Jacohrangers

Jacohrangers

domingo, 22 de dezembro de 2013

EPISÓDIO 27 - BRAZILIAN TOKYO EM PERIGO! O ATAQUE DE GOUKI


EPISÓDIO 27 – BRAZILIAN TOKYO EM PERIGO! O ATAQUE DE GOUKI!

NO CAPÍTULO ANTERIOR DE JACOHRANGERS:

- FERIDOS PELOS DADOS ENVENENADOS DO MONSTRO MAGATSU, OS JACOHRANGERS NÃO PODEM AJUDAR DAIRA, QUE TRAVA SOZINHA UMA VIOLNETA BATALHA CONTRA ARAMUKI.
- MISUDAN SURGE, TRAZENDO COM ELE O CORPO DESMAIADO DO MESTRE JACOH, QUE NÃO PÔDE BUSCAR O LÍQUIDO MÁGICO QUE CURARÁ OS FERIDOS.

O QUE IRÁ ACONTECER?

- Parece que você não esperava por isso – Misudan gargalhou – E será exatamente isto que condenará vocês e seu planeta medíocre. A falta de inteligência. Vocês até têm um poder considerável, suficiente, talvez, para ameaçar os planos de conquista do Império Akkuma. Mas apenas isto. São precipitados. Estúpidos. Não pensam que há um motivo muito claro e bem definido para cada ataque nosso.
- E chegou a hora de pagarem por isso – Aramuki complementou.

Os dois vilões caminharam em direção à enfraquecida Jacohranger laranja. As forças dela já estavam assustadoramente próximas do fim. Não conseguiria combater dois inimigos, ainda que Aramuki também estivesse terrivelmente ferido.
No chão, Mestre Jacoh continuava inconscientemente. Era possível ver sua respiração, ainda vivia, não estava ferido o bastante para seu estado ser considerado preocupante, mas estava fora de ação. Não poderia ajudar Daira. A missão de conseguir a cura para os envenenados pelo monstro Magatsu tinha falhado.

- Hora de morrer, heroína patética! – disse Misudan.

Antes que o guerreiro do “flagelo do universo” desferisse o golpe final, seu peito explodiu com a força das rajadas que recebeu. Vários feixes de energia o golpearam, obrigando-o a recuar. Aramuki virou o olhar e deparou-se com algo que, por longos segundos, não acreditou ser possível.

- Vocês? Não é possível!

***

Eram os outros quatro Jacohrangers. Chairo, Grey, Murana e Hitomi. Transformados, disparando nos inimigos com suas pistolas. Pareciam fortes, totalmente recuperados de qualquer ferimento anterior. Quem os via não imaginava que tinham sido envenenados em uma batalha recente.

Porque não tinham sido.

- Acham que só vocês são inteligentes? – o Jacohrangers marrom disse, sorrindo – Só vocês têm capacidade para elaborar estratégias? O resto do universo é burro?
- Burros são vocês! – bradou Murana – Não subestimem a Terra.
- Não subestimem nossa inteligência! – disse Grey.
- Não subestimem os Jacohrangers! – era Hitomi!

O herói cinza e a púrpura foram socorrer o Mestre Jacoh, que já ia aos poucos recuperando a consciência. O flagelo do universo chegou a recuar alguns passos. Eles, definitivamente, não contavam com aquilo.

- Vocês deviam estar feridos e mortalmente enfraquecidos – disse Aramuki – Como já estão melhores? Expliquem-se!
- Não lhe devemos satisfações, seu desgraçado, mas vou lhe contar mesmo assim. Assim como Daira, nós também fingimos ter sido atingidos, mas não fomos. Aproveitamos enquanto Misudan trazia o corpo desmaiado do Mestre Jacoh para irmos buscar o líquido que curará o envenenamento. Líquido este que já colocamos em nossa nave, e já a programamos para ir até onde estão as pessoas adoecidas.
- Parabéns! – era Misudan – Realmente, conseguiram nos enganar.
- E já que vocês já estão curados – Aramuki complementou – não há por que continuarmos aqui.
- Esperem! – Chairo gritou – Vamos travar logo a batalha derradeira!
- Agora não é o momento – os dois vilões responderam quase ao mesmo tempo – Mas lembrem-se: vocês ainda não venceram. E não se julguem tão inteligentes, pois ainda temos uma refém conosco. É bom que não se esqueçam disso.

E, usando algum tipo de subterfúgio mágico, fugiram.

***

Estavam todos no quartel-general do grupo. As pessoas feridas pelo monstro Magatsu já haviam sido curadas por Haori, que fazia companhia aos novos amigos. Mestre Jacoh ainda convalescia dos graves ferimentos que sofrera, mas não lamentava por aquilo. No final, cumpriram a missão.
Em dado momento, após o silêncio ficar mais duradouro que o normal, Chairo se afastou dos demais sem nada dizer. Daira e Murana se entreolharam e pensaram a mesma coisa. Certamente, as últimas palavras de Misudan eram as responsáveis pela aflição do Jacohranger marrom.
Daira não comentou com seus amigos, mas ela também se lembrava muito bem das palavras assustadoras de Aramuki quando lutou sozinha contra ele. O flagelo do universo já tinha feito – e continuaria fazendo – coisas horríveis, atrocidades inimagináveis. Fariam o que fosse preciso para vencer, não importando o sofrimento de muitos povos e as mortes de milhões de pessoas. Eram covardes, genocidas, pérfidos e demoníacos ao extremo. Mestre Jacoh tinha razão quando lhes tinha dito, no começo da missão do grupo, que eles enfrentariam o maior desafio de todos.

- O alarme... – a voz do Mestre Jacoh era monocórdia.

Um ataque. Gigantesco. Um monstro colossal golpeava sem piedade prédios do centro de Brazilian Tokyo. Pessoas fugiam desesperadas. Certamente, havia vítimas. O ser que atacava era desconhecido para os heróis, mas não para o Mestre Jacoh.

- É o Imperador Gouki... – ele balbuciou.
- Não temos tempo a perder! – Hitomi gritou.
- Jacoh Change!

Partiram.

***

O Robô Cruzador chegou ao “campo de batalha” e sua primeira providência foi tentar levar o inimigo para um local desabitado. Até conseguiu, mas assim que chegaram à fronteira da cidade, a máquina de batalha dos heróis não conseguiu mais conter o vilão e foi atingida.
O Imperador parecia uma forma de vida alternativa, uma grotesca criatura de formato parcialmente humanóide, mas dotado de garras, chifres e cauda, além de ter toda a pele revestida por uma grossa camada de escamas indestrutíveis. Nas mãos, uma espada de lâmina dupla. De seus olhos rubros, constantes raios poderosos o bastante para destruírem uma montanha.

Maldito! – Chairo bradou – Não vai nos intimidar!

A Super Espada Espacial surgiu. As lâminas gigantescas começaram a se chocar em uma dança de morte e violência. Faíscas e chispas caíam sobre aqueles campos desabitados gerando focos de pequenos incêndios.
O Imperador maligno era mais veloz. Apesar do corpanzil, desproporcional e aparentemente mais pesado, movia-se de tal forma a se defender sem grande esforço dos ataques do Robô Cruzador. Mais que isso: desferia violentos golpes na máquina de batalha dos Jacohrangers, gerando várias explosões.

- Deste jeito, perderemos! – Murana gritou.
- Não! Não vamos perder! – o herói marrom respondeu aos berros.

Segurando os controles do robô com mais determinação, Chairo tentou um contra-ataque. Conseguiu acertar Gouki por duas vezes. Porém em ambas a Super Espada Espacial resvalou na couraça do vilão sem lhe causar dano algum.
Então veio o contragolpe. Raios violentos foram emitidos, levando o Robô Cruzador ao chão. Golpes ferozes de espada danificaram a máquina de batalha dos heróis.

- Vamos arriscar tudo! – Chairo gritou.

Juntando a pouca força que restava, os heróis afastaram o Robô Cruzador do Imperador maligno e invocaram o mais poderoso ataque que tinham.

- É agora! Flash Sagrado do Cosmos!

Gouki foi arremessado para trás violentamente, tombando e gerando uma imensa explosão. Poeira se ergueu e mais incêndios tiveram início. Quando foi possível olhar novamente para o vilão, os Jacohrangers puderam ver. E ficaram aterrorizados. Ele ainda não tinha sido derrotado.

NO PRÓXIMO EPISÓDIO DE JACOHRANGERS:

O caos causado pelo ataque do Imperador transforma Brazilian Tokyo em um inferno. O que poderão os Jacohrangers fazer? Não percam no próximo domingo:


EPISÓDIO 28 – INIMIGO INVENCÍVEL

Nenhum comentário:

Postar um comentário