando aspecto de um instrumento musical.

- Vamos, soldados! Apressem-se! – ele gritava – Sou o monstro Uta () e tenho pressa em destruir este mundo.

Os Kardler, tão disfarçadamente quanto possível, instalavam em pontos específicos da cidade um grande número de equipamentos similares a caixas de som. Eram, na verdade, amplificadores. Dezenas de caminhões circulavam as ruas de Brazilian Tokyo levando as enormes caixas acústicas. Ao menos duas delas passaram perto de onde Grey estava. Mas ele sequer percebeu.

- Mais algumas poucas horas e iniciaremos! – o monstro disse a si mesmo.

***

Um bairro abastado da região norte de Brazilian Tokyo. Chairo caminhava atentamente, procurando algum tipo de movimentação suspeita. Alguns minutos de observação e percebeu a presença de um caminhão suspeito. Começou a perseguí-lo e logo viu soldados Kardler movendo-se em sua direção. A batalha então teve início.

- Mestre Jacoh! – ele tentou contato – Soldados Kardler em um caminhão suspeito na região de Nakamura. Peça ao pessoal para vir.

Os soldados foram caindo rapidamente, mas o caminhão não pôde ser alcançado. Os demais heróis lá chegaram em poucos minutos, exceto Grey. Nenhum deles encontrou qualquer veículo parecido com a descrição dada por Chairo.

***

- Vamos começar! – era o monstro Uta.

A criatura começou a emitir um som estranho, que logo foi se tornando uma melodia insuportável. A canção maldita percorria o ar atingindo todos os amplificadores espalhados pela cidade. Em poucos minutos, todos os ouvidos de Brazilian Tokyo estavam sendo alvo da melodia das trevas.
À medida que as pessoas escutavam a canção demoníaca, seus sistemas nervosos entravam em colapso, fazendo todos ficarem loucos e vagarem sem rumo pelas ruas, como zumbis. Inconscientes, robóticos, tal qual autômatos desgovernados.
E a melodia seguia. Os soldados Kardler já se preparavam para levar novos amplificadores a cidades próximas e aumentar o número de vítimas. Mais cedo ou mais tarde, todo o país entraria em colapso.

***

Grey gritou em profundo desespero quando viu sua amada Thalita pôr as mãos em sua cabeça e começar a se debater. O som desagradável que chegava parecia o responsável. A melodia não afetava o Jacohranger, mas o mesmo não ocorria com sua colega. Inclusive, dezenas de outras pessoas próximas pareciam estar na mesma situação.

- Jacoh Change!

O Jacohranger cinza correu até o local de onde o som maldito parecia vir, pois sabia que apenas detendo a origem da melodia poderia libertar as pessoas daquele transe. Encontrou a dezenas de metros dali um tipo de “caixa de som” que amplificava aquela canção. Com sua pistola, destruiu completamente o equipamento.
Mas a melodia infernal ainda continuava sendo emitida, pois havia centenas de outros equipamentos de amplificação similares. Além disso, alguém deveria estar cantando aquela canção. E quem quer que fosse, deveria ser encontrado e destruído.

***

Os Jacohrangers combatiam soldados Kardler, destruíam amplificadores, explodiam caminhões e tentavam acudir as pessoas que se debatiam em transe. Então, veio a mensagem do Mestre Jacoh.

- Localizei o monstro que está provocando tudo isto.

Sabendo onde procurar, os heróis partiram imediatamente para aquele ponto da cidade. No caminho, encontraram Grey, o Jacohranger cinza.

- Desculpem-me, amigos. Estive tão concentrado com outra coisa que acabei não percebendo que havia algo errado. E o pior é que agora alguém que eu gosto está sofrendo.
- Está apaixonado, Grey? – Daira era direta.
- Depois falamos disto! – era Hitomi.

Os cinco, reunidos, seguiram rumo ao monstro. Foram interceptados várias vezes por soldados Kardler e pararam para combatê-los. Em menos de uma hora, finalmente encontraram a criatura, que seguia emitindo um canto infernal.

- Pare agora! – Chairo bradou.
- Não me deterão, Jacohrangers!

E a batalha começou.

***

Imunes ao terrível som, os Jacohrangers combatiam e iam derrotando sem grande esforço o monstro Uta. As pistolas e espadas iam talhando e explodindo partes do corpo da criatura, que não parecia ter forças para reagir.

- Jacoh Cannon!

Uta foi reduzido a cinzas. Mas não tardou para que fosse reconstruído graças a um raio maligno do Império Akkuma. A criatura de mais cinqüenta metros de altura começou a se dirigir até os Jacohrangers, que invocaram o Densetsu Robotto.

Mas ele não veio.

- Por que o Densetsu Robotto não vem? – Hitomi perguntou.
- Eu não sei! – a voz de Chairo era puro desespero.

Uta já estava suficientemente próximo para começar a causar estragos. E o robô gigante não vinha, apesar dos insistentes chamados dos Jacohrangers.

- Mestre Jacoh, por que o Densetsu Robotto não vem? – o herói marrom tentou a comunicação – O que está acontecendo?
- Mestre, por favor, responda! – era Daira.
- Sou eu que não deixei o Densetsu Robotto partir. Não vou deixar que ele lute desta vez.
  つづく
NO PRÓXIMO CAPÍTULO DE JACOHRANGERS:

Por que o Mestre Jacoh não quer que o Densetsu Robotto lute? O ataque de Uta se revelou um ardil do Império Akkuma. Não percam no próximo domingo:


EPISÓDIO 19 – A JUSTIÇA PERDEU.

Nenhum comentário:

Postar um comentário