Jacohrangers

Jacohrangers

domingo, 31 de agosto de 2014

EPISÓDIO 08 - PROTEJAM A LIBERDADE DO POVO DA TERRA

EPISÓDIO 08 – PROTEJAM A LIBERDADE DO POVO DA TERRA

地球人の自由を守って

- Acho que já ficou claro que esse poder é o poder que precisamos – Satoshi dizia, com dificuldades – Já podemos parar de fingir estarmos sendo atingidos por ele.
- O quê?
Satoshi e Keiko levantaram-se. Lentamente, um tanto quanto feridos e abalados pelo poder do talismã. Mas não o bastante para serem subjugados. Ainda tinham condições de seguir lutando.
- Não dependeremos mais do Príncipe ALPHA.
- Não, Satoshi – Keiko sorriu – Protegeremos a Terra com nossas próprias mãos. Entregue-nos o talismã. Já que não quer dizer seu nome, entregue-nos seu talismã.
- Neste momento, Netsuzon está capturando mais e mais terráqueos. Neste momento, mais e mais integrantes da família real da civilização ALPHA se aproximam da Terra. Neste momento, mais do que em qualquer outro, seu planeta corre perigo.
- Nada que não saibamos! – Satoshi rebateu de chofre.
- Vou lhes mostrar.
Um brilho misterioso surgiu. Os dois Jacohrangers ALPHA tiveram as visões ofuscadas, mas não houve tempo para cobrir os olhos. Sem que pudessem evitar, foram aprisionados em uma misteriosa alucinação mágica.

***

Só podiam ver, e o que viam assustava. Gritavam, se debatiam praguejavam contra as cenas, contra a vilania, choravam pelas vítimas, mas os corpos não respondiam. A força de vontade ali não tinha valor – não havia como impedir aquilo, não havia formas de acabar com a injustiça.
Castelos que faziam arranha-céus parecerem pequenos se acumulavam lado a lado, revestido de ouro e brilhantes. Um trono gigantesco, feito do que de mais luxuoso existia no universo abrigava alguém. Sob as sombras das muralhas dos palácios, famílias, povos acorrentados aos milhares carregavam materiais de construção sob açoites ferozes. Os que caíam ou se cansavam eram punidos com violência mortal. O som dos estalos só se comparava à cacofonia de gritos e choro não contido.
Nobres alienígenas, sentados em seus assentos eram abanados por plumas e eram servidos em suas mais fúteis vaidades. Havia um coro de escravas seminuas em reverência incessante a seus senhores, adorando-os de diversas formas.
Rebeldes eram enforcados, e aquilo parecia absolutamente corriqueiro. Havia um respeito infinito mesclado ao medo por parte dos subjugados. Os senhores caminhavam sob o tapete vermelho do sangue dos servos chicoteados, enquanto palácios e maravilhas arquitetônicas eram erigias em glória aos conquistadores.
Havia lamentos de fome recebidos com desprezo por parte dos que detinham o poder, e havia também o desespero daqueles que eram castigados por terem manifestado a fome – deviam sofrer em silêncio, aceitando com humildade a condição de escravos.
Aquela era a Terra – ou seria a terra se a civilização ALPHA vencesse. Satoshi e Keiko sabiam. Não que tivessem dúvidas, mas agora ficava claro que a derrota não era uma possibilidade aceitável. Sob nenhuma circunstância.
Voltaram ao normal.
- Entregarei o primeiro talismã a vocês – o homem disse – Até por isso não significar muito, já que precisarão encontrar os outros por si mesmos. Mas espero que tenham entendido o que espera por seu planeta se não unirem suas forças. Ou acham que não sei que cada um de vocês têm seus próprios objetivos?
O ALPHA Red e a ALPHA Pink se olharam.
- Defender seu planeta deve ser a prioridade de vocês. E antes que me perguntem, meu nome é Hereuz.
Entregou o talismã a Keiko e desapareceu.

***

Haruto e Takeshi uma manobra de ataque que consistia em um movimento sincronizado, que reduzia as possibilidades de defesa do inimigo, e aumentava o estrago produzido. Naomi disparou com sua pistola, aproveitando-se da fragilidade do monstro ferido, causando-lhe mais dano.
Vieram mais e mais ataques, com Tsuragoron sendo golpeado e Garagon observando um pouco mais distante. As espadas rasgaram, os lasers destruíram, e logo o monstro maligno estava no chão.
- ALPHA Cannon! – todos gritaram em uníssono.
Tsuragoron explodiu. Garagon apenas afastou-se, voltando-se até onde Netsuzon observava a batalha. O monstro derrotado renasceu com um corpanzil de mais de cinquenta metros de altura, não restando aos Jacohrangers outra escolha a não ser combatê-lo novamente.
As máquinas de batalha ALPHA chegaram, e logo os Jacohranger entraram dentro delas. Os veículos operados por Satoshi e Keiko moviam-se automaticamente, como uma bem-vinda opção para o caso da ausência deles. Infelizmente, aquilo reduzia potencialmente o poder de combate das máquinas.
- ALPHA Gattai ! – todos gritaram, e logo o ALPHA Oh estava formado.
O Laser ALPHA e o Míssil ALPHA enfraqueceram Tsuragoron, que quase foi ao chão.
- Maldito, Netsuzon – disse Haruto, ao ver que o vilão seguia aprisionando mais e mais pessoas.
- Não se desconcentre – Takeshi gritou.
O ALPHA Robô seguiu disparando e esmurrando o monstro inimigo. A criatura foi ao chão duas vezes, mas se levantou em seguida. Todas as tentativas de contra-ataque do inimigo falharam.
- Hora do golpe final! – ele gritaram.
- ALPHA Crush! – Haruto desferiu o golpe final, fazendo Tsuragoron explodir de forma definitiva.

***

Algum tipo de força mágica misteriosa ou algo do gênero. O fato é que os Jacohrangers ALPHA foram repelidos daquele lugar, e encontraram uma espécie de barreira invisível que não conseguiam transpor quando tentaram voltar. Apesar de todos os seus esforços, não havia como acessarem aquela área.
Aquelas pessoas permaneceriam presas e escravizadas por algum tempo. A frustração tomava conta dos três, quando Satoshi e Keiko chegaram até eles.
- Conseguimos o primeiro talismã – o ALPHA Red disse.
- Isso é ótimo – Naomi sorriu – Talvez com o poder dele possamos quebrar essa barreira.
- Barreira? – Keiko não sabia a que se referiam.
Os cinco conversaram brevemente sobre os últimos acontecimentos. Inteirados de tudo, poderiam finalmente decidir o que fazer.
- A prioridade é salvar aquelas pessoas e destruir Netsuzon! – Satoshi disse.
- Se possível, também destruir a tal “capital” que eles pretendem construir – Haruto complementou.
“Vocês devem voltar.”.
A mensagem telepática vinha do Príncipe ALPHA.
“Precisamos discutir algo importante. É urgente.”.
Satoshi cerrou os punhos. Takeshi hesitou, Keiko balançou a cabeça em negativa, mas só Naomi se atreveu a responder.
- Não podemos. Precisamos ir salvar as pessoas que são mantidas como escravas por Netsuzon.
- Se não vierem logo, mais pessoas serão escravizadas. Precisam vir aqui primeiro, ou não terão forças para salvar ninguém.
- Podemos nos dividir! – era Haruto – Metade vai conversar com o Príncipe, e a outra metade...
- Não, não podemos! Satoshi interrompeu.

NO PRÓXIMO EPISÓDIO DE JACOHRANGERS:

Os heróis não se entendem e discutem. Garagon ataca a cidade, destruindo instalações militares. Alguns segredos dos Jacohrangers são revelados, e muitos outros são escondidos. Não percam no próximo domingo:


EPISÓDIO 09 – A DESUNIÃO DOS JACOHRANGERS!

domingo, 24 de agosto de 2014

EPISÓDIO 07 - O PODER DESCONHECIDO DO TALISMÃ

EPISÓDIO 07 – O PODER DESCONHECIDO DO TALISMÃ

護符の知らないパワー

O Príncipe ALPHA sumiu em um teleporte. Foi possível ver uma mescla de ódio com preocupação em seu semblante no último momento.
Keiko, a ALPHA Pink, e Satoshi, o ALPHA Red estavam frente a frente com o homem misterioso. Ouviram tudo que ele havia dito, refletiram meio que às pressas sobre todas aquelas informações. Parecia que obter um daqueles talismãs era uma forma de adquirir uma fonte de poder que não dependia da civilização ALPHA. Ou assim eles queriam acreditar.
Haruto, Takeshi e Naomi foram deter Netsuzon, que aparentemente tinha atacado o centro de Brazilian Tokyo e raptado pessoas para trabalharem como escravas nos planos macabros da civilização ALPHA.
Pela primeira vez, os Jacohrangers lutariam divididos.
- Não vamos perder! – Satoshi disse, e havia um tom monocórdio em sua voz.
- A determinação de vocês impressiona um pouco – foi a resposta do homem misterioso – Mas isso não bastará. Se não puderem me vencer, não vou permitir que continuem vivos.
- Não vamos perder, eu já disse.
A lâmina do ALPHA Red percorreu um arco imaginário no ar, talhando o ombro inimigo. Antes que o homem misterioso pudesse reagir, vieram dois tiros violentos de Keiko. E então as lâminas dos dois heróis foram estocando e retalhando em fúria assassina.
O anônimo expandiu parte da aura que circundava seu corpo e arremessou para longe os heróis, que fizeram acrobacias no ar para chegarem ao chão sem transtornos. O indivíduo disparou raios de seus olhos, e lançou-se ao ataque com sua lâmina sob uma velocidade impressionante. Os dois ALPHAS rechaçaram os ataques de energia como puderam, mas não puderam bloquear as estocadas inimigas.
Satoshi gritou quando seu abdômen foi ferido, mas contra-atacou no mesmo instante produzindo o mesmo dano em seu oponente. Keiko fez o mesmo quando recebeu um ataque na coxa esquerda. Cada estocada recebia um revide, cada guarda que se abria tinha como consequência um golpe inimigo.
- Não lutaram assim antes. O que mudou?
A resposta dos dois heróis foi incessantes disparos. O indivíduo anônimo desviou-se e logo já tinha espadas rasgando sua pele. Rechaçou os ataques como pôde. Enfureceu-se e sua espada rodeou-se de chamas azuladas.
- A determinação de vocês não é mais a mesma. Por quê?
- Esta é a primeira vez que sabemos que vale a pena vencer a luta, a primeira vez em que temos certeza de não estarmos sendo enganados – era Satoshi.
- Desde o começo, sempre duvidamos do Príncipe ALPHA – Keiko complementou – Nunca fomos capazes de lutar com todas as nossas forças para cumprir as ordens de alguém em quem não confiávamos.
- E confiam em mim? – o homem ensaiou uma risada tímida.
- Havia verdade em suas palavras – a ALPHA Pink também sorriu com discrição – Não totalmente. É quase certo que você planeje algo, que queira nos usar de alguma forma. Mas, por algum motivo, você parece mais confiável que o Príncipe ALPHA. E o talismã que você disse ter com você será muito útil.
- Entendo.
As chamas azuladas ao redor da lâmina do guerreiro misterioso ganharam uma intensidade maior. E maior. Tornaram-se imensas, a ponto de não caberem novamente na bainha.
- Então aplicarei em vocês o teste definitivo. Para que sejam merecedores do poder do talismã, terão que primeiro derrotar esse poder.
- O quê?
- Preparem, Jacohrangers!

***

Havia várias marcas de destruição. Aparentemente, a polícia entrara em confronto contra as tropas de Netsuzon. Nenhuma vítima, exceto por algumas poucas pessoas feridas e muitas outras assustadas. Rastros indicavam que sobreviventes foram levados a algum local distante.
Os três Jacohrangers seguiram as pistas e chegaram a uma região desabitada, uma espécie de vale. Parecia haver algo de sobrenatural que não permitia uma visualização melhor, mas ficava clara a presença acentuada de trabalhadores em regime de escravidão. Centenas. Todos da Terra.
- Malditos! – Haruto cerrou os punhos – O que pensam que farão com nosso planeta?
Netsuzon não pôde ser visto em um primeiro momento, então os três heróis atacaram os soldados gama que monitoravam o trabalho dos escravos. Espadas talharam vilões, cortaram correntes, algemas e grilhões. Haruto emitiu alguns palavrões enquanto libertava aquelas pessoas.
Surgiram dois monstros que se identificaram como Garagon e Tsuragoron. Um tinha trombas, grandes orelhas e aspecto de elefante, enquanto o outro lembrava uma espécie de dragão, com asas coriáceas, garras e uma cauda gigantesca. Com eles, centenas de soldados Gama.
- Malditos, Jacohrangers!
- Saibam que essas pessoas que vocês libertaram serão capturadas novamente depois. A atitude de vocês foi completamente inútil.
A resposta dos heróis foi o disparo de suas pistolas, que nocauteou alguns soldados Gama. A massa de vilões avançou em desabalada carreira. E começou o morticínio.
O aço das lâminas nocauteava soldados Gama sem remorso, sem preocupação, sem hesitação. Os Jacohrangers estavam convictos da imperiosa necessidade da vitória. Não podiam sequer cogitar a possibilidade de derrota. Sua determinação era outra. Pois tinham visto, da forma mais clara possível, o que aconteceria ao povo da Terra se eles perdessem.
As pistolas disparavam em movimentos coordenados, estratégicos, reduzindo a cinzas os montes de soldados Gama. Restavam apenas os monstros, ou assim eles pensavam.
- Vejo que descobriram a localização de nossa futura capital! – era Netsuzon, chegando subitamente.
- Futura capital? – Takeshi tinha entendido o que aquilo significava, mas não podia aceitar.
- Sim, quando escravizarmos seu povo e iniciarmos a colonização de seu planeta, este local será nossa capital. Eis por que precisamos de um número considerável de trabalhadores. E eis por que vocês não irão resgatá-los.
- Maldito! Agora que já sabemos onde fica a localização de sua principal base de operações – era Takeshi – poderemos atacar vocês o tempo todo.
- Não temos planos de sairmos daqui, mesmo vocês conhecendo nossa “base de operações”. E isso pelo simples motivo de vocês não terem poder suficiente para nos vencer.
- Você fala demais – era Naomi.
As pistolas dispararam contra Netsuzon, que rechaçou o ataque com um gesto arcano. Vieram mais disparos, mais movimentos evasivos, e o vilão se mostrou invulnerável aos ataques à distância dos Jacohrangers.
Os dois monstros tomaram a dianteira e vieram batalhar com os Jacohrangers, enquanto Netsuzon pôs-se a supervisar o andamento do trabalho dos escravos. Os heróis se entreolharam, como que planejando alguma coisa.
E a batalha recomeçou.

***

Todas as tentativas de Keiko e Satoshi de ferir o inimigo misterioso falharam. Um campo de força intransponível protegia-o de qualquer ataque. Raios diversos foram disparados sem sucesso. Nem o ALPHA Cannon incompleto funcionou.
Das mãos do inimigo, surgiu um raio de cor lilás que envolveu os heróis.
- Estou perdendo minhas forças – era Satoshi, caindo prostrado no chão.
- Eu também.
- Essa é só uma parte do poder total do talismã. Lembrando que este é apenas o primeiro talismã. Se conseguirem unir todos, não haverá força no universo que possa se opor a vocês.
- Só queremos a paz na Terra – até mesmo falar se tornava difícil para Satoshi.
- Talvez seja o momento de irmos para o momento decisivo – o homem disse.
Satoshi e Keiko estavam cada vez mais próximos da inconsciência.

NO PRÓXIMO CAPÍTULO DE JACOHRANGERS:

As batalhas seguem. Keiko adquire o poder do primeiro talismã. Mas Netsuzon continua capturando escravos. Não percam no próximo domingo:


EPISÓDIO 08 – PROTEJAM A LIBERDADE DO POVO DA TERRA!

domingo, 17 de agosto de 2014

EPISÓDIO 06 - TUDO OU NADA! AS PALAVRAS DO GUERREIRO

EPISÓDIO 06 – TUDO OU NADA! AS PALAVRAS DO GUERREIRO

一か八か!!! 戦士の言葉

- Precisamos conversar! – Haruto disse a Takeshi após o almoço. Todos se serviram e se alimentaram em silêncio, como se tivessem perdido a batalha que, em verdade, tinham ganhado.
A resposta foi um aceno discreto de quem não via nada demais em uma conversa com o colega. Apesar de quase nada ter sido verbalizado, havia uma tranquilidade generalizada por terem vencido a primeira batalha com o ALPHA Oh. Sem dúvidas, um importante recurso na luta contra os inimigos – fossem eles quem fossem.
O Príncipe ALPHA manteve-se calado o máximo possível e tão ausente o quanto pôde. Os demais permaneceram tímidos em seus afazeres cotidianos, embora atentos a um possível novo ataque da civilização ALPHA.
Satoshi se permitiu um descanso e adormeceu em seu quarto. Keiko trancou-se em seu aposento e ninguém soube o que ela fez. Naomi tinha saído, alegando que precisava urgentemente espairecer. Haruto e Takeshi preparavam-se para ter a tal conversa, quando a ALPHA Yellow reapareceu com certa pressa, reunindo os colegas quase que aos berros.
- O que foi, Naomi? – Satoshi tinha uma expressão assustada, típica de quem tinha sido acordado com brutalidade.
- Algum problema? – Takeshi suspirou de desânimo, antevendo encrencas.
- Sempre que puder, evite me matar de susto – Keiko ironizou.
- Desculpe, pessoal – Naomi argumentou em sua defesa – Mas vocês precisam vir comigo.
- Ok! – todos responderam quase que em uníssono, muito mais por falta de opção do que por interesse sincero.

***

- Vocês foram os escolhidos pelo Príncipe ALPHA? Hum, não parecem grande coisa.
A voz rouca vinha de um indivíduo de longos cabelos negros que empunhava uma espada quase maior que ele. Tinha um cavanhaque escuro, olhos de um negro infinito e uma capa branca esvoaçante. Sua armadura era de aço esmaltado prateado. Emanava uma aura poderosa ao seu redor.
- Quem é você? – Satoshi tomou a dianteira – Por que fez Naomi nos trazer até aqui?
- Desculpe, Satoshi. Eu não pude contar, mas... ele ameaçou destruir a cidade se eu não os trouxesse aqui.
- Maldito! – Haruto bradou.
- Vejamos se passam, ao menos, pela primeira fase do teste – o homem misterioso disse, desembainhando a lâmina que trazia consigo.
- Teste? – Takeshi não entendeu e foi o primeiro a quase ser golpeado. Por pouco, não teve seu cotovelo amputado.
- ALPHA Change! – todos disseram, revestindo-se do misterioso poder ALPHA.
Sacaram suas espadas e trocaram dezenas de golpes com o oponente, com ele tendo sempre a vantagem, independentemente de quantos heróis o atacassem ao mesmo tempo. Girava o corpo habilmente, mantendo sempre o correto ângulo de visão para identificar as estratégias dos Jacohrangers e detê-las.
O indivíduo anônimo, em dado momento, passou a golpear com mais violência, atacando mais do que defendia. Um a um, os heróis iam caindo. Tornaram a se levantar, em um claro sinal de que não desistiriam – algo que fez seu oponente sorrir com discrição. Mas não tinham forças e caíram. Haviam sido vencidos.
- Péssimo! Péssimo! Não passaram no teste – e disparou um raio violento das mãos, fazendo os heróis gritarem e voarem longe.
- Teste? – Haruto resmungou – Não diga bobagens. Somos os Jacohrangers e não precisamos disso.
– Ah, precisam sim. Se quiserem realmente salvar este mundo, precisarão provar que são poderosos. Que são dignos. Do contrário, tudo que aconteceu até agora e tudo que ainda vai acontecer será inútil.
- Não entendi nada – era Satoshi, levantando-se a muito custo – Mas independentemente de quem você seja, não vamos perder para você.
- Não vamos perder para ninguém – Haruto disse.
Os cinco se levantaram. Feridos, manquitolando, mantendo-se em pé a muito custo, mas erguidos. Não cairiam tão facilmente. Mas, se caíssem, levantar-se-iam quantas vezes fossem necessárias.
- Se conseguem ficar de pé tantas vezes, talvez sejam dignos de ouvir o que tenho a dizer. Só espero que sejam inteligentes o suficiente para a devida atenção às minhas palavras. Do contrário, será como falei: tudo será inútil.
- Diga o que tem a dizer – Keiko, a Jacohranger ALPHA, bradou.
- Preparem-se. A verdade não será fácil.

***

- O futuro da Terra depende de vocês na mesma proporção que NÃO depende. A civilização ALPHA é maligna. Tanto quanto os terráqueos, que são sabidamente gananciosos.
- Podemos confiar no Príncipe ALPHA? – Satoshi se interpôs.
- Tanto quanto podem confiar em vocês mesmos e uns nos outros.
- Isso não responde à minha pergunta.
- Não estou aqui para lhe responder nada. Mas há coisas que vocês precisam entender. Imediatamente. Ou sua Terra estará condenada.
- Então diga logo – Haruto cerrou os punhos.
- As traições virão de onde menos vocês esperarem. Estejam preparados para isso. Vocês só salvarão seu mundo se vencerem as traições. A força física não será o mais importante, acreditem se quiserem. A chave para a vitória é não esquecerem seu objetivo, que é defender seu planeta e seu povo. Nada além disso.
- Você fala em traição – era Satoshi – Refere-se ao Príncipe ALPHA?
- Refiro-me a todos, inclusive vocês mesmos, eu já disse. A traição existe quando se confia em alguém, e a pessoa decepciona você. Confia no Príncipe ALPHA, herói vermelho?
Houve um silêncio e uma troca de olhares constrangedora. No fundo, todos queriam saber o que os outros pensavam.
- O mais importante vem agora. Vocês não podem depender do poder ALPHA. E sabem disso. Há outra fonte de poder. Definitivamente, esse poder é a última esperança de vocês e de seu planeta. São os talismãs lendários.
- Talismãs lendários? – era Naomi.
- São cinco, e com eles a Terra será salva. Com alguns deles, seu planeta tem alguma chance. Sem nenhum, a humanidade estará condenada. Quando tiverem o primeiro, que deve ser a preocupação de vocês, poderão encontrar os outros, já que os talismãs se atraem uns aos outros.
De repente, o Príncipe ALPHA. Chegou usando suas habilidades, sem ser notado. Seu semblante era sério, cenho franzido, punho cerrado.
- Netsuzon está sequestrando pessoas em uma cidade próxima, há uns vinte quilômetros daqui. Ele quer escravos. Vocês precisam ir detê-lo imediatamente.
O Príncipe ALPHA e o homem misterioso se entreolharam. O ódio que havia entre eles era quase palpável. Era nítido que já se conheciam. Mas nada diziam.
- Não ouviram, Jacohrangers? – o Príncipe gritou – Há pessoas em perigo!
- O primeiro talismã – o homem misterioso atalhou – está aqui comigo. Eu os desafio a tirarem-no de mim à força e assim provarem que são capazes de proteger seu planeta. As pessoas sequestradas vocês poderão resgatar depois, já que os sequestradores não pretendem matá-las.
Todos se entreolharam.
- Eu vou ficar e combater este homem – Satoshi disse – Não podemos depender do poder ALPHA.
- Não sabemos se podemos acreditar nele! – Naomi, a ALPHA Yellow contra-argurmentou.
- Não sabemos se podemos confiar em ninguém – Satoshi devolveu.
- Já lhes alertei sobre traições – o homem disse – Que fique bem claro que também não sou totalmente confiável.
- Eu ficarei com Satoshi. Nós dois vamos conseguir o primeiro talismã. Vocês devem partir e deter Netsuzon – era Keiko.
E a batalha começou.

NO PRÓXIMO EPISÓDIO DE JACOHRANGERS:

Divididos, os heróis travam terríveis batalhas. Serão capazes de vencer? Não percam no próximo domingo:


EPISÓDIO 07 – O PODER DESCONHECIDO DO TALISMÃ

domingo, 10 de agosto de 2014

EPISÓDIO 05 - O MISTERIOSO ALPHA OH

EPISÓDIO 05 – O MISTERIOSO ALPHA OH

不思議なアルファ王

Os cinco Jacohrangers ALPHA estavam hesitantes. Diante deles, um monstro gigantesco. Ao seu redor, uma cidade indefesa que não podia ser atingida por qualquer destroço de batalha. Como venceriam um inimigo daquele tamanho?
- Vamos usar o que restou das nossas energias em um novo ataque do Alpha Cannon! – Satoshi disse, e naquele momento já não importava mais que ele e seus amigos tivessem opiniões diferentes sobre o Príncipe da civilização ALPHA.
- Vamos tentar concentrar o disparo de nossas pistolas ao mesmo tempo, aumentando o poder de fogo desse ataque – Haruto disse.
- ALPHA Cannon! – todos gritaram.
Uma grande explosão, mas que sequer arranhou o monstro Karivan. O punho titânico da criatura, por sua vez, arremessou os heróis para longe, quase os esmagando. Os Jacohrangers se recompuseram, não havia tempo para se lamentarem os ferimentos.
De repente, um feixe de luz. E, misteriosamente, tudo ficou escuro.

***

- O tempo está parado. Temos apenas uns poucos minutos antes que eu não consiga mais e tudo volte ao normal.
- Você consegue fazer o tempo parar? – Satoshi parecia interessado, mas o Príncipe tratou logo de desconversar.
- Vou conceder a vocês o domínio sobre algumas máquinas de batalha da civilização ALPHA. Com elas, vocês terão condições de combater os monstros que eventualmente ficarem gigantes.
- Príncipe, isso não faz nenhum sentido – Satoshi não pôde evitar dizer.
- Satoshi, não é hora para isso – Naomi respondeu de chofre.
- Vocês criaram monstros – o ALPHA Red insistiu – e também criaram máquinas para combatê-los. Qual o sentido de tudo isso? Não consigo entender.
- Meu povo sempre esteve em guerra consigo mesmo – a resposta parecia carregada de sinceridade – Sempre existiram dissensões e pontos de vista diferentes. Por isso, desenvolvemos diferentes tecnologias.
- Conversaremos sobre isso depois – era Takeshi – Oriente-nos sobre o que fazer para operar essas máquinas.
E o Príncipe ALPHA passou aos heróis todas as orientações necessárias. A terra não estava mais em desvantagem, embora Satoshi não tivesse muita certeza daquilo.

***

Eram cinco máquinas de tecnologia consideravelmente avançada. Dois tanques, uma jato, um helicóptero e uma espécie de carro que podia planar. Cada um dentro do seu veículo, os cinco Jacohrangers viram que o tempo estava fluindo novamente e que o monstro Karivan já se locomovia, aparentando ter planos de atacar Brazilian Tokyo.
Lasers, mísseis e raios de diferentes naturezas foram disparados contra o monstro, chamando a atenção dele e detendo-o. Karivan virou-se em direção às máquinas de batalha dos heróis.
- Vamos nos separar e atacar de diferentes direções – Haruto disse.
- Não, pelo contrário – era Satoshi. Tinha visto algo interessante no painel – Vamos nos unir.
E então todos viram uma opção sobre a qual o Príncipe ALPHA havia falado enquanto o tempo estava paralisado. A opção da fusão, da junção dos veículos em uma verdadeira máquina de batalha.
Um robô gigante.
- ALPHA Gattai! – todos gritaram em uníssono, apertando o botão responsável por executar aquela manobra.
Os veículos se adaptaram, se posicionaram e se uniram, em uma fusão grandiosa. Surgiu um robô de cor prateada, cheio de compartimentos que armazenavam energia destrutiva. Raios, mísseis e lasers estavam prontos, aguardando para ser lançados.
- Está pronto! ALPHA Oh!
Uma imensa espada se materializou nas mãos robustas do ALPHA Oh. Ela já começou a batalha talhando os ombros de Karivan. O monstro não havia se recuperado ainda quando vieram mais estocadas poderosas, levando a criatura maligna ao chão.
O monstro se levantou disparando projéteis, mas o robô dos heróis girou a espada, devolvendo o ataque contra o vilão. Vieram mais golpes de espada e o Raio ALPHA. Karivan caiu.
- Hora do golpe... – Satoshi sentiu um súbito mal-estar e não conseguiu terminar a frase.
- Hora do golpe final! – os demais complementaram, sem ter notado que algo ocorrera ao ALPHA Red.
- Não me venceram ainda! – Karivan rosnou.
O monstro canalizou sua energia e disparou mais projéteis contra o ALPHA Oh. Foram tantos, que a espada não pôde aparar todos os ataques. Um grande escudo se materializou em outra mão do robô, mas também não foi o bastante. Os Jacohrangers gritaram e se sacudiram em sua cabine. Sua máquina de batalha fora ferida.
ALPHA OH se recompôs. O Míssil ALPHA chocou-se no ar com os projéteis de Karivan. Houve uma grande explosão, e logo o robô dos heróis já estava retalhando o vilão com sua espada.
- Satoshi, algum problema? – Naomi viu o herói vermelho um tanto quanto prostrado sobre cabine.
- Nada – a voz dele confirmava que havia algo errado.
- Vamos desferir o golpe final! – Takeshi gritou.
Vieram mais dois projéteis que os heróis rechaçaram até conseguirem executar sua estratégia. A gigantesca espada encheu-se de uma quantidade absurda de energia, e o ALPHA Oh inclinou o corpo para trás, posicionando-se para ter o impulso necessário para a manobra definitiva.
- Satoshi, tem certeza que está bem? – Naomi perguntou novamente.
Não houve resposta.
- ALPHA Crush! – todos os outros gritaram a uma só voz.
Karivan foi destruído imediatamente, liberando uma explosão considerável. Felizmente, o poder do ALPHA Oh absorveu parte significativa do impacto, impedindo que o centro de Brazilian Tokyo fosse atingido por destroços.
Em algum lugar, Netsuzon contemplava com curiosidade a nova máquina de batalha dos heróis. Em outro lugar, com uma expressão muito mais indecifrável, outro alguém também perscrutava os Jacohrangers. Alguém que já seguia há certo tempo os passos dos jovens e do Príncipe ALPHA.

***

- Você não estava bem dentro do robô, Satoshi – era Keiko, conversando a sós com o ALPHA Red – Não falei nada porque estávamos batalhando e não era o momento de falar sobre isso, mas é claro que eu notei. Todos notaram. O que é que aconteceu?
- Em você sei que posso confiar, Keiko. Senti uma fraqueza súbita, como se o robô tivesse roubado minhas forças, diminuído minhas energias. O que acha que pode ser isso?
- Não sei. E não sei se adianta perguntar ao Príncipe.
- Não dá para ter certeza se ele está falando a verdade ou não, Keiko. E o pior é que todos os outros preferem acreditar nele a acreditar em mim.
- Acho que, no fundo, eles não sabem em quem acreditar. Até porque, pelo menos por enquanto, nossa única é acreditar nele. Ou fingir que acreditamos.
- Não gosto de fingir, mas talvez você tenha razão.
- Claro – ela sorriu – Eu sempre tenho razão.

NO PRÓXIMO EPISÓDIO DE JACOHRANGERS ALPHA:

Os heróis são atacados por um indivíduo misterioso que faz várias revelações a eles. Mas será que os Jacohrangers podem confiar nele? Enquanto isso, Netsuzon sequestra pessoas para servirem como escravos aos propósitos da civilização ALPHA. Não percam no próximo domingo:


EPISÓDIO 06 – TUDO OU NADA! AS PALAVRAS DO GUERREIRO!

domingo, 3 de agosto de 2014

EPISÓDIO 04 - AS RESPOSTAS APARECEM

EPISÓDIO 04 – AS RESPOSTAS APARECEM

答えは現れる

Haruto, o ALPHA Green, golpeava com violência os soldados Gama que se mantinham de pé, chamando para si a responsabilidade de detê-los enquanto seus colegas combatiam o monstro Karivan. Netsuzon limitou-se a assistir os confrontos preliminares sem se manifestar.
O herói preto, Takeshi, usou sua espada para tentar destruir os canhões que encimavam os ombros de seu oponente, mas o ser maligno esquivou-se, entendendo qual era a estratégia do herói. Karivan tentou contra-atacar com disparos, mas seu alvo foi empurrado por Naomi, a ALPHA Yellow, não sendo ferido.
Keiko, a heroína que trajava a armadura rosa, só conseguia pensar nas palavras de Satoshi. Seu colega, que tanta questão fazia de liderar o grupo, batalhava com selvageria contra o monstro inimigo. Ele parecia acreditar que era o único responsável pela proteção do mundo. Enquanto Keiko mantinha-se perdida em seus devaneios, Karivan aproveitou para golpeá-la com violentos projéteis.
Os cinco heróis se agruparam. Sacaram suas espadas e deram grandes saltos, separando-se, a fim de lançarem um ataque conjunto vindo de várias direções, algo que não pudesse ser defendido. Avançaram talhando, retalhando e estocando, explodindo os canhões inimigos, mas ainda sendo feridos pelo laser saído dos olhos do rival. Heróis e vilão foram ao chão ao mesmo tempo, como se tivessem ensaiado tudo que ocorreria naquela batalha.
- Vocês são bons, Jacohrangers! – a criatura bradou – Bons o bastante para me obrigar a usar todo o meu poder.
- Pois nós faremos o mesmo! – Satoshi respondeu em alta voz, sendo o alvo do olhar desconfiado de Naomi, Haruto e Takeshi. Nenhum deles conhecia a verdade sobre o passado recente do amigo.
Os heróis deram pouca atenção aos brados do ALPHA Red e simplesmente seguiram. Dispararam com suas pistolas e usaram a lâmina de suas espadas para rechaçar os ataques energéticos do monstro.
- ALPHA Cannon! – Satoshi invocou, reparando que seus amigos não pareciam muito preocupados com as ordens dele – Lembrando que vocês não estão fazendo isto por mim, mas sim pela Terra – ele deu a indireta aos companheiros antes mesmo de derrotar o inimigo.
Uma onde de energia imensa partiu em direção a Karivan. No último instante, antes que a criatura fosse ferida, Netsuzon apareceu diante dela, arremessando com um movimento da mão o ataque para longe. A quilômetros dali, uma explosão que pôde ser ouvida por todos eles.
- Karivan é útil para mim, vocês não irão detê-lo, heróis.
- Se ficar no nosso caminho, teremos que derrotá-lo, Netsuzon – Haruto disse, a voz decidida de quem também parecia postular a liderança.
- Antes, eu quero que nos conte a verdade – Satoshi interrompeu e surpreendeu a todos – Afinal, quem é o Príncipe ALPHA e qual o objetivo dele e o de vocês em nosso planeta?
- Não precisamos da opinião dele, Satoshi! – Naomi gritou.
O ALPHA Red cerrou os punhos. Seus amigos não o entendiam. Exceto Keiko, que conhecia sua história.
- Eles têm razão, Satoshi – Keiko disse, tirando todos os argumentos da cabeça de Satoshi – Não podemos acreditar em alguém que esteja atacando a Terra.
- E quem garante que o Príncipe ALPHA não pretende fazer o mesmo depois que acabarmos com a civilização ALPHA?
- Satoshi, não diga bobagens! – era Takeshi – Na hora de aceitar os treinamentos dele, os poderes que ele tinha para conceder... naquele momento, você confiou nele. E agora não confia mais?
- Calem-se! – ele ergueu a voz. Chegava a tremer de tanta raiva por não ser compreendido.
- A verdade que vocês não sabem, patéticas formas de vida, é que o Príncipe que vocês pensam estar protegendo seu mundo deseja, na verdade, ele mesmo governar a Terra.
- O quê?
Houve um silêncio de estupefação seguido por olhares de espanto e incredulidade.
- O mentor de vocês não veio a este planeta por altruísmo ou porque se cansou de ver nosso povo escravizando planetas. Ele veio porque ele quer, ele mesmo, reinar sobre esta Terra. Curiosamente, parece que esta parte ele não lhes contou... Não é, Jacohrangers?
- Não pode ser – era Naomi.
- Se isso for verdade, depois acabaremos com ele – era Takeshi – A questão é que agora, é você que precisamos destruir. E vamos fazer isso. Depois pensaremos no que fazer com o Príncipe ALPHA.
- Não sei se essa é a coisa certa a fazer – Satoshi insistiu.
- Não podemos deixar esses seres terríveis vivos! – Naomi gritou – Entenda!
O ALPHA Red seguiu cerrando os punhos, tamanha sua raiva, mas acabou silenciando. A verdade é que ele tinha uma convicção patológica de que o PRÍNCIPE era maligno e precisava ser destruído a qualquer custo.
Mas antes, se não houvesse escolha, ele acabaria com Netsuzon e com o monstro Karivan.
- Vamos tentar novamente o ALPHA Cannon. – Haruto sugeriu – Desta vez, destruiremos Karivan, Netsuzon e quem mais ficar em nosso caminho.
Satoshi acabou aceitando e colaborou. A colossal bazuca disparou tanta energia que os heróis (todos eles) acharam que todo o planeta poderia ser destruído por um ataque daqueles. Mas novamente Netsuzon se interpôs entre a energia e seu alvo. Houve uma imensa explosão, que foi sucedida por um olhar inédito do vilão. Era um olhar de maldade.
- Ainda não entenderam, não é?
- Não vamos perder para você! – Satoshi disparou com suas pistolas apenas para ver o laser refletido pelo vilão se voltar contra seus amigos.
- Se eu não destruir vocês e conquistar este planeta, o Príncipe fará isso. Alguém fará. A verdade da qual vocês não podem escapar é que seu planeta está condenado. O correto seria que vocês se ajoelhassem imediatamente e implorassem por misericórdia. Quem sabe assim, suas vidas patéticas sejam poupadas.
- Nunca! – os cinco heróis responderam com gritos em uníssono.
- Idiotas! – Netsuzon encrespou o cenho – Não percebem que essa transformação que vocês executam, suas armas, seus equipamentos, são todos da civilização ALPHA? Tudo isso pode ser tirado de vocês a qualquer momento. Tudo isso vai ser tirado de vocês no momento oportuno. Vejamos como vocês lutarão quando esse momento chegar.
E o vilão deu um passo para trás, virando-se como quem abandona o campo de batalha.
- Vai fugir da luta? – Satoshi bradou em desafio.
A resposta foi uma gargalhada. Netsuzon voltou a virar-se, colocando-se de frente aos heróis, aparentemente divertindo-se com tudo aquilo.
- Nossos planos são muito maiores do que imaginam, insetos. Muito, muito maiores. Esta Terra é apenas parte de uma engrenagem cujo funcionamento seres inferiores como vocês jamais entenderão. Por ora, saibam que seu planeta medíocre é útil apenas para nos fornecer mão-de-obra escrava. E é isso que buscaremos agora. Não interfiram.
- O quê? – Naomi gritou.
- Se levarmos em conta as dimensões de seu mundo, podemos dizer que ele é muito povoado. E é de escravos que precisamos. E vamos levar alguns milhares conosco imediatamente.
Os heróis manifestaram sua indignação com um disparo feroz do ALPHA Cannon. A imensa energia destroçou Karivan, que explodiu resmungando algo sobre aquilo tudo ser só o começo.
Então, começou. As cinzas de Karivan foram se reagrupando. Um raio rubro saído dos olhos de Netsuzon deu nova vida ao monstro, mas, mais que aquilo, o fez ficar gigantesco. Era possível supor uns quarenta, cinquenta metros de altura. No mínimo.
- Vou atrás de escravos. Aconselharia todos vocês a não tentarem me impedir – o vilão olhou para o monstro gigante – Bem, imagino que estarão bem ocupados pelas próximas horas.
- Maldito! – Haruto gritou, mas havia muito pouco a ser feito além de gritar e praguejar.
O colossal Karivan disparou com seus canhões gigantescos, gerando uma explosão apocalíptica onde os Jacohrangers ALPHA estavam. Os heróis foram capazes de saltar para longe a tempo de evitar um impacto direto, mas foram violentamente atingidos por fragmentos da destruição, indo quase que a nocaute.
- Temos as respostas de que precisávamos – Satoshi pensou consigo mesmo – Só não tenho a confiança dos meus comandados. Só tenho a certeza de que o Príncipe ALPHA é um canalha.
- Precisamos fazer alguma coisa! – Haruto e Takeshi tinham em mente a mesma coisa.
- Quem estará mentindo? Ou será que todos estão mentindo? – Naomi confabulava em silêncio.
- Não sei quais são os reais objetivos do Príncipe – Keiko pensava – Mas, por ora, temos que vencer esse monstro. Ou, não poderei cumprir os meus planos.

NO PRÓXIMO EPISÓDIO DE JACOHRANGERS ALPHA:

Os heróis recebem um poderoso recurso. Não percam no próximo domingo:


EPISÓDIO 05 – O MISTERIOSO ALPHA OH!