Jacohrangers

Jacohrangers

sábado, 28 de março de 2015

EPISÓDIO 19 - AS LÁGRIMAS DE TAKESHI

EPISÓDIO 19 – AS LÁGRIMAS DE TAKESHI

たけしの涙

- Jacohrangers, atenção! – era a voz do Príncipe ALPHA, falando diretamente às mentes dos heróis – O primeiro deus maldito lançou um ataque à cidade. Ele tem o poder de envelhecer suas vítimas até a morte. Precisando derrota-lo imediatamente antes que o número de vítimas aumente.
Os Jacohrangers tinham acabado de derrotar Netsuzon. Ainda havia na tal nova capital prisioneiros e possíveis pessoas feridas. Keiko se prontificou a resgatar todos e a usar o Robô Guardião Lendário para destruir o que restava daquele lugar maldito.
- Eu também vou descobrir o que aconteceu com o Satoshi – ela disse, referindo-se ao súbito desmaio do ALPHA Red – Vão e derrotem o deus maldito.
- Keiko, você precisará ser rápida – O Príncipe ALPHA voltou a se manifestar telepaticamente – Apenas três Jacohrangers não serão suficientes para derrotar um deus maldito.
Talvez nem os cinco sejam, o Príncipe teve vontade de dizer, mas optou por se calar. Ainda estava abalado pela conversa difícil que tivera com seu pai.
Os demais heróis abandonaram o local de batalha e partiram para as regiões habitadas de Brazilian Tokyo. Não encontrando o novo inimigo, optaram por fazer o possível para acudirem as vítimas do ataque da criatura. Para isso, se separaram.

***

- Eu sei o que aconteceu com você, Satoshi – Keiko dizia a si mesma em voz baixa, enquanto terminava de resgatar os últimos prisioneiros. Todos com marcas de violência nos corpos. Se ainda houvesse algum hospital em funcionamento na cidade, seria imprescindível que fossem para lá.
O Chou Densetsu Crusher devastou o que restava da tal nova capital, pondo um fim temporário às ambições do Império ALPHA. A ALPHA Pink foi então acudir seu aliado.
- Você emprestou o poder que restava em seu talismã para o Robô Guardião Lendário, não foi? – ela dizia, mas ele não recobrava a consciência mesmo assim – Vendo que o pessoal perderia para o Netsuzon, você cedeu o último poder que tinha para que eles pudessem emitir um golpe final mais poderoso. E assim, ao custo de suas energias, eles venceram.
Ela o colocou nos ombros. Tão logo se certificasse que as vítimas estivessem realmente em um lugar seguro, iria ajudar os demais na batalha contra o primeiro deus maldito. Por algum motivo, tinha a intuição de que Satoshi logo se recuperaria, precisando apenas de algumas horas. Um tempo que, na verdade, não tinham.
- Sabe, Satoshi... Desde o começo eu julguei mal você. Achei que fosse um babaca arrogante, que queria ser o líder do grupo vaidade. No fim, eu acabei causando mais problemas ao grupo do que achei que você causaria. E agora estamos lutando juntos, muito mais só nós dois sozinhos, do que junto aos outros.
Só espero que não se apaixone por mim, ela pensou em voz alta, sorrindo da possibilidade absurda. Então seguiu junto aos recém-libertados em direção a algum bairro que tivesse um hospital em funcionamento.

***

Quando se dividiram, Takeshi optou por dirigir, sem dar detalhes a ninguém, até a região da cidade onde residiam seus familiares. Sua irmã e seu avô.
Uma confusão generalizada, com pessoas caídas, agonizando, outras tantas chorando debruçadas sobre corpos caídos. Gritos de agonia se misturavam a lágrimas, que se mesclavam às tentativas desesperadas de salvar vidas simplesmente gritando “Não morra”.
No meio daquele panorama desesperador, chegou Takeshi, transformado em Jacohranger ALPHA. Suas tentativas de acudir e acalmar as pessoas falharam – não havia o que fazer. Seus poderes não eram capazes de curar ninguém. Até mesmo levar aquelas pessoas a um hospital era inútil. A única saída era seguir procurando o deus maldito que havia feito aquilo e derrotá-lo urgentemente.
Foi quando ele viu algo que lhe chamou a atenção. Uma mulher que aparentava ter algo em torno de trinta minutos chorava compulsivamente sobre o cadáver cada vez mais deteriorado daquele que, de acordo com os gritos dela, tinha sido seu avô.
- Vozinho! Não morra! Vozinho, por favor! Não me deixe! – e as lágrimas a faziam soluçar, não permitindo que prosseguisse com a lamentação.
Embora alterada pela maldição da mudança de idade, as roupas, a forma de se referir ao avô, os traços faciais característicos e até a forma de chorar não deixavam dúvidas: era Ayumi, a irmã de Takeshi.
O Jacohranger ALPHA agradeceu aos céus por estar transformado. Podia se aproximar de sua irmã sem ser reconhecido. Podia chorar sem que seu pranto fosse visto. Cerrou os punhos e foi ter com sua irmã.
- Me perdoe! – ele disse, a voz monocórdia graças ao esforço colossal para não deixar que seus sentimentos transparecessem – Não fui capaz de proteger o seu avô.
- O meu irmão... Meu irmão saiu em viagem há meses, e eu não sei onde ele está – ela intercalava as palavras ao soluço provocado pelo choro – Por favor, proteja o meu irmão! – ela se entregou ao choro.
E ele também, embora ninguém tivesse notado.
- O culpado por tudo isso será punido! – ele disse – Eu juro!
- Eu só quero que você proteja o meu irmão – ela disse – Só quero que não aconteça com ele o que aconteceu com meu vozinho. Não deixe o meu irmão morrer, por favor!
Ele cerrou os punhos e partiu. O primeiro deus maldito, fosse quem fosse, seria destruído pelas mãos de Takeshi, o ALPHA Black.

***

Naomi e Haruto estavam transformados. O destino lhes permitiu chegar até onde estava o inimigo pouco antes de ele realizar um novo ataque. Pessoas corriam em desespero, e os disparos dos Jacohrangers garantiam que o deus maldito estivesse ocupado o suficiente para não tentar impedir a fuga dos inocentes.
- Sou o grande Garabohr! Não serei detido por seus poderes insignificantes.
- Maldito! Vai pagar por tudo que fez! – o grito veio do ALPHA Green.
- Falta muito pouco para acabar com toda a vida desta cidade imunda. E vocês não me impedirão!
Houve uma troca de disparos em todas as direções, mas, àquela altura, não havia pessoas inocentes que pudessem ser feridas. A batalha acontecia em uma espécie de praça. Os prejuízos eram apenas de ordem material.
Subitamente, Garabohr sentiu uma dor violenta nas costas, fruto de um ataque poderoso e inesperado de que tinha sido alvo. Eram Keiko e Satoshi – este último bastante enfraquecido. Ambos estavam transformados em Jacohrangers.
- Mesmo incompletos, não vamos perder para você! – a ALPHA Pink gritou.
- Incompletos ou não, nunca me vencerão!
Os quatro dispararam no deus maldito sem provocar grande dano, então sacaram as pesadas para lutarem corpo-a-corpo.
Em meio à troca de golpes, a impressão de que os heróis levariam a pior. Mesmo com a vantagem numérica, o oponente era mais rápido. Mais forte. Mais resistente. Vieram cusparadas de fogo do deus maldito, e os Jacohrangers foram ao chão.
- Eu disse que não me venceriam.
- Cale-se! – a voz veio de alguém que acabava de chegar.
- Takeshi! – o grito de surpresa foi uníssono.
- Eu vou vencer este desgraçado! – o ALPHA Black bradou – Sozinho!
- O que?
- Fiquem fora disso, entenderam? – Takeshi gritou – Vou lutar sozinho contra este miserável. E vou vencê-lo! Portanto não se metam!
Garabohr gargalhou. Gargalhou, gargalhou e gargalhou até perder o fôlego. Os Jacohrangers deram um passo à frente, mas um gesto da mão de Takeshi os deteve. O ALPHA Black parecia realmente decidido a lutar sozinho e a vencer.
- Venha, miserável!
- Pois bem – o deus maldito disse, após parar de rir – Venha! Venha e me mostre tudo que tem! Mostre-me se é capaz de salvar este mundo.

NO PRÓXIMO EPISÓDIO DE JACOHRANGERS:

Takeshi e Garabohr travam uma batalha violenta, mas o ALHPA Green não é capaz de vencê-lo. Os demais Jacohranger se unem, tornando o confronto algo desesperador. No pior momento, um milagre parece acontecer. Não percam:


EPISÓDIO 20 – O BRILHO DO TERCEIRO TALISMÃ!

Nenhum comentário:

Postar um comentário