Jacohrangers

Jacohrangers

domingo, 23 de março de 2014

EPISÓDIO 39 - CAOS! OS VILÕES REVIVEM




NO CAPÍTULO ANTERIOR DE JACOHRANGERS:

- OS JACOHRANGERS E O FLAGELO DO UNIVERSO TRAVAM UM COMBATE VIOLENTÍSSIMO: A VERDADEIRA BATALHA FINAL.
- APESAR DE TODO O ESFORÇO DOS HERÓIS, O INIMIGO É PODEROSO DEMAIS E DERROTA OS JACOHRANGERS. ANTES QUE O PIOR ACONTEÇA, O MESTRE JACOH SURGE E USA O RAIO DE TRAÇÃO DA NAVE PARA FUGIR JUNTO COM OS HERÓIS, ADIANDO MAIS UMA VEZ A BATALHA VERDADEIRA.

O QUE IRÁ ACONTECER?

Chairo e Hitomi eram desolação. Murana e Daira choravam. Grey estava silencioso, os olhos expressando frustração, os punhos agredindo um saco de areia, como se lá estivesse o rosto do inimigo. Haori estava quase perdendo a consciência – era a mais ferida.
O Mestre Jacoh tomava todas as providências para deixar os jovens prontos o quanto antes para a nova batalha – que certamente não tardaria a acontecer. Os corpos seriam recuperados através do uso de toda a tecnologia de que os heróis dispunham.  Os corações seriam curados tão logo o mestre pudesse conversar com todos juntos.
- Eu vou cuidar dos ferimentos da Haori – era Hitomi.
- Chairo, o que vamos fazer? – Murana perguntou.
A resposta foi um semblante cheio de lágrimas, vazio de respostas. Um punho se cerrou, mas não foi com a força costumeira. Os olhos se fecharam, as palavras não saíram. O Jacohranger marrom, definitivamente, não sabia o que responder.
- Nós não iremos perder! – era Grey, tomando parte na conversa sem ser chamado.
- A terra está sendo destruída. Ela foi afastada de sua órbita. Os meteorologistas estimam mais umas dez horas de vida no planeta – era Daira, em lágrimas – Será que não há nada que possamos fazer? Mestre Jacoh! Mestre Jacoh, por favor diga que ainda não perdemos. Diga que ainda não acabou.
O mestre chegou a eles. Haori e Hitomi também próximas, feridas o bastante para não terem condições imediatas de voltar a um combate, mas ainda lúcidas o suficiente para não deixarem de ouvir aquilo.
- A batalha apenas começou, pessoal – era o Mestre Jacoh – Levantem suas cabeças, enxuguem suas lágrimas. Pois a Terra ainda pode, e vai ser, salva.

***

- Há uma forma de salvar a Terra da catástrofe. Estou terminando as últimas verificações para lhes passar as informações precisas. Em menos de uma hora, vocês já saberão exatamente o que precisam fazer para que a Terra volte à sua órbita e não seja devastada.
- E quanto ao flagelo do universo? – era Daira.
- Como podemos vencê-los? – perguntou Hitomi.
- A resposta está dentro do coração de vocês! – o mestre foi seco.
- Não há coração que nos faça vencê-los – Chairo gritou – Aqueles desgraçados são fortes demais. Demais!
O soco desferido pelo mestre fez o Jacohranger marrom ir ao chão.
- Idiota! Será que ainda não entendeu?
- Talvez, eu não sirva para ser um Jacohranger – ele disse, levantando-se com o lábio inferior sangrando.
Veio outro soco do mestre, ainda mais feroz. Chairo foi outra vez ao chão. Os demais heróis contemplaram tudo aquilo pasmos.
- Sua querida Aline ficaria orgulhosa me ver você se fazendo de vítima justamente quando a Terra mais precisa de coragem. Esconda-se debaixo da cama se estiver com medo, mas ao menos se cale e não tire o ânimo dos seus amigos. Eles lutarão em seu lugar caso você não seja homem suficiente para travara a batalha final.
Houve o silêncio da estupefação e alguns minutos de reflexão muda. Olhares foram trocados com discrição, até todos se voltarem ao Mestre Jacoh. Ficava claro que ele ainda tinha algo importante a dizer.
- Vocês chegaram até onde chegaram, atingiram o que atingiram, apenas e tão somente graças à coragem que tinham em seus corações. Se suas coragens diminuem quando o inimigo mostra grandes poderes, o verdadeiro inimigo passa a ser não o oponente, mas sim seus próprios corações. Perguntem a si mesmos por que estão com medo! Olhem para dentro de si com esperança, lembrando sempre das pessoas que dependem de vocês para terem um amanhã, e vocês encontraram o poder que precisam.
- Mestre... – todos disseram quase ao mesmo tempo.
- Vou dizer de novo: não importa a força de seus adversários. O coração que realmente acredita não tem limites. O poder de vocês só terá limites se vocês quiserem que tenha. Lutem com coragem, que a vitória virá.
As lágrimas voltavam, encharcando todos os rostos, mas agora a emoção era outra. Devia ser a coragem tão necessária que aflorava de maneira brusca.
O Mestre já providenciava uma cura parcial para os ferimentos de todos quando o alarme tocou. Brazilian Tokyo estava sob ataque. Rostos e vozes conhecidas mandavam uma mensagem aos Jacohrangers.
- Já que este mundo vai ser mesmo destruído em poucas horas – era Misudan – vou poupar o povo desta cidade de sofrer, eliminando-os antes.
- Vejam como somos bondosos, Jacohrangers! – Garak gargalhou.
- Deviam nos agradecer – era Aramuki.
Junto deles, rostos inacreditavelmente conhecidos. Rarpoth, o Feiticeiro Imperial, Ghitta e vários monstros já derrotados. Todos juntos, iniciando um impiedoso ataque contra o centro da cidade.
- Desgraçados! –era o Mestre Jacoh – Usaram o sangue de vocês em um ritual que ressuscitou a maioria dos vilões que vocês já tinham vencido. Parece que a coragem de vocês será posta à prova antes do que imaginávamos.
Chairo deu um passo à frente e chamou a atenção de todos.
- Pessoal, não importa o estado físico de nossos corpos. Não vamos perder. Encontraremos em nossos corações a força necessária. Vamos lutar com todas as nossas forças e salvar nosso planeta!
- Vamos! – Hitomi gritou.
- Jacoh Change! – todos bradaram ao mesmo tempo.
E partiram lutar mais uma vez.

***

O caos estava instaurado em Brazilian Tokyo. Vítimas fatais se amontoavam sobre as calçadas do centro. Casas, prédios e diversas construções eram escombros. Pessoas corriam e gritavam, mantendo-se vivas apenas devido ao prazer que seus algozes sentiam em seu desespero. Uma moça grávida estava prestes a ser assassinada por Rarpoth, quando a pistola de Grey atingiu o feiticeiro.
- Não vamos permitir que causem mais destruição e desespero. Os Jacohrangers acabarão com todo o mal que há nesta Terra. Preparem-se, covardes! – era Grey.
Por algum motivo, o flagelo do universo desapareceu em um teletransporte místico. Rarpoth, Feiticeiro Imperial, Ghitta e outros seis monstros já derrotados permaneceram. Havia também algumas dezenas de soldados Kardler. A sede de sangue não lhes permitiu dizer nada.
As espadas de Grey e Murana foram dando cabo dos soldados sem grande esforço. Chairo combatia Ghitta e Rarpoth. A pistola de Daira se ocupava do Feiticeiro Imperial, muito embora ele se protegesse com seus subterfúgios arcanos. Hitomi e Haori enfrentavam os monstros. Os transeuntes das proximidades corriam para os abrigos subterrâneos. Já tinham esperança novamente.
Com a derrota dos Kardler, o Jacohranger cinza e a púrpura foram ajudar a heroína bege e a prateada contra os monstros. Combinaram o poder de suas lâminas para destruírem um, com a força de suas pistolas deram cabo de outros dois, e dizimaram os três restantes com o Jacoh Cannon.
A Jacohranger laranja tinha dificuldades contra o Feiticeiro Imperial, que lançava encantamentos estranhos que enfraqueciam a heroína. Chairo feriu seriamente Ghitta, mas foi terrivelmente golpeado por Rarpoth. Os outros quatro heróis se dividiram para ajudar os colegas, e logo a batalha teve uma nova configuração.
Os relâmpagos começavam a se intensificar. O Feiticeiro Imperial usou sua magia para direcionar vários contra os Jacohrangers. A batalha ficava cada vez mais dramática.

NO PRÓXIMO CAPÍTULO DE JACOHRANGERS:

A batalha segue, mas não há mais tempo. Quem vencerá? Não percam no próximo domingo:

EPISÓDIO 40 – CONTAGEM REGRESSIVA PARA A DESTRUIÇÃO

Nenhum comentário:

Postar um comentário