Jacohrangers

Jacohrangers

domingo, 24 de maio de 2015

EPISÓDIO 26 - ENQUANTO HOUVER ESPERANÇA

EPISÓDIO 26 – ENQUANTO HOUVER ESPERANÇA

希望があるかぎり

- Eu vou atrás do Príncipe – Satoshi bradou, resoluto como poucas vezes antes – Preciso ter com ele a conversa definitiva. Ele vai ter que me contar, nem que seja à força, como fazemos para impedir que a morte do Imperador destrua a Terra.
- Vá preparado para lutar – o Jacohranger Blue aconselhou – Ele não vai falar por bem. E pra falar a verdade, nem ele tem uma resposta para o seu questionamento. Como alguém poderia impedir que a Terra seja destruída em uma explosão dessa magnitude. Só se vocês conseguissem remover o Imperador e leva-lo a algum ponto distante da galáxia, longe o bastante de seu planeta.
- O que significaria sacrificar as vidas de outros planetas que estivessem próximos ao Imperador – era Naomi – Não seria justo também.
- Bilhões de vidas vão se perder – Aleph tinha um tom de voz frio, como se resignado com toda aquela desgraça – O máximo que vocês poderão fazer é não permitir que essas vidas sejam as do povo do seu planeta. Mas mesmo isso é difícil.
- Preciso ir!
Satoshi partiu.

***

Por algum motivo, o ALPHA Red sempre sabia onde encontrar o Príncipe ALPHA. O monarca alienígena manteve-se indiferente ao recém-chegado. Parecia estar sendo difícil para eles também.
- Eu vou contar tudo para você. Para todos vocês.
Palavras súbitas que surpreenderam Satoshi. O tom de voz também era outro. O que estava acontecendo com o Príncipe ALPHA?
- Todas as vezes em que eu disse que não devia contar nada, e que vocês deviam se preocupar primeiramente em lutar... Nunca tive a intenção de realmente lhes esconder nada. Mas é porque eu sabia que havia pouco tempo. Oito deuses malditos ainda precisam ser vencidos. Meu pai precisa ter retirado deste planeta, e eu não faço ideia de como. Mais servos do Império podem estar neste planeta e também precisarão ser vencidos. O poder de vocês ainda não é o ideal. É muita coisa precisando ser feita antes de vocês realmente saberem de tudo.
- Eu entendo você – Satoshi disse, e foi a vez do Príncipe ALPHA ficar surpreso – Mas, talvez, você é que não esteja nos entendendo. Sim, fica bem claro que você realmente não entendeu ainda algo muito importante sobre os outros e eu.
- A que se refere?
- Não é fácil lutar às cegas. Não é fácil se tornar mais forte sem saber exatamente o que está acontecendo. No começo, sem saber direito o que estava acontecendo, eu te odiava. Muito. Muito mesmo. Você sabe disso. Naquele momento, se o adversário da Terra fosse você, eu venceria. Não importa o quanto você é forte, eu destruiria você. Eu tinha direcionado todo o meu coração contra você, todas as minhas forças estavam buscando aquilo. Mas, hoje, já não sei mais a quem odiar. Temos que enfrentar mais oito deuses malditos. Como posso odiá-los se não sei pelo que passaram? Eles são tão vítimas quanto nós! Talvez, cada um deles também tenha uma história triste igual à do Aleph. Como posso enfrenta-los de todo o meu coração sem saber o que está realmente acontecendo?
- Satoshi, você está lutando para destruir, quando deveria lutar para proteger. Não importa quem esteja enfrentando, não importa os motivos. Você não luta porque seu inimigo lhe deu motivos suficientes. Você luta, e deve lutar, porque seu povo depende disso. Lute para defender a Terra, não importa contra quem seja. Use a força do seu coração da forma certa.
Houve um silêncio bem menos tenso do que seria no passado.
- Prepare-se, Satoshi! Eu vou contar a você toda a verdade.

***

Dois guerreiros enigmáticos, misteriosos. Capuzes e andrajos garantiam seus anonimatos, as vozes sussurradas e pouco audíveis aumentando o mistério. Nas mãos, afiadas katanas. Só era possível ver um brilho púrpura vindo daquilo que deveriam ser os olhos.
- Não haverá clemência – um deles disse – Usem toda a força que têm, ou serão eliminados.
- Se importam em dizer primeiro quem são vocês? – Haruto emitiu um sorriso.
- Só saberá se nos vencer!
O Jacohranger Blue deu um passo para trás – não era intenção dele se envolver uma batalha que não lhe dizia respeito. No entanto, foi o primeiro a ser atacado e teve que reagir.
Aleph gesticulou com a mão para que Takeshi e Keiko não o ajudassem, e partiu para cima do inimigo. Seus punhos bastaram para levar ao chão o adversário armado, que contra-atacou arremessando shurikens e ondas de fogo que vinham de sua espada. Rajadas de todos os tipos foram disparadas, e o empate parecia o resultado mais óbvio para aquela contenda.
- Vocês são deuses malditos? – Naomi gritou, enquanto lutava contra o outro inimigo junto com Haruto.
- Não diga absurdos! – foi a resposta.
Golpes de espada foram trocados a uma velocidade impressionante. Como o Jacohranger Blue fazia questão de batalhar sozinho, o herói preto e a heroína rosa vieram ajudar Naomi e Haruto. Os quatro praticamente retalharam o oponente com suas investidas, mas viram ir ao chão só os andrajos vazios – o verdadeiro oponente tinha se teleportado para trás deles, de onde desferiu um ataque que quase nocauteou os quatro.
- É com tão pouco poder que pretendem proteger a Terra? – um deles os ironizou.
- Foi um erro permitir que os talismãs caíssem nas mãos de heróis tão fracos – o outro complementou – Talvez seja melhor tomá-los de volta.
- Talismãs? – os Jacohrangers pararam e bradaram ao mesmo tempo.
- Como sabem da existência deles? – Haruto perguntou.
A resposta foram dois ataques devastadores vindos das katanas. Aleph se defendeu como pôde, mas acabou ferido e foi arremessado longe. Os demais Jacohrangers foram atirados longe, transformações desfeitas pelo impacto do golpe, sangue escorrendo farto por várias partes dos corpos de cada um deles.
- E pensar que viemos aqui para lhes entregar isso aqui – um deles disse.
E mostrou a eles um dos talismãs, sendo seguido por seu colega, que mostrou o outro. Eram os que faltavam.
- Quem são vocês? – Takeshi perguntou, ficando de pé a muito custo – Como têm esses talismãs?
- Se nos vencessem, teriam os talismãs e as respostas. Mas perderam. Por isso ficarão apenas com a dúvida.
- Fiquem felizes por não matarmos vocês.
Os dois seres sumiram, deixando os Jacohrangers tentando auxiliar uns aos outros em meio à infinidade de ferimentos que os fustigavam.
- Vocês são realmente patéticos – pela primeira vez, Aleph sorria – Nem vale a pena matá-los.
- O que você fará agora, Aleph? – Keiko perguntou.
- Vou atrás do Imperador ALPHA – o semblante dele voltou a ficar sério – Se ele vai morrer, que seja pelas minhas mãos. Talvez, ele esteja enfraquecido o bastante a ponto de eu ser capaz de vencê-lo. Mas se eu não puder, morrerei tentando.
Subitamente, ele se voltou furioso para os Jacohrangers.
- E não quero interferências, fui claro? – ele gritou – Esta é uma batalha minha. Não me sigam, não tentem me impedir!
E partiu, antes que os heróis pudessem sequer tentar dissuadi-lo.

***

Enquanto um servo poderoso do Império ALPHA mandava o quinto deus maldito causar destruição em Brazilian Tokyo, o Imperador ordenava que todos abandonassem seus aposentos.
Em sua forma real, o monarca supremo dos invasores era uma criatura simiesca imensa, de quase quatro metros de altura. Tinha um corpo bestial, com garras, presas, cauda e pele amarronzada coberta de pelos. A coroa em sua cabeça era feita de ossos de vítimas de povos conquistados. Ele tinha armas, todas feitas também de ossos, todas encantadas por poderosa magia. Nenhum delas usada em combate, apenas troféus, lembranças dos incontáveis povos que haviam caído ante a força do império.
O Imperador se contorcia. As veias saltavam, o líquido púrpura que devia ser sangue escorria fartamente. Ele começou a cuspir, como se algo quisesse sair. As mãos tremiam.
  - Não posso morrer desta forma.

NO PRÓXIMO EPISÓDIO DE JACOHRANGERS:

Batalha contra o quinto deus maligno. O Príncipe ALPHA conta a Satoshi toda a verdade. Não percam:


EPISÓDIO 27 – OS VERDADEIROS SENTIMENTOS!

domingo, 17 de maio de 2015

EPISÓDIO 25 - O DESTINO É A DESTRUIÇÃO

EPISÓDIO 25 – A DESTINO É A DESTRUIÇÃO

運命は壊滅

A poeira baixou. O Príncipe ALPHA estava incrivelmente ferido. O poder do Jacohranger azul era muito impressionante. Os outros heróis não podiam ser vistos – seus corpos violentamente arremessados a centenas de metros dali.
O guerreiro revoltado não tinha forças para se transformar de novo, mas caminhou sem hesitar em direção ao monarca. Só era capaz de manter a espada em suas mãos, provavelmente não poderia usá-la para um ataque. Mas arrastava-se, a lâmina preparada, o ódio que sentia pelo Príncipe ALPHA falando mais alto que tudo.
- Se vai me matar, faça isso de uma vez antes que eu mate você primeiro – ele disse, ciente de que o monarca ainda tinha habilidades de combate bem superiores às suas.
- Já disse que as coisas não precisam ser desta forma, Aleph! Você está me atacando porque quer. Não sou seu inimigo – o monarca bradou.
Pelo menos, não mais.
- Vocês não precisam ouvir esta conversa – ele repetiu aos Jacohrangers, ao vê-los se aproximando feridos.
- Tem algo a esconder? – Satoshi perguntou desafiadoramente.
- Fomos atacados por alguém que primeiro deveria ser nosso inimigo, e depois devia ser nosso aliado – Takeshi disse – Acho que merecemos no mínimo uma explicação.
Keiko parecia mais ferida que os demais, indo ao chão enquanto os outros discutiam. Naomi a amparou, e Satoshi abandonou o diálogo tenso para acudir a colega. Parecia mais preocupado que os demais.
- O nome dele é Aleph! – o Príncipe ALPHA começou – Seu planeta foi destruído pelo Império ALPHA. Isso é tudo que vocês precisam saber, embora eu ache que não há nada de inesperado nisso.
- Faltou dizer que... no dia do ataque... – o Jacohranger blue tinha dificuldades em falar – No dia do ataque que lançaram contra o meu planeta...
O Príncipe ALPHA mirou um raio na cabeça de Aleph. Parecia disposto a matá-lo para que algum segredo se mantivesse oculto. Mas Satoshi, mesmo sangrando e mancando, foi rápido o bastante para rechaçar o ataque. Parecia muito interessado naquela história.
- Ele vai contar, Príncipe – o ALPHA Red cerrou os punhos.
- Sim! – era Haruto, colocando-se ao lado de Satoshi – Ele vai contar!

***

Quando meu planeta foi atacado, aquele monstro a quem vocês chamavam de “terceiro deus maldito” era parte do Império ALPHA. Foi um dos comandantes daquela ofensiva que destruiu toda a civilização do meu planeta.
Embora fosse hábito desses malditos apenas escravizar povos, no nosso caso foi diferente. Eles sabiam que minha raça era formada por seres dotados de grandes poderes. Viam em nós uma ameaça. Temiam que, se nos escravizassem, pudéssemos nos rebelar. Tínhamos poder para isso. Por isso escolheram nos aniquilar completamente.
Aquele comandante foi o assassino dos meus pais e irmãos. Todos eles eram muito mais poderosos que eu, então depois de vê-los morrer nas mãos daquele desgraçado, eu tive a certeza que não poderia vencê-lo.
Foi quando apareceu o Imperador ALPHA.

***

- Vocês dois, portadores do quarto e do quinto talismã... Chegou a hora de destruírem os Jacohrangers. Iniciem a operação.

***

Ele não deixou o comandante me matar. Disse que seria muito melhor se eu sobrevivesse, pois o desespero que se acumulava dentro de mim iria me transformar em um monstro incontrolável que, um dia, poderia ser útil ao Império ALPHA.
O comandante não aceitou e, surpreendentemente, lutou contra o Imperador ALPHA. Foi obviamente destruído em poucos minutos, não sem amaldiçoar o Imperador. Sua alma foi aprisionada e unida a outras, almas que eles aparentemente já tinham sob o poder deles, formando aquilo que hoje vocês conhecem como um “deus maldito”.
Fui levado, e tive minha alma extraída de meu corpo, e colocada de novo – ou, ao menos, foi o que me contaram. Junto à minha alma, muitas outras foram colocadas. Meu corpo poderoso virou um receptáculo de espíritos em desespero, um amontoado de almas enlouquecidas.
E eu me tornei aquilo que vocês chamam de “deus maldito”.
Eis por que eu quis destruir aquele desgraçado. Mas vocês o fizeram antes de mim. E vão pagar com suas vidas por isso. Preparem-se, Jacohrangers.

***

 - Sua transformação em Jacohranger... – Haruto não tinha entendido – Como isso foi possível?
- É parte dos poderes do Príncipe ALPHA. Ele tem a capacidade de conceder esses poderes. Assim como fez com vocês.
- O que significa que ele também pode tirar esses poderes de você ou de nós, certo? – Satoshi questionou.
- Sim – Aleph pareceu reunir forças para lutar novamente – Mas isso não faz diferença, pois agora eu matarei tanto ele quanto vocês. Mas antes...
- Já chega! – o Príncipe ALPHA se interpôs – O que está feito, está feito. Não há como voltar atrás. Vamos tentar construir um futuro melhor. É o que está ao nosso alcance. Deve ter notado que estou combatendo meu próprio Império e meu próprio pai para impedir que novas atrocidades aconteçam.
- Seu pai... – O Jacohranger Blue sorriu um sorriso de profundo desprezo – Agora que mencionou, acho que não contei a eles a parte mais importante desta história.
- Basta, Aleph! – o Príncipe disparou contra ele, mas Satoshi e Haruto rebateram o ataque.
Houve um momento de silêncio tenso. Olhares frios, respirações descompassadas. O que o Jacohranger Blue tinha a contar sobre o demoníaco Imperador ALPHA? Haveria algo ainda terrível naquela história?
- O comandante daquele ataque, antes de morrer amaldiçoou o Imperador. Não em um sentido figurado. Ele não o amaldiçoou com palavras. Ele realmente lançou uma maldição misteriosa. Algo que está consumindo a vida do Imperador. É isso que o Príncipe não quer que vocês saibam, Jacohrangers. O Imperador ALPHA vai morrer em poucos dias. Mas isso ainda não é tudo.
O Príncipe ALPHA virou as costas e saiu. Em um instante, já não estava mais lá.

***

- O Imperador ALPHA vai morrer – Aleph estava muito próximo de concluir seu relato aterrador – Mas a questão é a forma como ele vai morrer. Ele vai ser consumido de maneira a gerar uma explosão capaz de devastar o Sistema Solar. Mais que isso até, por isso ele veio à Terra. Por isso ele trouxe os tais deuses malditos. Para destruir tudo. Como ele sabe que morrerá, como ele sabe que não terá a Terra sob seu controle, quer destruí-la. O Imperador não aceita a ideia da existência de nada que não esteja sob seu domínio.
- Provavelmente, Netsuzon não sabia disso – era Keiko – Por isso ele chegou querendo conquistar o planeta. Mas agora a ideia do Império é apenas destruir.
- Isso eu não sei – o Jacohranger Blue continuou – Só sei que o Príncipe ALPHA veio a este planeta para se sentir menos culpado. A destruição da Terra, de parte desta galáxia e, mais cedo ou mais tarde, de todo o universo, é algo inevitável. Ele está mentindo para si mesmo que está tentando proteger este mundo para se sentir menos culpado. Mas, no fundo, sabe que é inútil.
- Está dizendo que...?  - Takeshi disse.
- Vocês também precisam aceitar isso. O destino deste mundo é a destruição. Parem de lutar inutilmente.

NO PRÓXIMO EPISÓDIO DE JACOHRANGERS:

Satoshi tenta começar a conversa derradeira com o Príncipe ALPHA. Dois indivíduos misteriosos atacam os outros Jacohrangers. O Imperador ALPHA começa a mostrar sinais de perturbação. Quanto tempo restará para o planeta Terra? Não percam:


EPISÓDIO 26 – ENQUANTO HOUVER ESPERANÇA...

sábado, 9 de maio de 2015

EPISÓDIO 24 - O SEXTO JACOHRANGER

EPISÓDIO 24 – O SEXTO JACOHRANGER

六じゃこれんじゃー目

- Explique isso! Você já teve uma família? – Haruto perguntou – Quem é você, e quem é aquele outro deus maldito?
- Por que... eu contaria... a vocês?
- Porque, do contrário, nós te mataremos – o ALPHA Green ergueu a voz.
- Não vou morrer... Não antes de acabar com aquele desgraçado...
- Fale logo! – Takeshi pegou o indivíduo pela garganta e o ergueu à força, posicionando-o de forma a ficar vulnerável a um possível soco – Se quer mesmo matar aquele deus maldito, é melhor nos contar logo tudo que sabe.
- Não sou deste planeta. Assim como ele também não era.
Subitamente, uma explosão. Quando a fumaça baixou, o Príncipe ALPHA apareceu, já se manifestando com uma urgência incomum.
- Esta é uma história que vocês não precisam conhecer.

***

O ALPHA Red e a ALPHA Pink tinham encontrado o outro deus maldito. Felizmente, não estava próximo o bastante de nenhum local muito povoado, e as poucas famílias próximas puderam fugir antes que a batalha começasse.
- Não sei exatamente quem é você, nem porque estava enfrentando alguém que devia ser seu aliado. Só sei que vou derrotar você! – Satoshi bradou, já sacando sua espada.
O ser de aspecto reptiliano foi cuspindo substâncias corrosivas, das quais os dois Jacohrangers se esquivavam. Buracos se abriam nos locais atingidos pela gosma do vilão. Em dado momento, ele concentrou boa quantidade de sua secreção, disparando um jato ácido altamente destrutivo, que chegou explodir carros e umas poucas casas vazias.
Keiko e Satoshi ergueram seus talismãs. O rútilo que surgiu quase nocauteando o oponente. Revestiram suas pistolas com aquela luz, gerando disparos mais poderosos. O deus maldito foi sendo ferido, partes de seu corpo sangrando seu sangue impuro, explosões acontecendo.
- Não vou perder – o ser diabólico urrou.
O monstro fez surgir a gosma cáustica que cuspia também em suas mãos, podendo arremessar o triplo de substâncias corrosivas. Os jatos de energia foram se chocando, gerando mais e mais explosões, ferindo ambos os lados. Houve um breve cessar fogo quando Jacohrangers e deus maldito trocaram olhares de desafio silencioso.
E então voltaram a disparar uns contra os outros.
- Keiko, Jacoh Cannon! – Satoshi berrou, vendo que o poder de que dispunham não bastaria para que vencessem.
- Só nos dois?
- Não temos muita escolha.
Os talismãs emitiram flashes intensos no canhão segurado apenas pelos dois, e um tiro fulminante foi disparado. O deus maldito foi atingido em cheio, explodindo em meio a fogo e fumaça. Mas logo se mostrou vivo. Muito ferido, mas ainda vivo e em condições de combater.
- Tenho algo a mostrar a vocês – ele sussurrou.
E ficou gigantesco.

***

- Não quer que eu conte a eles... maldito...? – o indivíduo disse ao Príncipe ALPHA, que tinha o semblante sério que sempre preocupava os heróis.
O monarca se concentrou, gerando em suas mãos uma energia espectral levemente azulada. O brilho que parecia ter vida foi em direção ao deus maldito que quase caía, e o envolveu, gerando uma luz que cegou todos os presentes.
Quando os olhos voltaram a ver, diante deles havia um ser de pele escura, com fisionomia visivelmente alienígena. Olhar para ele não trazia mais o desespero de minutos atrás. Sabe-se lá como ou por que, ele não era mais um deus maldito.
- ALPHA Change! – ele disse, com voz monocórdia.
E seu corpo se revestiu de uma armadura azul-escura. Era o sexto Jacohranger.

***

- Príncipe ALPHA – Haruto gaguejou – O que significa isso?
- Vocês vão entender já, já.
Naquele momento, um tremor de terra. Logo ficou visível a todos a imagem do terceiro deus maldito atingindo a altura de aproximadamente cinquenta metros. Naquelas condições, era óbvio que Satoshi e Keiko não poderiam vencê-lo sem ajuda.
- Nem precisa nos dizer – Takeshi, o ALPHA Black, olhou para os companheiros e não esperou que o Príncipe ALPHA os orientasse a ir ajudar o ALPHA Red e a ALPHA Pink.
- Vamos! – Naomi e Haruto responderam em coro.
No caminho, já invocaram os animais sagrados de suas estatuetas.  
- Densetsu Chikyuu Gattai! – eles gritaram ao mesmo tempo.
Os três animais fundiram-se em um só, formando a mais poderosa arma do planeta em defesa da justiça.
- Robô Guardião Lendário, pronto para o combate.
A máquina de batalha dos heróis chegou ao local do confronto, bloqueando um ataque incineraria Satoshi e Keiko. Ambos usaram o que restava do poder de seus talismãs para gerar uma aura mais poderosa na espada do Robô Guardião Lendário, que já ia rasgando o deus maldito, em cortes rápidos e ferozes.
Todas as tentativas do monstro de ferir os heróis com cusparadas corrosivas foram bloqueadas pela lâmina da espada do Robô Guardião Lendário. A arma seguiu talhando o vilão, até chegar ao ponto de ele não ter forças para contra-atacar, tampouco para se defender do golpe final que estava por vir.
- Chou Densetsu Crusher!
O terceiro deus maldito estava destruído.

***

- Ter me transformado em Jacohranger não faz de você menos desgraçado – o herói azul bradou – Você vai pagar por tudo. Você e sua família imunda. Tiraram de mim o direito de acabar com aquele que destruiu minha família. Pois destruirei seus preciosos Jacohrangers depois também.
- Não tiro sua razão de querer se vingar de mim...
- Cale-se!
Os outros cinco Jacohrangers voltaram felizes pela vitória, mas curiosos para entender o que acontecia. Ao verem o sexto Jacohranger atacando violentamente o Príncipe ALPHA, a estupefação foi tamanha. Sequer conseguiram fazer as perguntas que queriam. Tampouco conseguiram interferir.
- Acha realmente que vai sair ileso depois que tudo fizeram por todo o universo? Acha que vai conseguir continuar iludindo seus discípulos?
- Você precisa se acalmar! – o Príncipe ALPHA gritou, apenas se defendendo dos ataques do sexto Jacohranger – Não vai resolver nada fazendo isso!
- Afinal, o que está acontecendo? – Satoshi gritou.
O Jacohranger azul, furioso, girou sua espada. Foi criando uma corrente de ar que foi quase se tornando um furacão. Um verdadeiro ciclone foi arremessado contra o Príncipe ALPHA, gerando uma explosão imensa. Os demais Jacohrangers voaram junto. O sexto guerreiro, suando frio, respirava descompassadamente. Sua transformação se desfez.
E ele caiu de joelhos, cansado, sem saber ao certo se tinha sido bem-sucedido em sua vingança.
- Agora, Príncipe maldito... Agora matarei o seu pai. Depois, destruirei esses Jacohrangers... Esses malditos que não permitiram que eu tivesse minha vingança. Preparem-se.
E caiu desmaiado.

NO PRÓXIMO EPISÓDIO DE JACOHRANGERS:

As verdades sobre o Jacohranger azul e sobre o Imperador ALPHA vêm à tona. O que os Jacohrangers irão fazer? Não percam:


EPISÓDIO 25 – O DESTINO É A DESTRUIÇÃO!

sábado, 2 de maio de 2015

EPISÓDIO 23 - QUAL A VERDADEIRA IDENTIDADE DELE?

EPISÓDIO 23 – QUAL A VERDADEIRA IDENTIDADE DELE?

彼の正体は何ですか?

O Príncipe ALPHA chorava sozinho em seu aposento improvisado.
- Meu Pai... Meu Pai... vai morrer. Não posso mais esperar. Preciso fazer alguma coisa.

***

Os cinco Jacohrangers conversavam entre si. Nos últimos dias, este tipo de interação tinha sido rara. Mas, enquanto a conversa foi sobre assuntos triviais, tudo ocorreu de forma bem tranquila, com direito até a risadas.
- Por que ficou quieto de repente, Satoshi? – Naomi perguntou.
- Estava aqui pensando... Já derrotamos dois.
- Dois?
- Dois. Dois deuses malditos.
- Ah, pessoal, vamos tentar não pensar nisso só por hoje? – Takeshi disse – Vamos aproveitar que eles nos deram uma folga e tentar não pensar neles.
- Eu não consigo evitar – o ALPHA Red rebateu – E nem acho que seja tão ruim assim pensar nisso. Pensem comigo: vencemos os dois primeiros. Isso após termos vencido o maldito Netsuzon. Apesar de todas as dificuldades, nos tornamos muito fortes. Muito fortes mesmo.
- Isso é verdade, mas não consigo ser tão otimista quanto você – Haruto disse, encostando-se a uma parede e suspirando – Provavelmente, aqueles que ainda não enfrentamos são muito mais fortes.
- Sem contar que, quando tivermos que enfrentar o Imperador ALPHA... – Keiko não soube continuar a frase.
- O que tem? – Satoshi perguntou.
- De que lado o Príncipe ficará?
- Vocês ainda não acreditam nele? – Naomi sorriu – Ainda acham que ele vai nos trair?
- Talvez – Satoshi foi honesto – Não estamos falando de um humano como nós.
- Como se os humanos fossem todos totalmente confiáveis – Naomi resmungou.
- Ainda acho muito cedo para pensarmos nisso tudo – Haruto disse – Nós ficamos muito fortes, ainda temos muitos desafios, mas também precisamos de um descanso. Vamos aproveitar que não há ataques hoje e tentar não pensar nisso.
- O Haruto tem razão – Takeshi disse – O Príncipe ALPHA está monitorando a cidade. Se algo ruim acontecer, ele nos avisará. Vamos falar sobre outras coisas. Não é só nossos corpos que precisam descansar, não acham?
Houve um sorriso generalizado, e a conversa voltou a ser sobre amenidades. Algumas risadas surgiram quando fizeram piadas sobre o novo quartel-general do grupo, e Satoshi corou quando Takeshi comentou que ele estava olhando demais para o decote de Keiko.
- Já disse para não se apaixonar por mim! – ela ergueu a voz, fingindo irritação.
- Já disse? – Takeshi aproveitou para continuar com o gracejo – Quer dizer que já conversaram sobre isso? Quando será o casamento?
Satoshi ficou tão constrangido que quase saiu da sala, mas acabou permanecendo quando Haruto achou uma forma de fazer piadas com o cabelo de Takeshi. No fim, houve risadas por parte de todos.
Não era possível prever se aquilo teria alguma influência na batalha deles contra os inimigos. Mas o fato é que começavam a se tornar verdadeiramente amigos.

***

- Problemas! E dos grandes! – Príncipe ALPHA adentrou aquela sala com a urgência típica de quando tinha más notícias – Uma batalha na região oeste da cidade, próxima à praça da feira municipal.
- Batalha? – Haruto perguntou – Quem está batalhando?
- Não sei! – o monarca respondeu – Na verdade, não tenho certeza. Mas tudo indica que são dois deuses malditos.
- O que? – a estupefação foi de todos.
- Não faz nenhum sentido, eu sei. Por isso, a missão de vocês é ir até lá, descobrir o que está acontecendo e detê-los. Ou destruí-los, de preferência.
- ALPHA Change!
E os cinco Jacohrangers partiram.

***

Em um primeiro momento, Naomi e Keiko se puseram a auxiliar as pessoas feridas. Havia dezenas de pessoas atingidas pelos raios disparados pelos combatentes, muitas caídas nas calçadas, incapazes de andar por si próprias. A ALPHA Yellow e a ALPHA Pink levaram todos que puderam a uma espécie de depósito, local onde, teoricamente, todos ficariam seguros.
Depois voltaram para combater com seus amigos.
- Já chega! Quem são vocês, e por que estão se enfrentando? – o ALPHA Red questionou em voz alta.
Os deuses malditos ignoraram a pergunta e seguiram travando um violento confronto. Haruto e Takeshi trocaram olhares, como quem busca a concordância do parceiro na aprovação de uma estratégia. Assentiram ao mesmo tempo, e dispararam com suas pistolas, cada um contra um dos inimigos.
Tão logo os monstros se voltaram para os Jacohrangers, Naomi e Keiko já avançavam espada em punho. Os golpes da lâmina delas pouco efeito obteve, mas fez os deuses malditos pararem com suas escaramuças e contemplarem os cinco heróis reunidos.
- Isso não é assunto de vocês, seres da Terra – disse o mais monstruosos deles, um ser com aspecto reptiliano, presas imensas e língua que gotejava ácido.
O outro era um ser humanoide, de pele que parecia armadura totalmente branca. Nas mãos, uma espada e um mini escudo. O capacete fechado não permitia a visualização de seu semblante.
Ambos os deuses malditos dispararam raios violentos contra os heróis, fazendo-os recuar um pouco. E a batalha entre os seres malignos recomeçou furiosa, gerando uma destruição considerável nos arredores.
- Eles não querem parar por bem, então vão parar por mal! – Satoshi gritou.
- O que pensa em fazer? – era Haruto.
- Vamos de ALPHA Cannon!
- Não acha que está exagerando? – Takeshi perguntou.
- De qualquer jeito, vamos ter que destruí-los quando eles pararem de brigar entre eles. Então é melhor agora que estão desprevenidos.
- Talvez tenha razão! – Keiko disse.
- ALPHA Cannon!
Uma explosão imensa atingiu os monstros. O ser reptiliano, mesmo ferido, fugiu. O guerreiro de forma humanoide parecia ter sido bem mais atingido e ficou no chão, sangrando um líquido esbranquiçado repugnante.
Os Jacohrangers se aproximaram e já preparavam o golpe final, quando o deus maldito disse algo inesperado.
- Aquele desgraçado... que fugiu... matou minha família... Não o deixem fugir... Ele precisa pagar... pelo que fez...
- Família? – Satoshi bradou – Você é um deus maldito. Não tem família.
- Mas já... tive.
- De qualquer forma, ele tem razão! – Haruto disse – Não podemos deixar aquele monstro solto pela cidade. Ninguém sabe o que ele pode fazer.
- Eu vou atrás dele! – o ALPHA Red bradou – Keiko, você vem comigo?
Ela enrubesceu, mas aceitou. Haruto, Takeshi e Naomi ficaram. Pelo jeito, tinham muitas perguntas a fazer ao deus maldito caído a seus pés.
- Agora – o ALPHA Black disse – você vai nos contar direito essa história de ele ter matado sua família.

NO PRÓXIMO EPISÓDIO DE JACOHRANGERS:

Satoshi e Keiko não são capazes de vencer o inimigo, e Haruto, Takeshi e Naomi partem ajudá-los. A aparição do Príncipe ALPHA diante do guerreiro de armadura branca faz acontecer algo inesperado. Não percam:


EPISÓDIO 24 – O SEXTO JACOHRANGER!