Jacohrangers

Jacohrangers

domingo, 29 de dezembro de 2013

EPISÓDIO 28 - INIMIGO INVENCÍVEL


EPISÓDIO 28 – INIMIGO INVENCÍVEL

NO CAPÍTULO ANTERIOR DE JACOHRANGERS:

- OS JACOHRANGERS ENGANARAM O FLAGELO DO UNIVERSO, CONSEGUINDO A CURA QUE PRECISAVAM PARA OS FERIMENTOS PROVOCADOS PELO MONSTRO MAGATSU.
- INESPERADAMENTE, O CRUEL IMPERADOR GOUKI INICIOU UM ATAQUE DEVASTADOR À BRAZILIAN TOKYO. NEM MESMO O “FLASH SAGRADO DOS COSMOS” FOI CAPAZ DE DESTRUÍ-LO.

O QUE IRÁ ACONTECER?

Era possível ver inúmeras ruas em chamas. Pessoas corriam desesperadas, olhando para trás e lamentando por seus lares destruídos. Outras, em situação infinitamente mais triste, choravam as perdas de entes queridos mortos naquele inferno. Policiais, ambulâncias e demais autoridades realizavam um esforço conjunto para minimizar as perdas – não só as materiais, mas também as humanas –, embora no fundo soubessem que tudo aquilo só adiantaria se os Jacohrangers vencessem.
Cordões de isolamento foram improvisados. Houve uma grande mobilização por parte da população, oferecendo abrigo àqueles que perderam suas casas e transporte aos feridos que não podiam ser atendidos ali. As proximidades do campo de batalha entre o Robô Cruzador e Imperador Gouki foram completamente evacuados. Ainda havia rastros de destruição no centro, onde o ataque tinha começado, o que obrigava as autoridades a dividirem suas atenções. Já havia um plano de evacuação da cidade caso o pior acontecesse.

Mas ninguém queria pensar naquela possibilidade.

A batalha seguia, mas não havia olhares curiosos. De muito longe, uns poucos mais otimistas gritavam palavras de incentivo aos heróis, alguns no idioma japonês mesmo – diziam “Ganbatte!”. No entanto a grande maioria apenas se afastava e torcia pelos Jacohrangers.

- Há vidas lá fora! – Chairo gritava mais consigo mesmo que com seus colegas – Vidas inocentes que torcem por nós, que contam conosco! Vidas que precisam de nós! Não podemos perder!
- Este maldito é poderoso demais! – Daira praguejou, dando um soco em seu painel de controle.
- Vamos tentar mais uma vez! – o Jacohranger marrom disse – E vamos liberar junto a nossa energia. Vamos canalizar toda a força que nós cinco temos e dispará-la junto. E vamos derrotar este maldito!
- Vamos! – a resposta veio em uníssono.
- Flash Sagrado do Cosmos!

Foram poucos segundos nos quais muita coisa passou pela cabeça dos heróis. Eles lembraram-se das palavras do Mestre Jacoh quando tiveram seu primeiro contato. A explicação sobre a origem de seus poderes... A força misteriosa oriunda do próprio planeta Terra em resposta à maldade dos invasores. Um poder quase infinito que eles poderiam dominar e usar para o bem dependendo apenas da força de seus próprios corações.
Com toda a esperança e vontade de vencer que tinham, cada um dos cinco Jacohrangers liberou sua energia, somando-se ao grande poder do Flash Sagrado do Cosmos. A onda de destruição avançou veloz e violenta em direção ao Imperador Gouki, parando apenas quando o atingiu em cheio, gerando outra imensa explosão.
Em seguida, foi possível ver a lâmina maligna do vilão partida ao meio – na certa ele a tinha usado para tentar deter o ataque dos heróis. A criatura ofegava e sangrava, terrivelmente ferida.

Mas ainda viva.

- Vamos usar o Flash Sagrado de novo! – era Chairo.
- Espere! – Hitomi o deteve – Olhe.

Os heróis viram Gouki se desmaterializando aos poucos, em uma espécie de teletransporte. Aparentemente, o vilão fora muito enfraquecido pelo golpe dos Jacohrangers e optou por recuar, adiando a batalha a final. Algo, inclusive, que o “flagelo do universo” também já havia feito.

Haveria algum motivo para aquilo?

***

O ataque do Império Akkuma tinha sido contido, mas não havia muito a se comemorar. Dados oficiais da polícia davam conta que mais de setenta pessoas tinham falecido. Aquela informação fez o sangue de cada um dos Jacohrangers gelar. Havia outros dados, como o número de desabrigados, um prejuízo financeiro estimado em milhões de ienes e a quantidade de pessoas desaparecidas, mas nada daquilo importava.

Dezenas haviam morrido e os heróis não foram capazes de evitar.

- E para que estamos lutando, então? – Chairo esbravejou, às lágrimas, após a tentativa de consolo vindo de Daira – Para que servimos? Falhamos! Falhamos miseravelmente! Somos uns inúteis.
- Chairo, por favor! – a Jacohranger laranja também chorava – Fizemos o possível.
- Vá dizer isso às famílias enlutadas. Vá dizer isso às mães que choram agora sobre os caixões dos filhos.
- Não precisa gritar com ela, Chairo! – Murana se interpôs – Daira só está tentando fazer você se sentir melhor.
- Eu sei! – ele abaixou o tom de voz, chorando ainda mais – Mas me responda, Murana: e se isto acontecer de novo? Eu não vou suportar a dor de ver mais pessoas morrendo, de saber que elas não sobreviveram por minha culpa.
- A culpa não é sua e você sabe disso! – a heroína púrpura gritou.
- Está que passemos o resto da vida dentro do Robô Cruzador? Sob o menor sinal de ataque, eliminamos a ameaça do próximo monstro gigante e ninguém se fere? – Hitomi parecia a mais calma – Nós estamos fazendo o possível, Chairo. Vencer o Império Akkuma é algo que ninguém no universo chegou perto de conseguir fazer. Você fala como se não tivéssemos sido capazes de fazer algo extremamente fácil.
- O que você diz é muito bonito na teoria. Mas na prática, Hitomi, eu sou o líder deste grupo e tenho, sim, toda a responsabilidade sobre estas vidas que se perderam.
- Chairo, por favor, entenda. Mestre Jacoh me contou uma vez que o Império Akkuma é o mais poderoso de todo universo. E quem nos atacou diretamente foi simplesmente o próprio Imperador Gouki. Entenda que é um verdadeiro milagre que o Sistema Solar inteiro não tenha sido destruído.
- Veja, Chairo – era Grey, lutando contra a vontade de permanecer calado – Os maiores focos de incêndio já foram controlados.
- Conversei com as autoridades – Mestre Jacoh também tomou parte na conversa – Há uma verba já previamente destinada para a reconstrução das áreas mais afetadas, além de um programa específico para o atendimento emergencial das famílias desabrigadas. Fora isso, também já está em andamento um complexo sistema de tubulação que em poucos minutos poderá levar toda a população para abrigos subterrâneos. Em um próximo ataque, isto pode ser providencial para minimizar o número de vítimas.
- Nenhum de vocês entende, não é? – Chairo disse.

E simplesmente se afastou de seus amigos.

***

- É a primeira vez que Chairo viu mortes de pessoas inocentes – era o Mestre Jacoh reunido com todos os demais Jacohrangers – É a primeira vez que ele viu o que pode acontecer com a menina que ele tanto ama e que segue em poder dos inimigos. O sentimento de inconformismo dele é algo natural. Mas ele precisa transformar isto em forças para lutar. Não podemos trazer de volta as pessoas que morreram, mas podemos proteger milhares de outras e ainda vingar aquelas que se foram. Façam-no entender isto. Ajudem-no a fazer esta revolta se transformar em um poder ainda maior. Por favor.

Haori chamou Mestre Jacoh para conversar a sós. Nenhum dos outros teve interesse naquilo. Em verdade, ainda estavam um pouco feridos e preferiram descansar. Um pouco mais tarde, Chairo chamou Hitomi para conversar. Anoitecia, e apenas os dois estavam naquele recinto.

- Eu quero que você me ajude. Por favor.
- Claro, Chairo. O que você precisa que eu faça.
- Um treinamento. Vou iniciar um treinamento. Se os outros se interessarem, eles poderão participar também.
- Treinamento? Que tipo de treinamento?
- Vou treinar minhas habilidades, e quero que você me ajude. Quero ficar o mais forte possível o quanto antes. Quero derrotar o quanto antes o Império Akkuma. Conto com você?
- Claro! Tenho certeza que os outros também irão gostar da idéia.
- Ótimo. Muito obrigado, Hitomi. Começamos amanhã então.

E foram dormir.

NO PRÓXIMO CAPÍTULO DE JACOHRANGERS:

Um novo monstro está transformando as pessoas em soldados Kardler. Murana acaba sendo atingida também e se volta contra os Jacohrangers. O que os heróis farão? Não percam no próximo domingo:


EPISÓDIO 29 – O LADO MALIGNO DA JACOHRANGER PÚRPURA

Nenhum comentário:

Postar um comentário